Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo dengue 03 - tarde demais
Política

Vereadores cobram repasse de recursos arrecadados com Flexpark para Assistência Social

26 junho 2011 - 04h41Assessoria

Audiência Pública realizada nesta quarta-feira (22), na Câmara de Vereadores de Campo Grande, abordou as supostas irregularidades dos serviços prestados pela empresa Flexpark que realiza a cobrança de estacionamento no Centro da cidade.

Segundo os vereadores, os recursos são repassados para a Agetran e agora, eles querem que seja cumprida a lei e cobram o repasse para a Secretaria de Assistência Social.

De acordo com a presidente da Comissão Permanente de Controle da Eficácia Legislativa da Câmara de Vereadores, vereadora Thais Helena, a Lei 2228, de 16 de outubro de 1984, que rege a cobrança dos serviços de estacionamento público preconiza que os recursos arrecadados sejam repassados a projetos sociais, à assistência social do município. Mas segundo a parlamentar, o dinheiro tem sido encaminhado para a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

"Queremos mostrar que a Comissão está preocupada com o cumprimento das Leis no município. Se o Executivo não entrou com nenhuma ADIN em nenhum artigo da lei significa que tem de cumprida achar um denominador comum. A arrecadação tem de ser destinada à Secretaria de Assistência do Município", defendeu Paulo Pedra.

O gerente da empresa Flexpark, Elton Mendonça assegurou que não há cobrança além dos horários comerciais, segundo Mendonça, o que tem acontecido é que "alguns usuários por não observar o fechamento dos paquímetros ocupam vagas muitas vezes faltando meio hora para encerrar o serviço. Colocam créditos de uma hora, por exemplo, quando faltam apenas 15 minutos para fechar os paquímetros, impossibilitando resgatar o tempo colocado", disse o gerente da Flexpark.

Para o diretor da Agetran, Rudel Trindade Junior, os serviços de estacionamento público oferecido na Capital é um dos melhores do país. "O sistema de paquímetro em Campo Grande é bom, é sistema diferenciado, justo em que a pessoa paga só o tempo que fica, nós estamos caminhando para o aperfeiçoamento", disse Rudel.

A Comissão Permanente de Controle da Eficácia Legislativa da Câmara Municipal de Campo Grande é composta pelos vereadores Thais Helena (presidente), Paulo Pedra (vice-presidente), Grazielle Machado (membro).

À reunião pública compareceram o secretário municipal de Governo e Relações Institucionais, Rodrigo de Paula Aquino, o procurador do município Valdeci B. da Silva, e os vereadores Marcos Alex (PT), Paulo Pedra (PDT), Carlão(PSB), Thais Helena (PT), Vanderlei Cabeludo (PMDB), Flavio César (PT do B), e Paulo Siufi (PMDB).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus

Mais Lidas

Polícia
Idoso é ameaçado de ter cabeça decepada por inquilino
Clima
Deve chover à tarde e à noite nesta terça-feira na capital
Polícia
Homem tenta fugir de casa em chamas, mas morre após inalar fumaça
Saúde
Saiba onde terá pediatra ou clínico geral atendendo nesta terça