Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Política

Prefeito veta alterações e Câmara rediscute Lei do Silêncio

02 março 2011 - 13h23
O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Paulo Siufi (PMDB), confirmou que foi protocolado há pouco na Casa o veto do prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) às alterações na Lei do Silêncio. Agora, o veto segue para a procuradoria jurídica da Câmara, que vai analisar e apresentar o estudo dos pontos vetados aos vereadores às 18h30 de hoje. Neste horário, os vereadores vão se reunir, na presidência da Câmara, para discutir se derrubam ou mantêm os vetos do prefeito à lei. Além disso, eles vão discutir quando à lei será colocada novamente para votação. O prazo é de 30 dias para que a matéria seja votada. Trad Filho já havia admitido, em outras oportunidades, que sancionar ou não às alterações não resolveria o problema, pois os eventos, como a Expogrande, continuariam precisando de licença ambiental e alvará de funcionamento. Por conta disso, e chefe do executivo municipal teria considerado que a nova disposição da lei não surtiria efeito. Na opinião do presidente da Apems (Associação dos Produtores e Promotores de Eventos de Mato Grosso do Sul), Carlos Roledo Júnior, o veto não vai atrapalhar o acordo entre o prefeito e os produtores de evento para que sejam mantidos os shows da Expogrande deste ano. Roledo também comentou que já esperava a decisão do prefeito. Para que a grade musical da Expogrande deste ano ocorra, os produtores devem formular um TAC, com o Ministério Público, para propor medidas que se adéqüem à legislação ambiental e não incomodem os moradores da região. Uma das medidas seria começar e terminar os shows mais cedo. Acordo - As alterações na Lei do Silêncio foram aprovadas no dia 8 de fevereiro. Trad chegou a ponderar que o entendimento seria a melhor saída. O projeto do vereador Carlos Borges – Carlão (PSB) coloca o Carnaval, a Expogrande, a Festa Junina e o Reveillon popular como eventos que podem ocorrer fora da abrangência do Lei do Silêncio. A justificativa é a importância e tradição dessas festas para a Capital. Com um acordo em vista para realizar os shows da feira neste ano, a prefeitura quer fazer parceria público privada para a construção de uma arena para eventos na cidade. A utilização do estádio Morenão também é debatida. Fonte: CG News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus

Mais Lidas

Brasil
“Bêbada de Curitiba” morre após luta contra o câncer
Brasil
Famoso por velar a mãe sozinho, José morre queimado
Geral
Funsat encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho
Polícia
MP é contrário a liberdade de jovem que matou namorada em acidente