Menu
Busca domingo, 25 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Política

Brasileiro é condecorado pelo presidente do Haiti

06 março 2011 - 09h08
Ex-representante da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Haiti, o brasileiro Ricardo Seitenfus foi condecorado, na última terça-feira (2), com o título de Grande Cavalheiro da Ordem Nacional de Honra e Mérito do Haiti. A homenagem foi entregue pessoalmente pelo presidente do país, René Preval e, segundo o governo do Haiti, se dá pelas atitudes do representante na “defesa e dignidade do povo do Haiti”. Seitenfus foi o primeiro representante da OEA a receber uma condecoração no país, desde 1948, quando a organização passou a ter representantes no Haiti. A solenidade aconteceu em uma barraca, instalada ao lado do palácio presidencial, que foi destruído pelo terremoto que atingiu o país em janeiro de 2010. Desde o terremoto, a barraca serve de palácio ao governo. “É uma felicidade imensa receber este reconhecimento da sociedade do Haiti. É uma homenagem inesperada, surpreendente e inesquecível”, afirmou Seitenfus ao G1, por telefone. saiba mais Afastado, representante da OEA critica ONGs e missão de paz no HaitiAjuda descoordenada impede que Haiti se recupere, dizem especialistasNo Haiti desde o começo de 2009, Seitenfus deixou a representação da OEA devido a declarações em que criticava o trabalho de entidades internacionais no Haiti. O estopim teria sido uma entrevista ao jornal suíço Le Temps, na qual o brasileiro questionou não apenas o papel das tropas da ONU no Haiti, como também dos principais países doadores. Embora tenha deixado a missão no Haiti, a condecoração recebida por Seitenfus ganhou um espaço de destaque na página institucional da OEA. “Eu falei com o Insulza [Jose Miguel Insulza, secretário-geral da OEA) comunicando a condecoração. Ele, inclusive, considerou que eu fiz um ótimo trabalho no país”, disse Seitenfus. Durante os dois anos em que esteve no Haiti, Seitenfus auxiliou em trabalhos da área social e política. A representação da OEA foi responsável pela confecção de cerca de 5 milhões de cédulas de identidade, documento exigido para as eleições do país. Para o brasileiro, as divergências pelas suas posições em relação aos trabalhos desenvolvidos no Haiti já foram superadas. Tanto que Seitenfus foi sondado para continuar seus trabalhos junto a OEA, no comando de uma representação diplomática que deverá ser definida até o começo de abril. “Houve uma sondagem para que eu permaneça na OEA, e que assuma uma representação. Estou avaliando com carinho”, afirmou o brasileiro. Fonte: G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Câmara proporá incentivos fiscais a comerciantes
Política
“Seria um sonho ser prefeito de Campo Grande”, diz Waldeli
Política
Agronegócio não é causador de incêndio, diz Tereza Cristina
Política
Pesquisa mostra David como deputado mais atuante
Política
Avanço histórico - Sancionada lei do Alvará imediato
Política
Bioceânica: "Porta de saída do Brasil para o Futuro”, diz Riedel
Política
Governo estuda enviar Exército para combater queimadas na Amazônia
Política
Noite de homenagens na Câmara Municipal
Política
Barbosinha exige da União investimentos de R$ 89 mi à Segurança de MS
Política
Reinaldo e Bolsonaro são bem avaliados em MS, diz pesquisa

Mais Lidas

Polícia
Polícia apresenta acusado de estupro e roubo no Jardim Carioca
Polícia
Família encontra jovem morto e suspeita é de suicídio
Polícia
Confusão em tabacaria da Moreninha termina em morte
Polícia
Rapaz é contatado por aplicativo para fazer corrida e desaparece