Menu
Busca domingo, 21 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Política

No brasil 97% das mulheres já sofreram assédio em transporte

A afirmação é da pesquisa dos Institutos Patrícia Galvão e Locomotiva

18 junho 2019 - 12h15Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Uma pesquisa divulgada pelos Institutos Patrícia Galvão e Locomotiva, em parceria com uma empresa de transporte por aplicativo, mostrou que 97% das mulheres brasileiras dizem já ter sido vítimas de assédio em meios de transporte.

Ainda de acordo com a pesquisa, outras 71% conhecem alguma mulher que já sofreu assédio em público.

Para fazer a pesquisa sobre violência contra a mulher no transporte foram ouvidas 1.081 brasileiras em diversas regiões do país e que utilizaram transporte público e por aplicativo nos três meses anteriores à data do início do estudo, em fevereiro deste ano.

Segundo o levantamento, 72% das entrevistadas dizem que o tempo de locomoção entre a casa e o trabalho influenciam na decisão de aceitar um emprego ou permanecer nele.

Ainda assim, 46% das entrevistadas não se sentem confiantes para usar meios de transporte sem sofrer assédio sexual.

A segurança no meio de locomoção é o fator que mais preocupa as mulheres, que relatam situações das mais variadas, passando por olhares insistentes, cantadas indesejadas, comentários de cunho sexual, perseguição, e até mesmo passadas de mão ou homens que se esfregam no corpo da mulher se aproveitando da lotação.

As citações de assédio no transporte público são mais numerosas do que nas outras alternativas.  De acordo com a pesquisa, uma em cada quatro mulheres se sentem seguras quando usam transporte por aplicativo.

O número passa para 68% entre as que mencionam o uso dos táxis, enquanto 26% se sentem seguras no transporte público.

 Entre as entrevistadas, 55%  consideram que a denúncia dos abusadores é mais fácil no caso dos transportes por aplicativo, sendo esse meio, para 45%, o que dá mais chances de que os assediadores sejam punidos. 

Para 91% das consultadas, o transporte por aplicativo melhorou sua capacidade de locomoção pela cidade e 94% afirmam que se sentem mais seguras sabendo que, se precisarem, podem chamar um transporte desse tipo para voltar para casa.

Para a diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo, é importante não apenas aplicar leis que criminalizem o assédio sexual no transporte.

Segundo a diretora de pesquisa do Instituto Locomotiva, Maíra Saruê Machado, o estudo aponta que as mulheres não têm segurança para se locomover pelas cidades. “Elas são assediadas, seja nas ruas ou nos meios de transporte, quando saem para trabalhar, levar as crianças para a escola, se divertir. Para que as mulheres tenham mais autonomia, precisamos de políticas de combate à violência que incluam o olhar para esses deslocamentos".

Roberto Carlos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Licitação para construção da ponte na Rota Bioceânica é assinada
Política
Mandetta quer revigorar o SUS
Política
Reinaldo destaca a importância de Porto Murtinho na Rota Bioceânica
Política
Ramos afirma que pretende manter boas relações com parlamentares
Política
Presidente tucano assegura apoio a Marquinhos na capital
Política
Reinaldo vai à fronteira nesta sexta-feira
Política
"Governo não vai criar novos impostos", diz Bolsonaro
Política
Câmara define comissão para atuar durante o recesso
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Política
Tucanos discutirão estratégias para 2020 neste sábado

Mais Lidas

Polícia
Em grave acidente adolescente perde os pais e fica ferido
Polícia
Jovem é abordado por dupla e baleado na cabeça
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Polícia
Mulher tenta transportar droga em carro de aplicativo