Menu
Busca quarta, 08 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Tecnologia

Google suspende parte de acesso da Huawei ao Android

Empresa chinesa está sob pressão de Washington

20 maio 2019 - 13h32Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

A empresa norte-americana Google anunciou a retirada da licença da empresa chinesa Huawei para usar o sistema operacional Android do gigante de tecnologia americano para telefones móveis – a medida segue uma diretriz emitida pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e força a companhia chinesa de telecomunicações a depender de uma versão de código aberto do software.

Com a suspensão dos negócios, os novos smartphones da Huawei não terão mais acesso a serviços como Gmail, Google Maps e YouTube, além de atualizações de segurança. Usuários que já possuem aparelhos da companhia chinesa poderão seguir com o uso e a atualização de aplicativos baixados.

"Estamos cumprindo a ordem [presidencial] e analisando as implicações", informou a Google.

Na semana passada, Trump assinou uma ordem executiva sobre o assunto ao justificar que a medida decorria de uma "emergência tecnológica". A ordem visa impedir que empresas americanas usem equipamentos de telecomunicações feitos por "adversários estrangeiros" considerados de risco à segurança nacional.

Os principais fabricantes de processadores, como a Intel, Qualcomm, Xilinx Inc e Broadcom, informaram os seus funcionários que deixarão de fornecer equipamentos à Huawei até nova ordem.

A Huawei vem sofrido uma imensa pressão dos Estados Unidos depois de alegações de que seus produtos permitem que agências de inteligência chinesas usem supostos backdoors (porta dos fundos – método de escapar de uma autenticação ou criptografia num sistema computacional) nos softwares, que poderiam ser usadas para espionagem cibernética.

A resposta da China

O Ministério das Relações Exteriores da China classificou as alegações norte-americanas como "histeria do Ocidente". O fundador e presidente-executivo da Huawei, Ren Zhengfei, disse que se recusaria a ceder à pressão americana.

"Não fizemos nada que viole a lei", disse Ren ao jornal japonês The Nikkei. "Espera-se que o crescimento da Huawei possa diminuir, mas apenas ligeiramente", afirmou

A Huawei é pioneira na tecnologia 5G, mas depende bastante de fornecedores estrangeiros. A empresa compra cerca de US$ 67 bilhões em componentes a cada ano, incluindo cerca de US$ 11 bilhões de fornecedores americanos.

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Mais Lidas

Brasil
Avião cai em São Paulo
Geral
Bebê ganha tratamento domiciliar, mas equipamentos não chegam
Polícia
PMA multa fazendeiro em R$ 12 mil por desmatamento ilegal
Polícia
Áudio: polícia descarta sequestros e assassinatos em série de mulheres