Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Economia

Em reunião do G20, delegação brasileira contesta rótulo de economia frágil

22 fevereiro 2014 - 14h25Via Folha
A delegação brasileira protestou na reunião de ministros de Fazenda e presidentes de bancos centrais do G20, em Sidney, contra avaliações que colocam o Brasil em posição de vulnerabilidade diante da redução de estímulos para a economia dos Estados Unidos.

Foi um protesto dirigido indiretamente ao Fed (banco central dos EUA), que atribuiu um índice de vulnerabilidade alto para o Brasil, e para o FMI (Fundo Monetário Internacional), que incluiu o país entre os quatro emergentes em maior dificuldade.

Além do Brasil, a África do Sul também reclamou na reunião de ontem em Sydney, na Austrália. Os dois países advertiram que o G20 tem de ser firme ao não corroborar avaliações sem bases técnicas sólidas e que podem atender a interesses menos nobres de mercado: depreciar ativos dos países para conquistar lucros fáceis.

A reunião de ministros da Fazenda – Guido Mantega não foi – e de presidentes do Banco Central – Alexandre Tombini compareceu – foi centrada na normalização da política monetária nos EUA. De acordo com a Folha de São Paulo, os emergentes não falaram todos a mesma língua.

A delegação brasileira fez reuniões prévias com representantes de outros países dos Brics, que negaram qualquer possibilidade de crise, analisaram que a recuperação dos EUA não é um risco para os emergentes e pode até ser benéfica para o crescimento mundial.

Mas o México – que apresentou crescimento de apenas 1,1% do PIB em 2013 – teve uma posição distinta.

Segundo relatos, a delegação mexicana reclamou da grande fuga de capitais a partir da normalização dos EUA e pediu que a "rede de segurança" funcione em caso de necessidade, o que significa deixar o FMI pronto para eventualmente estender sua linha de crédito para países mais diretamente atingidos.

Em entrevista depois do encontro, Carlos Cozendey, secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, refletiu a posição moderada do Brasil ao dizer que "a normalização dos EUA tem de acontecer e será positiva se houver crescimento".

Ele disse que "ajustes são necessários" para evitar impactos maiores e negou que o Brasil esteja vulnerável: "Ajuste de preço não quer dizer fragilidade".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Vídeo mostra protesto em Pedro Juan
Economia
FGTS está na conta dos trabalhadores nascidos em dezembro
Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro

Mais Lidas

Internacional
Sem motivos ou explicações, Torre Eiffel, em Paris, foi esvaziada
Saúde
UPA's e CRS's contam com 15 pediatras e 50 clínicos nesta manhã
Política
AO VIVO - Acompanhe a reunião da Comissão do Pantanal no Senado
Polícia
Depósito de maconha é encontrado nos fundos de igreja evangélica