Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Economia

Minoritários de empresa de Eike acusam órgão regulador de omissão em relação à crise

25 outubro 2013 - 10h57Via Folha
A crise na petroleira OGX, de Eike Batista, abriu um debate sobre a posição de "xerife do mercado de capitais" da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Acionistas minoritários da empresa do grupo X acusam a autarquia de ter sido omissa em relação à crise financeira da companhia, que enfrenta problemas e está à beira da recuperação judicial.

De outubro de 2009 a maio de 2012, 55 fatos relevantes envolvendo a OGX foram divulgados pela CVM, ou sobre descobertas ou sobre a comercialidade (viabilidade financeira) dos campos.

Em pouco mais de dois anos, as ações da OGX saíram de um patamar de R$ 23 para R$ 0,36 - preço de fechamento de ontem.

No mesmo período, o controlador da OGX recebeu uma multa da CVM, em 2009, no valor de R$ 100 mil.

"O investidor comum hoje se pergunta: 'Se o Eike falou tanta mentira e ninguém fez nada, por que outras empresas não estariam mentindo?", afirma o advogado Márcio Lobo, minoritário da OGX, sobre a suposta "inércia" da CVM.

Para a ex-diretora da CVM e professora da PUC-RJ Norma Parente, a CVM errou ao demorar a corrigir as informações equivocadas da OGX.

"A principal função de uma reguladora do mercado é zelar pelas informações. Se as informações não tinham a supervisão adequada, houve uma falha da CVM."

De acordo com Parente, a OGX "não estava no radar" da CVM, e isso prejudicou a tomada de decisões.

A CVM nega que não estivesse monitorando a OGX.

A autarquia, que não comenta casos específicos, afirmou que "acompanha e analisa as informações e movimentações envolvendo as companhias abertas, tomando as medidas cabíveis previstas na legislação e regulamentação que lhe cabe fiscalizar, quando necessário".

Troca de cadeiras
A troca de cadeiras entre dirigentes da BM&FBovespa;, a Bolsa brasileira, e da CVM também desperta atenção dos minoritários.

Em 2006, a então diretora da Bovespa, Maria Helena Santana, foi para a CVM, levando depois o diretor Otávio Yazbek.

No sentido contrário, a BM&FBovespa; e sua subsidiária BMS receberam pelo menos quatro dirigentes da CVM nos últimos cinco anos.

O economista Aurélio Valporto, acionista da OGX, critica a relação.

"A CVM é criadora da lei, que deve ser cumprida pela Bovespa. Mas a partir do momento em que ela se omite, então é um exemplo péssimo de autoridade."

Já o presidente da Amec (Associação de Investidores do Mercado de Capitais), Mauro Cunha, minimiza o trânsito de executivos entre os órgãos.

"Se não pegar no mercado vai pegar onde?" A crítica que a Amec faz à CVM é a de privilegiar o controlador em detrimento do minoritário.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Em protesto contra a fome, MSTS faz ocupação em prédio de bolsa de valores
Economia
Mega-Sena acumula em R$ 7 milhões, 34 moradores de MS acertaram a quadra
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março
Economia
Pesquisa divulgada pelo Procon mostra variação de preços dos produtos da Csta básica
Economia
Fiems recebe delegação paraguaia para rodada de negócios
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Economia
Auxílio emergencial: nascidos em janeiro recebem 6ª parcela
Economia
Possível calote em empresa chinesa faz bolsas despencarem
Economia
Decreto regulamenta reconhecimento de dívidas da União junto à Caixa
Economia
Trabalhadores nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju