Menu
Busca segunda, 23 de novembro de 2020
(67) 99647-9098
Sesi_protocolo de atendimento
Política

Relator muda texto e investimento em educação pode chegar a 10% do PIB

13 junho 2012 - 19h48Alexandra Martins / Ag. Câmara

O relator do PNE (Plano Nacional de Educação), deputado Angelo Vanhoni (PT-PR), anunciou nesta quarta-feira (13) que fez duas modificações de última hora no texto: subiu a meta de investimento em educação de 7,5% para 8% do PIB (Produto Interno Bruto) e criou a possibilidade de elevar esse percentual a 10%, caso metade dos recursos do pré-sal, a serem investidos na área, representem 2% do total.

Hoje, a comissão especial da Câmara que analisa o PNE aprovou o texto base do plano, com os 8% e votos contra do Psol e do PDT. O plano estabelece 20 metas educacionais que o Brasil deverá atingir até 2020. Porém, o patamar de investimento só deverá ser decidido de forma definitiva no dia 26, quando destaques sobre o tema deverão ser votados. Parlamentares e grupos da sociedade civil devem tentar alterar a meta de 8% para 10%, sem que haja a necessidade de uso de 50% do pré-sal.

Há 160 destaques a serem votados no dia 26. O plano tramita em caráter conclusivo, sem necessidade de passar pelo plenário da Câmara antes de seguir para o Senado. Porém, caso haja algum recurso, o texto pode ir à votação no plenário.

Mudanças no investimento
As mudanças foram feitas de ontem (12) para hoje, após pressão de movimentos sociais. Vanhoni determinou que o investimento mínimo será de 8%. Porém, ele incluiu um artigo no texto do PNE estabelecendo que 50% dos recursos do pré-sal, incluindo os royalties, deverão ser utilizados diretamente em educação “para que, no final de dez anos de vigência do PNE, seja atingido o percentual de 10% do PIB para investimento em educação pública”.

Ou seja: tecnicamente, Vanhoni criou um "gatilho", que permite que o montante suba de 8% para 10%, caso metade dos recursos do pré-sal equivalham a 2%.  “Infelizmente, essa discussão ficou muito politizada [dos 10% do PIB para educação] porque senão tenho certeza que à luz da razão e dos dados técnicos nós chegaríamos a um acordo e votaríamos por unanimidade”, disse o relator.

Atualmente, o país aplica 5,1% do PIB em educação.

"A mudança veio de uma pressão das entidades. Mas a gente ainda entende que é importante colocar dez por cento na meta", afirma Daniel Cara, da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Ainda dentro da meta de investimento, o texto aprovado hoje traz também como um dos objetivos do PNE a implementação do CAQi (Custo Aluno-Qualidade Inicial), que determina um mínimo de investimento por aluno para a criação de um padrão mínimo de qualidade. Esse custo leva em conta diversos fatores, como número de alunos por turma, salário docente e insumos para utilização em sala de aula.

(Com informações da Agência Brasil)

Via Uol

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
TRE-MS anula votos dados a Harfouche e aumenta vantagem de Marquinhos
Política
Ex-vereador morre depois de ser picado por uma cobra em MS
Política
Prefeito de Barra do Bugres (MT) perde eleição e demite 365 funcionários
Política
Nas eleições de 2020, número de indígenas eleitos é recorde no Brasil
Política
Aos 18 anos, Nivaldinho é o vereador eleito mais jovem de MS
Política
AO VIVO: Acompanhe a posse de Mara Caseiro na Assembleia
Política
Mara Caseiro retorna à Assembleia no lugar de Onevan
Política
Conheça um pouco da trajetória dos 29 vereadores eleitos na Capital
Política
Em clima de despedida, vereadores não reeleitos parabenizam colegas que ficam
Política
Moraes determina prisão domiciliar de blogueiro bolsonarista

Mais Lidas

Polícia
Vídeo: depósito em chamas em Campo Grande
Polícia
Frigorífico é multado em R$ 10 mil devido a vazamento de amônia
Cidade
Familiares e amigos lamentam morte de Everton Quebra
Polícia
As versões da agressão: mulher e polícia divergem