Menu
Busca segunda, 13 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 03
Política

Obama fala de políticas mais duras contra a violência após massacre

17 dezembro 2012 - 10h19Reprodução

Em um discurso feito em Newtown, Connecticut, na noite deste domingo (16), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, falou sobre políticas mais duras contra a violência para que tragédias como a que matou 26 pessoas - 20 delas crianças - na escola de educação infantil Sandy Hook na última sexta-feira (14) não se tornem rotina.

Citando os nomes das 20 crianças - com entre seis e sete anos - mortas no massacre, Obama pediu em uma cerimônia religiosa ecumênica em Newtown que todos "façam com que nosso país seja mais digno" em memória das vítimas, após transmitir aos familiares e amigos dos mortos "o amor e as orações" dos Estados Unidos.

“Estamos preparados para dizer que somos impotentes diante de tal carnificina? Que [fazer] política é muito difícil? Estamos prontos para ver a violência atingir nossas crianças em nome da nossa liberdade?", questionou, referindo-se ao direito de portar armas, tema polêmico na política norte-americana e defendido entre fortes setores da comunidade.

Em seu discurso no auditório do colégio de Newtown, Obama perguntou a seus compatriotas se "estamos fazendo o suficiente para proteger nossas crianças". "Refleti nestes últimos dias e, para sermos honestos, a resposta é não".

O presidente admitiu que nenhuma lei pode, sozinha, eliminar a violência de um país. “Mas isso não pode ser desculpa para não agirmos”, disse. “Temos a obrigação de tentar. Não podemos aceitar eventos como esse como nossa rotina”, falou, visivelmente emocionado.

O presidente dos Estados Unidos disse que é tarefa de todos da nação cuidar das crianças para que elas cresçam em segurança.

Referindo-se a outros ataques com armas que fizeram diversas vítimas neste ano nos Estados Unidos, Obama disse que “essa é a quarta vez que confortamos famílias de vítimas” e que isso não poderá mais ser tolerado.

O presidente americano acrescentou que, nas próximas semanas, usaria todo o "poder a ele confiado" em um "esforço para prevenir novas tragédias", mas não fez nenhuma menção direta à discussão sobre um controle de armas mais rígido no país ou, eventualmente, sua proibição.

"Não podemos aceitar que fatos como estes se tornem rotina. Estamos dispostos a admitir que somos impotentes diante destes massacres como o de Newtown? Que a situação política é demasiado difícil?" - perguntou o presidente sobre a posse de armas nos Estados Unidos.

"Estamos dispostos a dizer que uma violência como esta, da qual são vítimas ano após ano os nossos filhos, é de uma maneira ou outra o preço a pagar por nossa liberdade?" - desafiou Obama, indicando que vai liderar o debate sobre a venda e a posse de armas no país.

A senadora democrata Dianne Feinstein anunciou que apresentará um projeto de lei assim que o novo Congresso assumir, em janeiro, para proibir a venda de fuzis de assalto à população.

"Vou apresentar no Senado e o mesmo projeto será introduzido na Câmara baixa, um projeto para proibir este tipo de armas", disse a senadora da Califórnia à rede NBC.

Críticos de Obama lembraram que ele já fez discursos semelhantes, embora com um tom menos afirmativo, em outras ocasiões, como quando a ex-congressista Gabrielle Giffords foi atingida na cabeça ao sofrer um atentado em janeiro do ano passado.

Obama leu os nomes dos seis funcionários e das 20 crianças da escola Sandy Hook que morreram no atentado. O pronunciamento do presidente dos EUA foi precedido de um ato ecumênico em memória às vítimas.

Identidade do atirador
Neste domingo, a polícia dos Estados Unidos confirmou a identidade do atirador como sendo Adam Lanza, um rapaz de 20 anos que era "quieto e inteligente", segundo amigos.

Até então, o nome do suspeito era divulgado só pelas redes de televisão e imprensa locais, mas a polícia não confirmava.

Adam Lanza havia estudado em Sandy Hook e, de acordo com um livro da vizinhança, gostava de futebol americano, andar de skate e jogar videogame. Ele não tinha nenhuma passagem pela polícia.

Via G1 com informações da BBC

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus

Mais Lidas

Brasil
“Bêbada de Curitiba” morre após luta contra o câncer
Brasil
Famoso por velar a mãe sozinho, José morre queimado
Geral
Funsat encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho
Polícia
MP é contrário a liberdade de jovem que matou namorada em acidente