Menu
Busca quinta, 20 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Saúde

Janeiro é o mês de conscientização sobre a hanseníase

O dermatologista Alexandre Moretti explica como proceder para diagnosticar e tratar essa patologia clínica

27 janeiro 2019 - 12h50Da redação com assessoria

Você sabia que a hanseníase é considerada a enfermidade mais antiga da humanidade? Essa doença secular é tão comum no Brasil, que ocupamos o segundo lugar entre os países que mais apresentam este diagnóstico, perdendo apenas para a Índia.

Com o objetivo de alertar a população sobre o tratamento precoce, em 2009 foi sancionada a lei federal 12.135 que coloca o último domingo do mês de janeiro como o Dia Nacional do Combate e Prevenção a Hanseníase.

“A hanseníase é uma doença infectocontagiosa de evolução crônica que se manifesta por lesões na pele e também por sintomas neurológicos, como dormência, formigamentos e diminuição de forças nas mãos e nos pés”, afirma o dermatologista Moretti.

Transmitida por um bacilo, a doença apresenta dois tipos: Multibacilar, quando o paciente pode transmitir a doença e Paucibacilar, quando apresentam a doença, mas não são capazes de transmiti-la.

“Os sintomas geralmente se manifestam na pele, onde ocorrem manchas de diversas cores; perda de sensibilidade e aparecimento de caroços; inicialmente térmica depois dolorosa e por último tátil; os sinais podem aparecer também nos nervos periféricos como dormência, úlceras na região plantar, deformidades e queimaduras na região das mãos”, explica o médico.

Sua contaminação se dá pelos Multibacilares através de pequenas secreções que saem da respiração e do ato de falar. Cerca de 90% das vezes a doença não se desenvolve, pois ao entrar em contato com o sistema imunológico o bacilo é destruído.

O período de incubação da hanseníase é bem longo, pode variar de dois a sete anos para aparecer os primeiros sintomas e normalmente só adquire se a exposição com o doente for de tempo prolongado como, por exemplo, viver na mesma casa.

De acordo com o Moretti, as formas de prevenção e tratamento se dá no diagnóstico precoce dos casos, principalmente se forem nas fases iniciais da doença. “Essa identificação rápida faz com que o paciente deixe de transmitir e tenha uma menor chance de surgimento das incapacidades físicas. A cura é bem simples, hoje em dia o tratamento se baseia em três antibióticos eficazes contra hanseníase”.

O "Janeiro Roxo" foi criado para que as pessoas tomem conhecimento dessa doença e consigam mudar seus pensamentos sobre quem a possui. Mas vale ressaltar que é preciso lembrar dessa causa durante todo o ano, pois só assim será possível combater a hanseníase.

Prefeitura prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Nelsinho Trad convoca reunião com Mandetta para tratar de recursos para saúde
Saúde
Caravana da Saúde retoma atendimento e deve fazer 2 mil cirurgias
Saúde
Prefeitura convoca 22 médicos para reforçar atendimento na capital
Saúde
Anvisa suspende venda de 51 planos de saúde
Saúde
SUS disponibilizará medicamento contra atrofia muscular espinhal
Saúde
José Mauro cumprirá expediente na UBS Estrela do Sul, nesta quarta
Saúde
Terça-feira começa com 46 clínicos gerais nos UPAs da capital
Saúde
Casa da Saúde será transferida de endereço
Saúde
Oito pediatras atendem nas UPAs Coronel Antonino e Vila Almeida
Saúde
Vacina contra a febre amarela estará disponível a partir de segunda, na capital

Mais Lidas

Cidade
Confira a lista de habilitados para sorteio de unidades habitacionais na capital
Cidade
Campo-grandenses se unem e ajudam família que caiu em golpe da falsa encomenda
Polícia
Pai mata filho de 7 anos após convencê-lo de que brincariam juntos
Polícia
Vídeo: Homem é executado por pistoleiros em oficina