Menu
Busca terça, 28 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Tecnologia

Plataforma do governo ajuda na resolução de problemas entre consumidores e empresas

A intermediação, no entanto, só vale para estabelecimentos cadastrados no site

13 setembro 2021 - 14h11Da Redação, com Agência Brasil

O governo federal disponibiliza, por meio do Ministério da Justiça, a plataforma que ajuda consumidores e facilita a resolução de problemas com empresas que comercializam bens ou serviços, o consumidor.gov.br. Vale lembrar que a plataforma não substitui os canais de atendimento das empresas bem como outros órgãos de defesa do consumidor, como os Procons. É um serviço complementar com o objetivo de resolver polêmicas entre consumidores e fornecedores.

As reclamações não são transformadas em processo administrativo, uma das formas de atuação do Poder Público no caso de abuso nas relações de consumo. O espaço permite a interlocução direta entre o cliente e a empresa.

Funcionamento

A intermediação só vale para empresas cadastradas no site. Essa ação, em geral, é voluntária, mas obrigatória para alguns tipos de companhias (veja abaixo). O cidadão deve entrar no site e pesquisar se a empresa em questão aderiu à plataforma.

Para fazer uma reclamação, é preciso também se cadastrar, com identificação. Assim, não é possível publicar uma queixa anônima. A pessoa insere a reclamação e passa a correr um prazo de dez dias. A empresa pode entrar em contato com quem enviou a queixa para obter mais informações.

Antes do fim do prazo, a empresa deve publicar uma resposta. O autor do questionamento pode comentar se a demanda foi resolvida e avaliar de que maneira ela respondeu ao problema apresentado.

O Ministério da Justiça explica que caso a demanda não seja resolvida é possível recorrer a outros entes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, como os Procons, as defensorias públicas ou os juizados especiais.

Indicadores

A plataforma serve também como um local de informações sobre fornecedores, com indicadores e relatos de consumidores sobre as reclamações, as respostas das companhias e a avaliação do indivíduo sobre a solução dada.

São disponibilizados no portal dados sobre o índice de resolução (quantas demandas uma empresa resolveu entre as que recebeu), o índice de satisfação, o prazo médio de resposta e as reclamações respondidas.

Participação obrigatória

De acordo com as regras da plataforma consumidor.gov.br, algumas empresas têm que aderir obrigatoriamente. São elas:

- empresas com atuação nacional ou regional em áreas de serviços públicos e atividades essenciais definidas pela legislação no âmbito da pandemia;

- plataformas digitais de atendimento pela internet dedicadas ao transporte individual ou coletivo de passageiros ou à entrega de alimentos, de comércio eletrônico e redes sociais com fins lucrativos;

- firmas que estão entre as 200 empresas mais reclamadas anualmente na Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública, no ano de 2020; 

- companhias com faturamento bruto de, no mínimo, R$ 100 milhões;

- empresas que tiveram média mensal igual ou superior a mil reclamações em seus canais de atendimento ao consumidor;

- firmas que tenham sido objeto de mais de 500 processos judiciais na área de direito do consumidor.

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tecnologia
Reunião para votar leilão do 5G está marcada para sexta-feira
Tecnologia
Certificado Nacional de Vacinação já está disponível pela internet
Tecnologia
Novas medidas de segurança para pix visam coibir sequestros e roubos
Tecnologia
Portal voltado às práticas do campo é criado por estagiários do Vale Universidade
Saúde
Sete UPAs tem atendimento pediátrico nesta segunda-feira; confira
Tecnologia
YouTube aponta desinformação sobre Covid e derruba vídeos de Bolsonaro

Mais Lidas

Cidade
Incêndio atinge margens do rio Paraguai em Corumbá
Clima
Tempestade faz temperatura despencar 15 graus e destelha apartamento em Campo Grande
Polícia
Mulher é agredida e esfaqueia pênis de marido
Polícia
Homem é assassinado a tiros por dívida de R$ 100,00