Menu
Busca terça, 28 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

Banco Central tem aval do governo para levar Selic a 10%

09 outubro 2013 - 10h09Via Folha
O Banco Central tem o aval do Palácio do Planalto para elevar a taxa de juros, que deve subir hoje de 9% para 9,5% ao ano, para a casa dos dois dígitos caso a inflação indique que não seguirá recuando nos próximos meses.

A avaliação do governo é que uma inflação em alta causa mais estragos para a imagem da presidente Dilma que a elevação da taxa Selic, referência para o mercado.

Nesse contexto, a equipe presidencial considera que a política monetária do BC deve garantir que a inflação continue recuando nos próximos meses e, principalmente, em 2014, ano da campanha da reeleição de Dilma.

A expectativa da equipe econômica é que a inflação de setembro, que será divulgada hoje, fique na casa de 0,35%, fazendo o índice acumulado em doze meses recuar dos 6,1% encerrados em agosto para 5,9%.

A meta do BC é fazer a inflação deste ano ficar abaixo da do ano passado, de 5,84%.

Câmbio
O governo acredita que o câmbio mais comportado vai deixar de pressionar a inflação. O valor do dólar, que chegou a superar R$ 2,30, agora recuou para a faixa de R$ 2,20.

Um assessor lembra que havia um temor de que a inflação registrasse uma pressão forte em setembro e outubro por causa da valorização do dólar, o que não deve ocorrer mais no curto prazo.

Caso esse cenário seja mantido, o Palácio do Planalto acredita que a taxa de juros pode encerrar o ano abaixo dos dois dígitos, no máximo em 9,75%. Ou seja, além da alta prevista para a reunião de hoje do Copom, o BC faria mais um ajuste de 0,25 ponto percentual na última reunião do ano, em novembro.

Assessores presidenciais reforçam, porém, que a volta da taxa Selic ao patamar de dois dígitos deixou de ser um tabu dentro do Planalto, principalmente diante de um cenário econômico de muita incerteza pela frente no mercado internacional.

O BC vem enfatizando o compromisso de buscar se aproximar o máximo possível do centro da meta, mas ainda sofre com a perda de credibilidade da área econômica do governo.

O receio apresentado em reuniões recentes com a equipe econômica é que, num quadro de incertezas, o país não pode ficar com a inflação "rodando na banda superior da meta" (entre 4,5% e 6,5%).

Motivo: um choque externo faria a inflação estourar facilmente o teto da meta, o que seria péssimo politicamente, e tornaria muito mais caro fazer o índice recuar.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Caixa oferece crédito de R$ 300 a R$ 1 mil pelo celular
Economia
Desemprego cai para 13,7%, aponta pesquisa
Economia
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 7
Economia
FIEMS e governo de MS lançam pacote para "Retomada Segura de MS" nesta segunda
Economia
Semana Nacional da Conciliação, mais de 350 audiências são realizadas em 3 dias
Economia
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
Economia
Prazo para MEIs regularizarem dívidas termina dia 30 de setembro
Economia
Auxílio emergencial é pago hoje para nascidos no mês de maio
Economia
Prova de vida de servidores aposentados deve ser feita até a próxima quinta-feira
Economia
Caixa paga 6ª parcela do auxílio emergencial a nascidos em abril

Mais Lidas

Cidade
Incêndio atinge margens do rio Paraguai em Corumbá
Clima
Tempestade faz temperatura despencar 15 graus e destelha apartamento em Campo Grande
Polícia
Mulher é agredida e esfaqueia pênis de marido
Polícia
Homem é assassinado a tiros por dívida de R$ 100,00