Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Política

Israel está resignado sobre reconhecimento da Palestina na ONU, diz jornal

28 novembro 2012 - 10h39Mohammed Saber/Efe

O governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, está resignado quanto ao esperado reconhecimento da Palestina como Estado não membro das Nações Unidas, informa nesta quarta-feira o jornal "Yedioth Ahronoth".

O pedido, que conta com a oposição de Israel e dos Estados Unidos, será estudado amanhã pela Assembleia Geral da ONU e, embora no passado Israel tenha ameaçado aplicar represálias, a resposta será moderada, segundo o diário.

O grupo que deve decidir a reação ao que Israel considera uma flagrante violação dos acordos de paz de Oslo (1993-2000), que estabeleciam a criação de um Estado palestino no marco de um já fracassado acordo com Israel, é integrado pelos nove ministros principais do governo de Netanyahu, que não conseguem entrar em acordo sobre a dureza da resposta.

O apoio que o pedido palestino recebeu nos últimos dias de países como França, Espanha, Áustria, Portugal e Japão convenceram o primeiro-ministro israelense a não aplicar sanções desproporcionais, indica o "Yedioth Ahronoth".

Os palestinos contam com um significativo apoio para seu pedido, que lhes permitirá no futuro integrar-se a diferentes agências e organismos internacionais, entre eles o Tribunal Penal Internacional.

Considerando essa batalha como perdida, segundo o diário, Israel tentará diminuir a importância da nova condição internacional dos palestinos.

"Não ficaremos passivos nem de braços cruzados, mas também não é necessário fazer declarações. Responderemos de forma proporcional no momento correto", disse uma alta fonte do governo ao jornal.

Nesse sentido, nos últimos dias os porta-vozes israelenses evitaram fazer comentários sobre a votação ou sobre suas possíveis consequências.

"Não devemos exagerar o significado da votação na ONU. É certo que em Ramala haverá fogos de artifício, mas os assentamentos ficarão onde estão e o Exército seguirá atuando onde já atua", acrescentou a fonte.

Via Uol

Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Câmara aprova projeto que institui Kit Merenda da Agricultura Familiar
Política
MDB se diz solidário a André
Política
Paulo Corrêa elogia trabalho e reafirma apoio à Polícia Civil em formatura
Política
Bolsonaro vem ao assentamento Santa Mônica na sexta-feira, às 10 horas
Política
Ministra se compromete a auxiliar em liberação de obra na capital durante visita na Câmara
Geral
Reinaldo pede orações por Cabo Almi, intubado com Covid-19
Política
Proposta cria incentivo financeiro para estudantes do ensino médio
Política
Covid: Com 70% dos pulmões comprometidos, Cabo Almi é intubado
Política
Bolsonaro indica Soraya para vice-liderança no Congresso Nacional
Política
Amaury Pinto Júnior no TST

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio