Menu
Busca domingo, 24 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS Janeiro/21 juizado de transito
Política

Prefeito veta alterações e Câmara rediscute Lei do Silêncio

02 março 2011 - 13h23
O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Paulo Siufi (PMDB), confirmou que foi protocolado há pouco na Casa o veto do prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) às alterações na Lei do Silêncio. Agora, o veto segue para a procuradoria jurídica da Câmara, que vai analisar e apresentar o estudo dos pontos vetados aos vereadores às 18h30 de hoje. Neste horário, os vereadores vão se reunir, na presidência da Câmara, para discutir se derrubam ou mantêm os vetos do prefeito à lei. Além disso, eles vão discutir quando à lei será colocada novamente para votação. O prazo é de 30 dias para que a matéria seja votada. Trad Filho já havia admitido, em outras oportunidades, que sancionar ou não às alterações não resolveria o problema, pois os eventos, como a Expogrande, continuariam precisando de licença ambiental e alvará de funcionamento. Por conta disso, e chefe do executivo municipal teria considerado que a nova disposição da lei não surtiria efeito. Na opinião do presidente da Apems (Associação dos Produtores e Promotores de Eventos de Mato Grosso do Sul), Carlos Roledo Júnior, o veto não vai atrapalhar o acordo entre o prefeito e os produtores de evento para que sejam mantidos os shows da Expogrande deste ano. Roledo também comentou que já esperava a decisão do prefeito. Para que a grade musical da Expogrande deste ano ocorra, os produtores devem formular um TAC, com o Ministério Público, para propor medidas que se adéqüem à legislação ambiental e não incomodem os moradores da região. Uma das medidas seria começar e terminar os shows mais cedo. Acordo - As alterações na Lei do Silêncio foram aprovadas no dia 8 de fevereiro. Trad chegou a ponderar que o entendimento seria a melhor saída. O projeto do vereador Carlos Borges – Carlão (PSB) coloca o Carnaval, a Expogrande, a Festa Junina e o Reveillon popular como eventos que podem ocorrer fora da abrangência do Lei do Silêncio. A justificativa é a importância e tradição dessas festas para a Capital. Com um acordo em vista para realizar os shows da feira neste ano, a prefeitura quer fazer parceria público privada para a construção de uma arena para eventos na cidade. A utilização do estádio Morenão também é debatida. Fonte: CG News
senar janeiro21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
"Se chegar hoje, vacinas serão entregues amanhã", diz Bolsonaro
Política
Dilma sobre convite de Doria para se Vacinar: "É inaceitável furar a fila"
Política
Senado: Simone Tebet diz que não é momento para falar em impeachment
Política
Com Covid-19, Murilo assume governo na segunda e vai despachar de casa
Política
Em eleição restrita a prefeitos, Assomasul elege nova diretoria nesta sexta
Política
Homem de preto executa jovem com tiros nas costas, cabeça e nuca no Tijuca
Política
Covid-19: PGR diz que cabe ao Legislativo apurar responsabilidades
Política
Bolsonaro destaca papel da Aeronáutica na comemoração de seus 80 anos
Política
Impeachment de Bolsonaro tem 110 deputados a favor, aponta levantamento
Política
Tebet revela sua estratégia para conquistar mais votos no Senado

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio