Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Senar - junho21
Política

Empresariado tira dúvidas sobre emissão de alvará e Lei do Silêncio

Campo Grande terá todas as áreas de zoneamento aptas para uso, mas o comerciante deverá se adequar as normas

16 janeiro 2019 - 09h34Da redação

Em reunião realizada na terça-feira (16), no CEA Polonês, empresários puderam tirar dúvidas sobre questões referentes a Lei do Silêncio, zoneamento, áreas de ordenamento de solo em Campo Grande e emissão de alvarás. O encontro entre técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur), empresários e representantes da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes- MS (Abrasel) foi organizado pelo vereador João César Mattogrosso, presidente da Comissão de Indústria, Comércio, Agropecuária e Turismo do legislativo municipal.

Ao JD1 Notícias, Juliano Wertheimer, presidente da Abrasel, explicou que o licenciamento ambiental é o primeiro documento a ser requerido pelo empresário que deseja entrar no ramo e executar música ao vivo e mecânica. Ele salientou que é necessário que o investidor compareça na Semadur para iniciar o processo de emissão de alvará. “Esse passo que a prefeitura deu por meio da Secretaria de Meio Ambiente, de permitir que todas as regiões da cidade possam ter a emissão de alvarás foi de grande valia para o setor, que agora deve se adequar”.

Os interessados em estar em regularidade com a lei devem comparecer na Semadur, buscar um engenheiro ambiental ou técnico do local para viabilizar e estruturar um planejamento, para que a empresa faça as adequações para uso de som mecânico ou ao vivo, se necessário, e emita o alvará.

O vereador João César Mattogrosso avaliou positivamente a reunião, “é mais um passo e a legislação precisa acompanhar o crescimento da nossa cidade, não podemos esquecer dos "trabalhadores da noite" e o fomento econômico”, disse o parlamentar. Para ele, a ideia é de que a cidade permita o zoneamento livre, desde que o empresário faça o tratamento acústico para não atrapalhar as residências e as pessoas que desejam descansar.

Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) elaborado no ano passado pela Câmara, deu um prazo maior para que o empresariado possa fazer a adequação até a vigência do novo Plano Diretor, que permite o uso de ordenamento de solo à todas regiões do município.

Para Wilson Fontane, representante do empresariado local, é necessário também que a Semadur, se adapte a nova realidade e insira mais técnicos e profissionais para atender o empresário, evitando a morosidade no processo de emissão de alvará.

Dessa maneira o setor poderá trabalhar de acordo com a legislação e Campo Grande está mais próxima do bom convívio entre "trabalhadores da noite", consumidores e moradores que desejam “descansar” no período noturno.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
MS recebe 150 mil doses da Janssen no domingo
Política
Senado aprova que indústria veterinária possa produzir vacina humana
Política
CPI da Pandemia aprova convocação de empresas de tecnologia
Política
Veja os mais votados da lista tríplice do Ministério Público para ocupar a PGR
Política
Assembleia centraliza leis em um único canal
Política
“Obra terá o foco na preservação”, diz Riedel sobre Parque dos Poderes
Política
Militares têm a obrigação de garantir a liberdade, diz Bolsonaro
Política
'É chato deixar o vice fora de reuniões', diz Mourão
Política
Nova pesquisa mostra, liderança apertada de Bolsonaro em MS
Política
Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro

Mais Lidas

Polícia
Mãe confessa que matou bebê de 5 meses afogada, em Campo Grande
Polícia
Bebê de 5 meses foi morta afogada, porque mãe drogada queria tirar 'chip da besta'
Polícia
Bebê de 5 meses morre após suspeitas de violência sexual, em Campo Grande
Polícia
Com câncer em estado avançado, idoso comete suicídio na varanda de casa