Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99647-9098
Política

Brasileiro é condecorado pelo presidente do Haiti

06 março 2011 - 09h08
Ex-representante da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Haiti, o brasileiro Ricardo Seitenfus foi condecorado, na última terça-feira (2), com o título de Grande Cavalheiro da Ordem Nacional de Honra e Mérito do Haiti. A homenagem foi entregue pessoalmente pelo presidente do país, René Preval e, segundo o governo do Haiti, se dá pelas atitudes do representante na “defesa e dignidade do povo do Haiti”. Seitenfus foi o primeiro representante da OEA a receber uma condecoração no país, desde 1948, quando a organização passou a ter representantes no Haiti. A solenidade aconteceu em uma barraca, instalada ao lado do palácio presidencial, que foi destruído pelo terremoto que atingiu o país em janeiro de 2010. Desde o terremoto, a barraca serve de palácio ao governo. “É uma felicidade imensa receber este reconhecimento da sociedade do Haiti. É uma homenagem inesperada, surpreendente e inesquecível”, afirmou Seitenfus ao G1, por telefone. saiba mais Afastado, representante da OEA critica ONGs e missão de paz no HaitiAjuda descoordenada impede que Haiti se recupere, dizem especialistasNo Haiti desde o começo de 2009, Seitenfus deixou a representação da OEA devido a declarações em que criticava o trabalho de entidades internacionais no Haiti. O estopim teria sido uma entrevista ao jornal suíço Le Temps, na qual o brasileiro questionou não apenas o papel das tropas da ONU no Haiti, como também dos principais países doadores. Embora tenha deixado a missão no Haiti, a condecoração recebida por Seitenfus ganhou um espaço de destaque na página institucional da OEA. “Eu falei com o Insulza [Jose Miguel Insulza, secretário-geral da OEA) comunicando a condecoração. Ele, inclusive, considerou que eu fiz um ótimo trabalho no país”, disse Seitenfus. Durante os dois anos em que esteve no Haiti, Seitenfus auxiliou em trabalhos da área social e política. A representação da OEA foi responsável pela confecção de cerca de 5 milhões de cédulas de identidade, documento exigido para as eleições do país. Para o brasileiro, as divergências pelas suas posições em relação aos trabalhos desenvolvidos no Haiti já foram superadas. Tanto que Seitenfus foi sondado para continuar seus trabalhos junto a OEA, no comando de uma representação diplomática que deverá ser definida até o começo de abril. “Houve uma sondagem para que eu permaneça na OEA, e que assuma uma representação. Estou avaliando com carinho”, afirmou o brasileiro. Fonte: G1
Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Barbosinha pede Colégio Militar em Dourados
Política
Hospitais poderão admitir a presença de doulas durante o parto
Política
Com 330 emendas, LOA 2020 segue para votação na Câmara
Política
Bretas nega pedido de Temer de viajar à Espanha
Política
Bolsonaro afirma possibilidade de liderar o novo partido
Política
Bruno Covas retorna atividades na sede da prefeitura de SP após receber alta
Política
Membros da CPI da Energisa já foram definidos
Política
Acontece neste domingo protesto contra ministros do STF na capital
Política
Pró-Morales já registra oito mortos em protestos
Política
PSC Jovem realiza 1º seminário político em MS

Mais Lidas

Polícia
Aos 84 anos, "vovó" é presa dirigindo bêbada após sair de baile
Polícia
Jovem morre fuzilado e mulher é ferida por estilhaços
Polícia
Jovem motociclista morre após bater em meio-fio e ser arremessado em rio
Geral
Ingrid está desaparecida há mais de 20 dias e mãe faz apelo