Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Aumento da contribuição patronal cobrirá parte do déficit, diz Pedrossian Neto

Secretário afirma que prefeitura destina de R$ 13 mi a R$ 14 mi por mês para a previdência

16 julho 2019 - 14h39Rauster Campitelli

A prefeitura está com dificuldades financeiras e não pode ficar a reboque de um Congresso Nacional que penaliza os municípios e os estados. É assim que o secretário municipal de Finanças e Planejamento (Sefin), Pedro Pedrossian Neto, avalia a aprovação da reforma da previdência aos servidores municipais, votada pelos vereadores em regime de urgência nesta terça-feira (16) na capital. A proposta foi entregue hoje pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD).

Com a mudança, a alíquota de contribuição do servidor passa de 11% para 14%, e a da prefeitura de 14% para 22%. “Nós não estamos inovando, estamos apenas trazendo simetria constitucional àquilo que foi aprovado em Brasília. Como os municípios e estados ficaram fora da reforma, dependendo de uma eventual inclusão pelo Senado, através de uma PEC paralela, que poderia ser aprovada só em dezembro para efeito em março, a prefeitura decidiu tomar a providência de reformar aqui”, esclarece.

Foram contabilizados 18 votos favoráveis e sete contrários à proposta da prefeitura. “A câmara é soberana para dizer sim ou não. Quem ganha é o Instituto Municipal de Previdência, que começa a ter um pouco mais de caixa para enfrentar os desafios”. Segundo o secretário, o acréscimo será de pouco mais de R$ 2 milhões por mês.

“Não é muita coisa. A prefeitura já paga – ela é obrigada por força da Lei – o déficit da previdência todo mês. Falta dinheiro lá, então a gente aporta de R$ 13 a R$ 14 milhões todo mês. Agora a gente não vai pagar esse valor porque vai aumentar a contribuição patronal. Então esse dinheiro vai entrar no Instituto Municipal de Previdência a título de receita da contribuição patronal. Reduz o déficit, mas é só uma troca de nome”, frisa o secretário.

“Dinheiro novo mesmo é só o [proveniente do aumento da contribuição de] 11% para 14% do servidor. Pegamos esse dinheiro e depositamos no IMPCG para o pagamento de aposentadorias”, acrescenta. Ele explica ainda que a alíquota patronal não é um desconto na folha de pagamento, mas “um valor a mais que, sobre o valor do salário, é repassado ao instituto de previdência”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Acordo Mercosul-UE pode impactar economia brasileira em US$ 79 bi
Economia
Com economia solidificada, PIB de MS cresce 254% em uma década
Economia
Índice que reajusta aluguel acumula inflação de 3,16% em 12 meses
Economia
Acumulou: Mega-Sena deve pagar R$ 30 mi no próximo concurso
Economia
Confiança do comércio tem alta de 0,1% em outubro
Economia
Caixa paga FGTS para nascidos de setembro a dezembro
Economia
Dólar tem 4° queda na cotação de outubro
Economia
Caixa anuncia redução de juros imobiliários
Economia
Receita libera consulta ao quinto lote de restituição do IR
Economia
Banco Central cria PL para modernizar mercado de câmbio

Mais Lidas

Polícia
Adolescentes são apreendidos por necrofilia com cadáver de idosa
Geral
Irmã Dulce passa a ser Santa Dulce dos Pobres após canonização
Oportunidade
Prefeitura seleciona jovens para curso de voluntariado
Polícia
PMA apreende arma usada em caça ilegal