Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS outubro20
Política

Por unanimidade relatório de prosseguimento de impeachment de Wilson Witzel é aprovado

O texto segue agora para votação em plenário, onde pode receber emendas. A votação poderá levar mais de uma sessão.

18 setembro 2020 - 14h14Matheus Rondon

Foi publicado nesta sexta-feira (18) no Diário Oficial da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) o projeto de resolução que autoriza o processo por crime de responsabilidade contra o governador afastado Wilson Witzel.

Na quinta-feira (17), a comissão especial que analisa o pedido de impeachment de Witzel na Alerj aprovou, por 24 votos a 0, o parecer do relator, deputado Rodrigo Bacellar (SDD), pela continuidade do processo de  afastamento.

Bacellar afirmou, em seu relatório, que há fortes indícios de que o governador afastado tenha cometido crime de responsabilidade por meio do recebimento de vantagens indevidas. Witzel é acusado de participação em um esquema de desvio de recursos públicos destinados ao combate à pandemia da covid-19 no estado do Rio de Janeiro. Ele foi afastado do cargo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O texto segue agora para votação em plenário, onde pode receber emendas. A votação poderá levar mais de uma sessão.

Para ser aprovado, o texto precisará do quórum qualificado de dois terços dos 70 parlamentares, ou 47 deputados. Caso a decisão da Casa seja pela aceitação da denúncia, será formado um tribunal misto composto por deputados e desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado (TJRJ).

Ontem , no Twitter, Witzel disse ter recebido “com respeito e tranquilidade” a decisão da comissão da Alerj. Ele informou que, além da defesa por escrito, antes da votação em plenário fará sua defesa presencial para demonstrar que não cometeu crime de responsabilidade. Ele também afirmou ter confiança em um julgamento justo.

“Combati o crime organizado e a corrupção, que tentou se instalar no meu governo. Eu determinei a investigação dos contratos da saúde e afastei os suspeitos. O linchamento político do qual tenho sido vítima deixará marcas profundas no Rio. Venho sendo acusado sem provas e sem direito à ampla defesa, inclusive no STJ. A minha luta é pela democracia, é para que um governador eleito pelo povo possa prosseguir e concluir o seu mandato”, escreveu na rede social.

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Vídeo: Bolsonaro visita Pazuello, um dia após diagnóstico de covid
Política
Pesquisa mostra terceira via em Corumbá
Política
VÍDEO: Candidato a vereador em MS é assaltado durante live
Política
Eleições 2020: Marquinhos fará entrevista ao vivo no JD1 às 17h
Política
Senador flagrado com dinheiro nas nádegas pede licença por 90 dias
Política
AO VIVO: O que Guto Scarpanti quer fazer por Campo Grande?
Política
Simone Tebet garante amplo debate na sabatina de indicado ao STF
Política
Justiça Eleitoral muda locais de votação na capital; confira
Política
Confira a agenda de compromissos dos candidatos nesta terça
Política
Ibope - Gestão de Marquinhos tem 52% de aprovação e 16% de rejeição

Mais Lidas

Geral
Avó vende rifa para pagar cirurgia da neta
Justiça
Sobrinho que matou tio com 9 tiros será julgado nesta sexta-feira
Economia
Caixa já disponibilizou mais de R$ 25 bilhões para micro e pequenas empresas na pandemia
Educação
Governo forma 1° turma de médicos da UEMS