Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

Com melhora da economia, ouro fecha 2013 com 1ª queda em 13 anos

03 janeiro 2014 - 10h52Via G1
O ouro fechou 2013 com a primeira queda desde 2000 e a maior perda desde 1981, assinalando que a recuperação da crise econômica de 2008 está cada vez melhor. O metal perdeu 27,8% do valor no ano passado, e terminou custando US$ 1.201,5 a onça em Londres.

"É um notícia animadora sob o ponto de vista das economias desenvolvidas, sinaliza que não é preciso buscar mais tanta segurança", diz Frederico Turolla, sócio da Pezco Microanalysis.

O ouro é visto como um investimento seguro, já que oscila menos e perde menos valor que ativos como as bolsas e as moedas. Por conta disso, o metal costuma ser bastante procurado em momentos de incerteza quanto ao crescimento econômico mundial.

Os investidores evitaram ouro em 2013, já que conseguiram voltar a ter lucros com outras aplicações como as ações nos países desenvolvidos: o Dow Jones terminou o ano com ganho de 26,5%, o S&P 500 subiu 29,6% e o Nasdaq teve valorização de 38,3%. Ao mesmo tempo, não houve alta da inflação, o que reduziu a demanda por ouro como uma forma de conservar riqueza.

Outro fator é início da retirada de estímulos econômicos pelo Banco Central dos EUA, o Federal Reserve, o que também sinaliza recuperação. Com isso, a expectativa é que os países desenvolvidos comecem a elevar os juros e se tornem mais atrativos aos investidores.

O Fed decidiu, em dezembro, reduzir em US$ 10 bilhões o programa mensal de compra de ativos, que serve para estimular a economia dos Estados Unidos. Com isso, as compras mensais de bônus do Tesouro e títulos hipotecários, que servem para injetar dinheiro no país, serão diminuídas de US$ 85 bilhões para US$ 75 bilhões.

Em uma analogia médica, Turolla diz que é como se o tratamento de choque começasse a ser retirado e o medicamento passasse a ser injetado em doses um pouco menores. "É como se o paciente começasse a lembrar que tem casa e que vai poder ir para lá", diz.

Emergentes
Para os países emergentes, no entanto, as perspectivas "não trazem bons presságios", diz Turolla. "O significado disso é que muito da morfina na veia que vinha sendo aplicada nos países emergentes vai dimunuir", diz ele, se referindo ao investimento, em países como o Brasil, do dinheiro que os países desenvolvidos colocaram no mercado via estímulos econômicos.

Na avaliação dele, economias como a brasileira, que não arrumaram as contas e ficam dependendentes de grandes fluxos de recursos para receber investimentos, devem enfrentar dificuldades por conta da recuperação das economias desenvolvidas. Com a melhora dessas economias, é lá que o dinheiro deve ficar.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo cogita possibilidade de volta do horário de verão
Economia
Beneficiários do Bolsa Família começam a receber 6ª parcela do auxílio
Economia
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Projeto do Governo para reduzir conta de energia é aprovado na Assembleia
Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos

Mais Lidas

Polícia
Homem encontra pênis decepado dentro de pote no jardim da casa da mãe
Saúde
Com 8 meses de vacinação, MS é o 1º Estado a atingir imunidade coletiva
Polícia
Homem encontra o pai morto em avançado estado de decomposição na Vila Carvalho
Brasil
Homem coloca fogo em casa com ex-mulher e filhos dentro