Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Política

Patriota leva a Israel e à Palestina mensagem em defesa da paz e do diálogo

09 outubro 2012 - 11h16Reprodução / Agência Brasil

Para defender a busca por acordos de paz negociados e o fim dos conflitos armados, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, viaja esta semana para o Oriente Médio. A viagem  tem dois destinos – Israel, no dia 14 (domingo), e a Palestina, na segunda-feira (15). As conversas de Patriota ainda estão sendo agendadas. A disposição do chanceler é demonstrar a preocupação que o Brasil tem com a região.

O Brasil é favorável ao Estado da Palestina autônomo e independente. Para a presidenta Dilma Rousseff, o reconhecimento da Palestina é a única solução de paz entre israelenses e palestinos. Segundo ela, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) deve dar prioridade ao assunto e buscar uma solução imediata para a questão.

“Apenas uma Palestina livre e soberana poderá atender aos legítimos anseios, inclusive de Israel, por paz com seus vizinhos, segurança nas fronteiras e estabilidade política regional”, disse Dilma, no último dia 2, no Peru.

O chanceler brasileiro desembarca em Israel no momento em que os judeus religiosos da França enfrentam uma onda de ataques. O presidente francês, François Hollande, determinou redobrar a segurança nas sinagogas para impedir eventuais contratempos.

Na semana passada, durante a 3ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo América do Sul–Países Árabes (Aspa), em Lima, no Peru, a presidenta Dilma Rousseff repudiou “todas as formas de intolerância religiosa”, assim como o que chamou de islamofobia, que é o horror aos seguidores do islamismo.

Ela defendeu a busca pelo “caminho do diálogo” nas situações de conflito e mencionou o esforço na Aspa. Na ocasião, a presidenta ressaltou o apoio do Brasil ao enviado especial das Nações Unidas e da Liga Árabe à Síria, Lakhdar Brahimi.

Em várias ocasiões, Dilma e Patriota referiram-se às preocupações em torno dos confrontos armados não só na Síria, como também na Líbia e no Iraque. O governo brasileiro é contra intervenções militares externas em caso de conflitos nos países muçulmanos. “A solução para os problemas enfrentados pelos países árabes, do nosso ponto de vista, só poderá ser encontrada por eles próprios”, destacou a presidenta.

Nas reuniões que terá em Tel Aviv, em Israel, e Ramalah, na Cisjordânia, Patriota também deverá mencionar a defesa do governo brasileiro na promoção do desarmamento nuclear e da não proliferação de armas nucleares. O Brasil defende a criação de uma zona livre de armas de destruição em massa no Oriente Médio.

Via Agência Brasil

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
TSE excluirá biometria nas eleições municipais para evitar contágio
Política
Publicada a exoneração de Mansueto da Secretaria do Tesouro
Política
“Caso de polícia”, diz Fábio sobre fake news de lockdown na capital
Política
Capital: Câmara testa plataforma de sessão remota nesta quarta
Política
Câmara aprova projeto de proteção às mulheres em bares e casas noturnas
Política
Paulo Corrêa se recupera do coronavírus e retoma atividades na Assembleia
Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação

Mais Lidas

Polícia
Criança baleada pelo ex-marido da avó morreu nesta quarta-feira
Cidade
Marquinhos recomenda que igrejas façam cultos on line
Saúde
APAE apresenta projeto para diagnóstico e tratamento precoce do autismo
Esportes
Copa do Mundo do Catar: Fifa anuncia o calendário para 2022