Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Política

Temas polêmicos e sobre sexualidade vão repercutir nas sessões da Câmara em 2011

02 fevereiro 2011 - 14h30
O presidente da Câmara dos Vereadores, Paulo Siufi (PMDB), deixou claro que os projetos e discussões polêmicas que marcaram 2010 vão continuar repercutindo em 2011. Conforme Siufi, temas como cobranças de IPTU e transporte coletivo, além de tabus ligados à sexualidade já estão em pauta para as sessões que forem realizadas ao longo deste ano. “A Câmara não vai fugir de nenhum tema”, frisou o vereador, prometendo ainda, tranqüilidade e transparência na Casa. “Aqui reina a democracia”, disse ele. Siufi citou projetos de lei como a proibição da vendas de bebidas alcoólicas nos postos de combustíveis (de autoria dele e de Lídio Lopes, do PP), como um dos mais polêmicos e que deverá ser votado ainda no primeiro semestre de 2011. “A população não agüenta mais esse problema da venda de bebida nos postos”, comentou o presidente da Casa de Leis. Outro projeto polêmico que Siufi afirma que será debatido nas próximas sessões é o que proíbe a máquina de distribuição de camisinhas nas escolas, além da proibição do “kit anti-homofobia”, que integra projeto do Ministério da Educação. Estas propostas ligadas a exposição da criança à sexualidade foram levantadas no final do ano passado, e chegaram a ser assunto de audiência publica. “Tivemos uma enquete no site da Câmara e a resposta foi contrária ao kit-homofobia. Além disso, dei uma entrevista em uma rádio, quando um homossexual ligou e disse que era contra o kit”, garante Siufi. “Tem que tomar cuidado, não tem nada contra os homossexuais e travestis, mas é um assunto delicado”, afirma. Em relação ao protesto desta manhã de agentes de saúde na abertura dos trabalhos do Legislativo municipal, Siufi afirma que a Câmara também não deverá ficar omissa ao assunto. Para o presidente, os agentes de saúde têm razão em discutir o aumento salarial, no entanto, na opinião do vereador não é momento apropriado para paralisação, devido a alta incidência de dengue. Para Siufi, os vereadores poderão colaborar com a discussão fazendo o intermédio entre prefeitura e agentes, a fim de encontrar um meio termo. Ele também comentou que desaprova que os agentes de saúde estejam descumprindo uma decisão judicial, a liminar que suspendeu a greve e que não teve efeito nenhum, pois não foi respeitada pelos grevistas. Fonte: CG News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus

Mais Lidas

Brasil
“Bêbada de Curitiba” morre após luta contra o câncer
Brasil
Famoso por velar a mãe sozinho, José morre queimado
Geral
Funsat encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho
Polícia
MP é contrário a liberdade de jovem que matou namorada em acidente