Menu
Busca terça, 27 de setembro de 2022
(67) 99647-9098
SENAI - matriculas setembro 22
Saúde

Janeiro é o mês de conscientização sobre a hanseníase

O dermatologista Alexandre Moretti explica como proceder para diagnosticar e tratar essa patologia clínica

27 janeiro 2019 - 12h50Da redação com assessoria

Você sabia que a hanseníase é considerada a enfermidade mais antiga da humanidade? Essa doença secular é tão comum no Brasil, que ocupamos o segundo lugar entre os países que mais apresentam este diagnóstico, perdendo apenas para a Índia.

Com o objetivo de alertar a população sobre o tratamento precoce, em 2009 foi sancionada a lei federal 12.135 que coloca o último domingo do mês de janeiro como o Dia Nacional do Combate e Prevenção a Hanseníase.

“A hanseníase é uma doença infectocontagiosa de evolução crônica que se manifesta por lesões na pele e também por sintomas neurológicos, como dormência, formigamentos e diminuição de forças nas mãos e nos pés”, afirma o dermatologista Moretti.

Transmitida por um bacilo, a doença apresenta dois tipos: Multibacilar, quando o paciente pode transmitir a doença e Paucibacilar, quando apresentam a doença, mas não são capazes de transmiti-la.

“Os sintomas geralmente se manifestam na pele, onde ocorrem manchas de diversas cores; perda de sensibilidade e aparecimento de caroços; inicialmente térmica depois dolorosa e por último tátil; os sinais podem aparecer também nos nervos periféricos como dormência, úlceras na região plantar, deformidades e queimaduras na região das mãos”, explica o médico.

Sua contaminação se dá pelos Multibacilares através de pequenas secreções que saem da respiração e do ato de falar. Cerca de 90% das vezes a doença não se desenvolve, pois ao entrar em contato com o sistema imunológico o bacilo é destruído.

O período de incubação da hanseníase é bem longo, pode variar de dois a sete anos para aparecer os primeiros sintomas e normalmente só adquire se a exposição com o doente for de tempo prolongado como, por exemplo, viver na mesma casa.

De acordo com o Moretti, as formas de prevenção e tratamento se dá no diagnóstico precoce dos casos, principalmente se forem nas fases iniciais da doença. “Essa identificação rápida faz com que o paciente deixe de transmitir e tenha uma menor chance de surgimento das incapacidades físicas. A cura é bem simples, hoje em dia o tratamento se baseia em três antibióticos eficazes contra hanseníase”.

O "Janeiro Roxo" foi criado para que as pessoas tomem conhecimento dessa doença e consigam mudar seus pensamentos sobre quem a possui. Mas vale ressaltar que é preciso lembrar dessa causa durante todo o ano, pois só assim será possível combater a hanseníase.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Na última semana, mais de 44 mil crianças ainda não vacinaram contra poliomielite
Saúde
Mais de 500 casos de covid são registrados na última semana em MS
Saúde
Brasil registra menor média móvel de mortes por Covid desde abril de 2020
Saúde
Termina nesta semana a campanha de vacinação contra a pólio
Saúde
Confira a escala médica deste sábado na Capital
Saúde
MS tem 87 casos confirmados de varíola dos macacos
Saúde
Semana encerra com escala completa de clínico geral nas unidades de saúde
Saúde
Mortes por Covid continuam diminuindo em todo o mundo, aponta OMS
Saúde
Brasil registra menor média móvel de mortes de Covid em 2022
Saúde
Bolsonaro sanciona lei que acaba com rol taxativo da ANS

Mais Lidas

Polícia
Candidato esfaqueado em prédio de luxo foi pego na cama com outra
Polícia
Homem esfaqueado em prédio de luxo é candidato a deputado federal
Polícia
Câmeras flagraram amante antes e após esfaquear candidato em prédio de luxo
Polícia
Amante 'traída' perseguiu a outra após esfaquear candidato em prédio de luxo