Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS outubro21
Saúde

Ministério da Saúde lança campanha nacional de prevenção e controle da sífilis

Mulheres grávidas são responsáveis por mais da metade das infecções em 2020

14 outubro 2021 - 16h37Camila Farias - Da Agência Brasil

O Ministério da Saúde (MS) lançou hoje (14) uma nova versão da “Campanha Nacional contra a Sífilis”, que reúne ações para promover o diagnóstico precoce e fortalecer o tratamento dos portadores de sífilis.

Como parte da campanha, foi lançado o Guia de Certificação de Transmissão Vertical. “É um guia que padroniza o procedimento para a certificação da eliminação da transmissão vertical da sífilis e/ou HIV para estados e municípios com 100 mil habitantes ou mais”, explicou o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros. Além disso, o guia traz um selo de boas práticas para eliminar a transmissão vertical da doença.

Outro documento lançado nesta quinta-feira foi uma nova edição do Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis, que indica novas diretrizes e aprimora procedimentos para o diagnóstico precoce da doença. A campanha contará também com peças publicitárias estimulando a população a buscar a testagem para sífilis.

“As gestantes têm que testar para sífilis nos três trimestres. Mesmo que a mulher se trate, ela pode se contaminar novamente. É importante não só a gestante procurar o teste como tratar adequadamente, com penicilina”, destacou o secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara, durante o lançamento da campanha. Ele ressaltou que os parceiros também precisam ir ao pré-natal e procurar o teste. “É uma proteção para ele, para a parceira e para o bebê. Se tiver sífilis, a criança pode nem nascer ou nascer com sequelas”, disse Câmara. 

Situação brasileira

No ano passado, foram registradas 115,3 mil pessoas que contraíram sífilis. Dessas, 61,4 mil eram gestantes e 22 mil eram crianças que contraíram a doença na modalidade congênita. Sobre a sífilis adquirida no conjunto da população, houve crescimento na década de 2010, com pico em 2018 e redução nos últimos anos.

Os estados do Sul e do Sudeste foram os que registraram maior incidência da doença. Quanto à taxa por 100 mil habitantes, entre 2010 e 2020, as unidades da Federação com os maiores índices foram Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul.

Nesse período, as faixas etárias com maior incidência foram as de 20 a 29 anos e de 30 a 39 anos. Em termos de escolaridade, os principais percentuais foram os de pessoas com ensino médio completo e fundamental completo.

Quanto à sífilis em gestantes, o Rio de janeiro foi estado com maior taxa em 2020, seguido por Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Acre e Sergipe. Na modalidade da sífilis congênita, os estados com as maiores taxas de incidência em 2020 foram Rio de Janeiro, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Tocantins.

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Liberado certificado de vacinação para quem tomou vacinas diferentes
Saúde
Vacinação acontece em mais de 20 pontos neste sábado
Saúde
Sem Casos de Covid, Estado tem saldo negativo nesta sexta
Saúde
Brasil recebe nova remessa de vacinas da Pfizer
Saúde
Vacina contra a Covid estará disponível em 41 pontos
Saúde
Veja a escala de plantão médico nas UPAs nesta sexta
Saúde
Covid: Nova variante, mais contagiosa que Delta, é descoberta
Saúde
Estudo do Butantan em Serrana mostra 99% de efetividade da CoronaVac
Saúde
Vacina de reforço tem eficácia de 95,6%, diz Pfizer-BioNTech
Saúde
Mais de 1 milhão de vacinas contra covid-19 chegam ao Brasil

Mais Lidas

Clima
Áudio: Atenção - tabela do Inmet é real, não é fake
Clima
Vídeo: Força-tarefa está pronta para novo vendaval
Internacional
Alec Baldwin dispara com arma cenográfica e mata diretora de fotografia
Clima
Previsão de chuva com ventos assusta