Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo - campanha estado que cresce - Topo
Política

Israel está resignado sobre reconhecimento da Palestina na ONU, diz jornal

28 novembro 2012 - 10h39Mohammed Saber/Efe

O governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, está resignado quanto ao esperado reconhecimento da Palestina como Estado não membro das Nações Unidas, informa nesta quarta-feira o jornal "Yedioth Ahronoth".

O pedido, que conta com a oposição de Israel e dos Estados Unidos, será estudado amanhã pela Assembleia Geral da ONU e, embora no passado Israel tenha ameaçado aplicar represálias, a resposta será moderada, segundo o diário.

O grupo que deve decidir a reação ao que Israel considera uma flagrante violação dos acordos de paz de Oslo (1993-2000), que estabeleciam a criação de um Estado palestino no marco de um já fracassado acordo com Israel, é integrado pelos nove ministros principais do governo de Netanyahu, que não conseguem entrar em acordo sobre a dureza da resposta.

O apoio que o pedido palestino recebeu nos últimos dias de países como França, Espanha, Áustria, Portugal e Japão convenceram o primeiro-ministro israelense a não aplicar sanções desproporcionais, indica o "Yedioth Ahronoth".

Os palestinos contam com um significativo apoio para seu pedido, que lhes permitirá no futuro integrar-se a diferentes agências e organismos internacionais, entre eles o Tribunal Penal Internacional.

Considerando essa batalha como perdida, segundo o diário, Israel tentará diminuir a importância da nova condição internacional dos palestinos.

"Não ficaremos passivos nem de braços cruzados, mas também não é necessário fazer declarações. Responderemos de forma proporcional no momento correto", disse uma alta fonte do governo ao jornal.

Nesse sentido, nos últimos dias os porta-vozes israelenses evitaram fazer comentários sobre a votação ou sobre suas possíveis consequências.

"Não devemos exagerar o significado da votação na ONU. É certo que em Ramala haverá fogos de artifício, mas os assentamentos ficarão onde estão e o Exército seguirá atuando onde já atua", acrescentou a fonte.

Via Uol

cartorio2RI

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Governo lançará programa ‘MEI Caminhoneiro’
Política
Bolsonaro sanciona lei que estabelece autonomia do Banco Central
Política
Assembleia aprova calamidade pública em Rio Brilhante, Ivinhema e Naviraí
Política
Senado aprova projeto que facilita compra de vacinas pelo setor privado
Política
MS poderá ter Campanha de Prevenção ao Desaparecimento de Crianças
Polícia
Vídeo: Nervoso, jovem encontra cascavel em casa e aciona polícia
Política
Bolsonaro e Pazuello vão ao Acre entregar 21,9 mil doses de vacinas
Política
Bolsonaro diz que comitiva irá a Israel buscar spray contra covid
Política
O desafio de Eduardo Riedel
Política
Riedel na Infraestrutura, Murilo na Segov e mais

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio