Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Saúde

Alimentar pombos está proibido em Campo Grande

A lei foi sancionada pelo prefeito e divulgada no Diário Oficial de Campo Grande

21 janeiro 2019 - 11h16Da redação

Está proibido alimentar pombos em Campo Grande. A lei elaborada pelo vereador veterinário Francisco, foi sancionada pela prefeitura e publicada no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) desta segunda-feira (21). 

De acordo com o texto da lei complementar n°345/19, fica proibido que qualquer indivíduo promova a alimentação de pombos urbanos, em especial nos espaços ou prédios públicos, e imóveis em geral, assim como manter abrigo para alojamento dessas aves. Ainda segundo a lei, os espaços ou prédios públicos, e os imóveis em geral, infestados por pombos deverão dispor de meios eficazes para a desocupação.

Para o parlamentar é essencial que os animais fique longe das escolas e unidades de saúde. “O pombo é considerado um animal sinantrópicos, relacionado entre outros como a barata, moscas, escorpiões e animais peçonhentos”.

O parlamentar lembra um estudo realizado na capital apontou que em três municipais havia a infestação do fungo criptococose, que ataca, especialmente, pessoas com sistema imunológico comprometido. Esse estudo é fruto do projeto de mestrado “Investigação de Cryptococcus no ambiente escolar em Campo Grande/MS”, no programa de Doenças Infecciosas e Parasitárias da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Segundo o vereador, o hábito de fornecer alimentos para pombos acarreta o desequilíbrio populacional, com proliferação excessiva dessas aves, gerando riscos à saúde das pessoas e, desencadeando problemas para o meio ambiente. “Mais de 70 doenças são transmitidas pelo pombo como salmonelose, a criptococose (que pode evoluir para uma meningite) e até toxoplasmose. Um casal de pombos (o animal é monogâmico) pode se reproduzir de três a cinco vezes por ano, com dois ovos cada vez. Além disso, com seis meses o pombo já é ativo sexualmente. Ou seja, um único casal de pombos pode gerar de 12 a 18 descendentes por ano”, explica o parlamentar.

Com a sanção da Lei, quem for pego alimentando os pombos ou mantendo abrigo ou e alojamento para essa ave sofrerá as penalidades estabelecidas para as infrações de natureza sanitária prevista neste código.

 

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Ibuprofeno e cetoprofeno podem agravar infecções
Saúde
Campanha contra gripe volta a vacinar na segunda
Saúde
Pediatras querem revogar exigência do Teste da Linguinha
Saúde
Mutirão contra dengue nas Moreninhas acontece no sábado
Saúde
Pais e responsáveis podem levar crianças para vacinar contra a gripe
Saúde
Em uma semana, Três Lagoas registra 230 casos suspeitos de dengue
Saúde
Apenas duas UPAs têm pediatras na tarde desta quinta-feira
Saúde
Sesau convoca 64 médicos para reforçar atendimento, na capital
Saúde
Nesta quarta, duas UPAs atendem com clínicos e pediatras
Saúde
Fumacê percorre seis bairros nesta terça-feira

Mais Lidas

Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Saúde
Ibuprofeno e cetoprofeno podem agravar infecções
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira