Menu
Busca segunda, 26 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Aumento da contribuição patronal cobrirá parte do déficit, diz Pedrossian Neto

Secretário afirma que prefeitura destina de R$ 13 mi a R$ 14 mi por mês para a previdência

16 julho 2019 - 14h39Rauster Campitelli

A prefeitura está com dificuldades financeiras e não pode ficar a reboque de um Congresso Nacional que penaliza os municípios e os estados. É assim que o secretário municipal de Finanças e Planejamento (Sefin), Pedro Pedrossian Neto, avalia a aprovação da reforma da previdência aos servidores municipais, votada pelos vereadores em regime de urgência nesta terça-feira (16) na capital. A proposta foi entregue hoje pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD).

Com a mudança, a alíquota de contribuição do servidor passa de 11% para 14%, e a da prefeitura de 14% para 22%. “Nós não estamos inovando, estamos apenas trazendo simetria constitucional àquilo que foi aprovado em Brasília. Como os municípios e estados ficaram fora da reforma, dependendo de uma eventual inclusão pelo Senado, através de uma PEC paralela, que poderia ser aprovada só em dezembro para efeito em março, a prefeitura decidiu tomar a providência de reformar aqui”, esclarece.

Foram contabilizados 18 votos favoráveis e sete contrários à proposta da prefeitura. “A câmara é soberana para dizer sim ou não. Quem ganha é o Instituto Municipal de Previdência, que começa a ter um pouco mais de caixa para enfrentar os desafios”. Segundo o secretário, o acréscimo será de pouco mais de R$ 2 milhões por mês.

“Não é muita coisa. A prefeitura já paga – ela é obrigada por força da Lei – o déficit da previdência todo mês. Falta dinheiro lá, então a gente aporta de R$ 13 a R$ 14 milhões todo mês. Agora a gente não vai pagar esse valor porque vai aumentar a contribuição patronal. Então esse dinheiro vai entrar no Instituto Municipal de Previdência a título de receita da contribuição patronal. Reduz o déficit, mas é só uma troca de nome”, frisa o secretário.

“Dinheiro novo mesmo é só o [proveniente do aumento da contribuição de] 11% para 14% do servidor. Pegamos esse dinheiro e depositamos no IMPCG para o pagamento de aposentadorias”, acrescenta. Ele explica ainda que a alíquota patronal não é um desconto na folha de pagamento, mas “um valor a mais que, sobre o valor do salário, é repassado ao instituto de previdência”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Arrecadação mostra recuperação da economia brasileira
Economia
Seguro facultativo garante benefícios a quem não exerce atividade remunerada
Economia
Acima de R$ 4,12, dólar fecha no maior valor em quase um ano
Economia
Julho registra abertura de 43,8 mil postos de trabalho
Economia
Ministério da Economia corta despesas para garantir serviços essenciais
Economia
Bolsonaro diz que vai ouvir Guedes sobre novo imposto
Economia
Aumento na conta de luz pressiona inflação para os mais pobres
Economia
Financiamento imobiliário com taxas diferenciadas é anunciado pelo BB
Economia
Índice de confiança do empresário tem alta pelo 3º mês seguido
Economia
Fiems apresenta aos militares do exército potencial econômico de MS

Mais Lidas

Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Fim de Semana
Esquadrilha da Fumaça se apresenta em Campo Grande neste domingo
Polícia
Vídeo - Peão morre após ser pisoteado por touro em rodeio
Esportes
Vídeo- Após capotar no Rally Sertões, Caio Castro tranquiliza fãs