Menu
Busca segunda, 03 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
Política

Rodrigo Maia defende sindicatos e diz que acabar com eles foi medida adotada por Hitler

Ele afirmou que a reforma trabalhista de 2017 foi muito dura com os sindicatos

04 julho 2020 - 16h12Gabriel Neves

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu, neste sábado (4), a necessidade de uma “reorganização” do papel dos sindicatos brasileiros.

Para o parlamentar, a reforma trabalhista aprovada em abril de 2017 enfraqueceu as entidades representativas dos trabalhadores que, atualmente, enfrentam dificuldades para custear suas ações.

“A votação da lei trabalhista que eu conduzi teve um papel importante. De fato, a legislação brasileira, não estimulava o emprego e não protegia o trabalhador. Havia um poder excessivo nos sindicatos, mas o outro lado (patronato) formou maioria e levou o pêndulo para um lado que, agora, precisa ser reorganizado em um ponto de equilíbrio”, disse Maia ao participar de uma webconferência realizada pelo Grupo Prerrogativas.

“Acho que a legislação trabalhista foi modificada de forma correta, mas acho que na questão dos sindicatos ela foi dura demais”, acrescentou Maia pouco após defender a importância da atividade sindical para a democracia. “Não podemos nos esquecer de que o principal ato inicial quando Hitler virou chanceler (da Alemanha) foi acabar com os sindicatos.”

Para o presidente da Câmara, é preciso “construir um caminho” que permitam às organizações financiar-se. “Não tenho dúvida nenhuma de que os sindicatos têm que ter condições de financiar seu trabalho de representação na sociedade. Não com aquele mesmo volume de financiamento que acabou gerando uma reação da sociedade, mas é bom termos os sindicatos participando da nossa vida democrática”, ponderou Maia.

Lava Jato

Durante a webconferência, o presidente da Câmara também criticou a atuação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). E comentou a polêmica suscitada pela ação da subprocuradora Lindora Araújo, auxiliar do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Responsável pela coordenação da Operação Lava Jato na PGR desde janeiro deste ano, a subprocuradora tornou-se alvo de críticas de membros do MPF após pedir acesso a documentos sigilosos produzidos pela força-tarefa.

Procuradores não só se queixaram da iniciativa à Corregedoria do MPF, como parte deles pediram desligamento da força-tarefa Lavo Jato, acusando Lindora de tentar interferir nas apurações.

“Alguns ambientes no nosso país acham que estão acima de Deus. Que não podem ser fiscalizados. Nosso Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) precisa começar a funcionar, precisa começar a punir. Acho que este é um debate que precisamos fazer. A constituição do CNMP, do jeito como ele está montado, tem gerado mais impunidade do que qualquer outra coisa, pois ali nada acontece”, criticou o presidente da Câmara.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
MS tem 803 casos novos de coronavírus e 327 são na capital
Política
Beto e Fábio propõem projetos que barram candidaturas imediata de Juízes
Política
Dois deputados lideram disputa em Dourados, diz Instituto Ranking
Política
"Auxílio ajuda superar crise salvando vidas e empregos", diz Coronel David
Política
Vídeo: “Não quero saber quem é você”, diz PM ao abordar motorista de Ferrari
Política
"É uma operação de guerra”, diz Riedel sobre combate aos incêndios no Pantanal
Política
Vídeo: Abatido, Delcídio faz relato e volta ser internado
Política
Simone consegue liberação de quase R$ 29 mi para cidades do MS
Política
Câmara de Dourados analisa contratos da Prefeitura alvos de Operação Contágio
Política
“Senado mudará lei para que vacina do Covid-19 venha logo”, diz Nelsinho

Mais Lidas

Saúde
AO VIVO - Estado atualiza casos de coronavírus
Polícia
Por vingança, homem mata cunhado descarregando revólver
Saúde
Pai de vereador, apóstolo da El Shaddai está entubado com coronavírus
Polícia
Imagens fortes - Acidente deixa 8 mortos e mais de 20 feridos