Menu
Busca sexta, 17 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Política

Russo admite conversa com Puccinelli e Jerson e ainda não descarta ida para o Senado

16 maio 2011 - 09h58Midiamax

O empresário do ramo de frigoríficos e suplente da senadora Marisa Serrano (PSDB), Antonio Russo (PSDB), disse que não está muito certo se vai mesmo assumir a vaga da parlamentar, caso ela assuma o conselho do TCE (Tribunal de Contas do Estado).

Ele disse que esteve reunido no inicio da semana com o presidente da Assembleia, deputado Jerson Domingos (PMDB), e com o governador André Puccinelli (PMDB) para se inteirar sobre a ida de Marisa para o TCE e soube que a decisão sobre a vaga depende dos deputados.

Russo explica que não se sente senador e brincou: “Suplente é suplente. Suplente é aquele que fica no banco”.

Sobre a possibilidade de assumir o Senado, ele revela que como é da classe ruralista, defenderia essa bandeira caso assuma o cargo.

Caso assuma a vaga de Marisa, o suplente garantiu que não mudará de sigla.

“Eu estou na convenção do PSDB e não vou sair do partido”, disse o empresário sobre os rumores de que se ele ao assumir o Senado mudaria de partido para compor a base aliada da presidente Dilma Russeff (PT).

Russo sustentou que seu padrinho político é o deputado decano da Assembleia Londres Machado. “Eu devo ao Londres. Ele me iniciou e me recebeu no PL, mas eu sou agora do PSDB e não vou mudar. Eu devo muito a ele {Londres}”, comenta.

O suplente de senador explicou que não sente nenhuma rejeição ao seu nome na classe ruralista como a imprensa tem divulgado. “Eu sou produtor rural, sou empresário. Eu vivo nesse meio e não sinto nenhuma rejeição pelo meu nome, pelo contrário muitos me apoiam”, garante.

Sobre os problemas jurídico-trabalhistas dos frigoríficos pertencentes a família de Russo, ele comenta que se desligou juridicamente da empresa em 2003 e oficialmente em 2007.

“Eu deixei de ser dono do frigorífico, mas não deixei de ser pai dos meus filhos”, explica o empresário para justificar que seu nome está atrelado com os problemas jurídicos causados pela gestão dos filhos no frigorífico.

Russo disse que o frigorífico já pagou 76% dos débitos com os empregados e 98% dos fornecedores.

Atualmente, a divida ativa do frigorífico é de aproximadamente R$ 700 milhões. Mesmo afirmando que está fora do controle da empresa, ele se mostra bem informado e revela que em 90 dias o frigorífico deve fazer uma Assembleia para discutir o restante a apagar

Com informações do Midiamax.

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Vídeo: Tereza Cristina destaca inovação e tecnologia do agro brasileiro na Itália
Política
Kemp fecha acordo e se retrata nas redes sociais
Política
CPI da Covid: Diretor de empresa acusada de prescrever 'kit Covid' depõe nesta quinta
Política
Ministro Dias Toffoli participará de evento no TRE-MS na sexta
Política
Ex-mulher de Bolsonaro é convocada a depor na CPI da Pandemia
Política
Ministro defende aumento "modesto e moderado" para Bolsa Família
Política
Justiça autoriza condução coercitiva de depoente na CPI da Pandemia
Política
Ranking Pesquisas mostra avaliação do Governo MS em Dourados
Política
Para Temer, "presidencialismo no Brasil está esfarrapado"
Política
STF pretende derrubar decreto de Bolsonaro sobre armas

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Onda onda, olha a onda", Brasil pode ser atingido por tsunami
Geral
Esacheu perde eleição para Jary Castro na Santa Casa
Polícia
Pedreiro morre ao cair do segundo andar de obra no Alphaville 4
Polícia
Vídeo: Homem é flagrado “encoxando” mulher em coletivo na Capital