Menu
Busca quinta, 23 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Tecnologia

Planos baratos e pré-pagos visam popularizar internet móvel

21 março 2012 - 10h37Reprodução

Ofertas que variam de R$ 0,33/dia a R$ 0,50/dia para que qualquer usuário possa ter acesso móvel à web com seu celular pré-pago que suporte internet 2G ou 3G provam que as principais operadoras de telefonia móvel apostam no aumento de internet banda larga móvel neste ano.

O interesse dessa popularização, claro, não é unilateral. Da mesma forma que as companhias baixam os preços, os usuários de diversas classes sociais têm cada vez mais interesse em realizar no telefone as atividades típicas do computador. “Há um crescente interesse da nova classe C em usar o celular para enviar mensagens, o que não é nenhuma novidade, e também acessar redes sociais”, argumentou Albino Serra, diretor da regional São Paulo da Claro.

De acordo com a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), no Brasil há 47,2 milhões de acessos móveis à internet. A projeção para crescimento do serviço de internet móvel no Brasil, segundo um estudo conduzido pela consultoria Teleco, é que até o fim de 2012 haja 73 milhões de acessos – um acréscimo de 25 milhões.

Para atingir este público que quer cada vez mais estar conectado, as companhias de telefonia móvel, além do preço, adotam ações agressivas. “O segredo é a capilaridade somada a uma oferta matadora. Nossos pontos de venda vão da funerária ao hospital”, brinca Juliana Teixeira, gerente de canais de massa da Tim.

No ano passado, a Tim foi uma das empresas que mais aumentou a participação no mercado de telefonia móvel. A companhia, segundo dados da Anatel, passou a Claro, ocupando o posto de segunda operadora com maior participação de mercado atrás da Vivo. No entanto, em função do alto crescimento, a companhia teve problemas com a justiça em alguns Estados do Nordeste por não oferecer serviços apropriados, gerando um congestionamento de rede.

Voz puxa dados

A principal estratégia utilizada pelas operadoras é o que elas chamam de efeito comunidade, que acaba angariando clientes por meio de planos de voz. “Isso consiste no fato de as empresas oferecerem ligações ou mensagens a tarifas muito baratas entre usuários da mesma operadora. Quanto maior o número de pessoas utilizando o chip de uma operadora, maior o apelo”, explica Eduardo Tude, da consultoria em telecomunicações Teleco.

Esse processo fez com que o mercado cada vez mais se tornasse multichip, não só pela oferta de voz, mas também pela facilidade no acesso à internet móvel. É normal que usuários tenham cartões SIM conforme a conveniência de promoções ou em função do efeito comunidade.

“O consumidor pré-pago hoje em dia tem no mínimo dois chips. Ele procura utilizar as promoções das operadoras da melhor forma possível”, analisa Bernardo Winik, diretor de vendas de varejo da Oi. De acordo com ele, é normal que um usuário tenha, por exemplo, um chip só para acessar a web e um outro só para fazer ligações para familiares.

Já a Vivo, líder de mercado de telefonia móvel, por mais que tenha planos pré, continua com os olhos no mercado pós. “Nosso foco é plano pós-pago, que é nossa principal fonte de faturamento. Há muito a ser explorado ainda nesta área de pós. Esses clientes não gostam das limitações das linhas pré”, disse Marcio Fabris, diretor de marketing da Vivo.

Barateamento de smartphones

Paulo Bernardo, ministro das Comunicações, afirma que o número de usuários de internet móvel que quase dobrou em 2011. “A tendência, este ano, é aumentar ainda mais. As pessoas preferem ter um celular conectado à internet, para acessar de qualquer lugar”, disse em entrevista ao programa "Bom Dia, Ministro", em fevereiro.

Segundo Tude, da consultoria Teleco, a redução no preço de smartphones contribuiu para a difusão da internet móvel no país. Porém, modelos intermediários continuam caros ao público: muitos chegam a custar até quatro vezes mais que celulares básicos. Atualmente, modelos de entrada com conexão 2G que permitem acesso a redes sociais e e-mail custam cerca de R$ 300. Já smartphones que acessam redes 3G têm custo inicial de R$ 400.

“Barba, cabelo e bigode”

A próxima onda das operadoras de telefonia móvel é a oferta de serviços completos na área de comunicação. A ideia é oferecer telefonia (móvel e fixa), internet (móvel e fixa) e TV por assinatura. Pelo menos três das grandes operadoras já têm pacotes do tipo.

A Vivo, comprada pela Telefônica, já oferece serviço de internet por fibra óptica em algumas regiões, junto com serviços de TV a cabo e telefonia. Todos os serviços de telecomunicações da Telefônica migrarão para o nome Vivo.. A Claro tem o Claro Combo, que une as ofertas de internet fixa e TV da Net, telefonia fixa da Embratel e internet móvel da Claro.

Já a Oi, com o pacote internet total lançado no ano passado, disponibiliza ao usuário banda larga fixa, móvel e rede Wi-Fi. A companhia deve, em breve, integrar ao combo o serviço de assinatura Oi TV.

A única operadora que ainda não tem um serviço disponível que integra os serviços de telecomunicações é a Tim. No entanto, a companhia já anunciou internet fixa por fibra óptica em algumas regiões e, em breve, deve oferecer TV por assinatura com a Sky.

Via UOL

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tecnologia
Google suspende parte de acesso da Huawei ao Android
Tecnologia
Google anuncia realidade aumentada nas buscas
Tecnologia
Acadêmico da UFMS realiza campanha para levar projeto de engenharia para o Japão
Tecnologia
WhatsApp cria nova regra de privacidade para entrada em grupos
Tecnologia
Investimento de R$ 200 mil garante digitalização da Educativa 104.7 FM
Tecnologia
WhatsApp, Instagram e Menssenger podem ser unificados
Tecnologia
TV fechada registra queda de 0,8% no número de assinantes em 2019

Mais Lidas

Geral
Bosque dos Ipês terá exposição de animais marinhos de dez metros
Clima
Temperatura volta a cair nesta quarta-feira, em Mato Grosso do Sul
Polícia
Massacre deixa seis mortos na fronteira
Política
Reinaldo e Marquinhos apresentam plano para desassorear Parque das Nações