Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

Tomate é responsável pela alta do preço da cesta básica e tem variação de 9,77% em novembro

06 dezembro 2013 - 11h56Via Notícias MS
O tomate foi o item que apresentou maior variação de preços na pesquisa do custo da Cesta Básica Alimentar do mês de novembro realizada pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (Semac). De acordo com a análise da Coordenadoria de Pesquisas, Planos, Projetos e Monitoramento as constantes chuvas ocorridas no mês de outubro nas principais regiões produtoras do tomate afetaram sua qualidade elevando seu preço em 9,77%.

A alta também foi constatada no Custo total da Cesta Básica, que ficou 0,43% mais cara em Campo Grande em relação ao apurado no mês anterior. A cesta custou R$ 278,76 no mês de novembro, enquanto no levantamento feito no mês anterior os mesmos produtos estavam custando o total de R$ 277,56. No acumulado do ano, o índice apresenta variação positiva de 3,16%, enquanto que nos últimos 12 meses a alta foi de 6,03% e nos últimos seis meses houve queda de 7,45%.

Dentre os 15 produtos pesquisados, oito tiveram preços elevados em novembro/2013, com destaque para: tomate 9,77%; açúcar 8,80%; arroz 3,07%; margarina 2,04%; leite 1,75%; óleo 1,47%; macarrão 1,44% e alface 1,00%. Os produtos que registraram queda de preços: pão (francês) 2,54%; feijão 2,44%; batata 2,41%; carne -1,22% e banana 0,29%. Mantiveram seus preços inalterados o sal e a laranja.

Custo x Renda Mensal
Confrontando o custo da Cesta Básica Alimentar com a renda mensal, conclui-se que o trabalhador que recebeu um Salário Mínimo de R$ 678,00 no mês de novembro comprometeu 41,12% de sua renda bruta com alimentação. No levantamento feito em outubro o custo da Cesta Básica Alimentar comprometia 40,94% do Salário Mínimo.

Por fim, outra análise feita pelos técnicos da Semac em relação ao custo da Cesta Básica Alimentar em horas trabalhadas mostra que no mês novembro o trabalhador com renda mensal de um Salário Mínimo precisou trabalhar 90 horas e 27 minutos da sua jornada de 220 horas/mês para cobrir os custos da Cesta Básica Alimentar. Em outubro de 2013 o tempo necessário de trabalho para a mesma finalidade foi de 90 horas e 4 minutos.             

Cesta Básica Familiar
A pesquisa realizada no mês de novembro mostra que o custo da Cesta Básica Familiar teve queda de 0,07% em Campo Grande, em relação ao apurado no mês anterior. Os 44 produtos da Cesta Básica Familiar puderam ser adquiridos pelo custo de R$ 1.262,42. No levantamento realizado no mês anterior os mesmos produtos estavam custando o total de R$ 1.263,26. No  acumulado dos últimos seis meses a Cesta Básica Familiar apresenta queda de 1,68%, no ano a variação positiva é de 5,59% e nos últimos 12 meses alta de 7,65%. Dentre os 44 produtos pesquisados, 24 apresentaram alta nos preços, quatro apresentaram  queda e 16 mantiveram os preços inalterados.

Grupos
No grupo Alimentação foram pesquisados 32 produtos. A análise apresentou uma variação negativa de 0,15%. Alguns dos produtos em queda foram: abobrinha 18,22%, alho 11,65%, cebola 10,03%; cenoura 6,85%; ovos 5,07%; couve 3,14%; pão 2,58%; feijão 2,45%; batata 2,44% e carne 1,22%.

No grupo de produtos que apresentaram maiores altas nos preços, estão: tomate 9,70%; mandioca 9,17%; açúcar 8,62%; mamão 3,87%; arroz 3,11%; peixe 2,20%; trigo (farinha) 2,07%; café 2,01% margarina 1,84% e leite 1,74%. Pão doce, queijo, sal e laranja mantiveram os preços inalterados.

O grupo de Higiene Pessoal com cinco produtos fechou o mês de novembro com alta de 1,79% devido à variação nos preços dos produtos: papel higiênico 4,48%, sabonete 4,05% e absorvente 3,32%. Os produtos que apresentaram queda foram: dentifrício 1,97% e lâmina de barbear 0,22%.

No grupo de Limpeza Doméstica foram analisados sete produtos que apresentaram variação positiva de 0,74%. São eles: detergente 5,22%, água sanitária 3,55%, cera em pasta 2,05%, esponja (aço) 1,55% e sabão em pó 1,44%. Os produtos desse grupo com variação negativa foram sabão em barra 7,60% e desinfetante 2,52%.

O custo total da Cesta Básica Familiar no mês de novembro comprometeu 37,24% do valor total da renda familiar. Para esse cálculo considera-se a renda familiar de cinco salários mínimos, ou seja, R$ 3.390,00. No levantamento feito em outubro, o custo da Cesta Básica Familiar comprometeu 37,26% do valor total da renda familiar.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos
Economia
No dia do cliente, Salomão dá dicas para evitar fraudes em promoções
Economia
Financiamento da casa própria terá juros menores, afirma presidente da Caixa
Economia
Decreto antecipa flexibilização de fidelidade à bandeira em postos
Economia
Trabalhadores nascidos em agosto podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono