Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Economia

Energia 'oculta' em bens triplica o gasto de brasileiro com luz

18 julho 2012 - 11h02Reprodução / Folha

Para cada R$ 100 pagos na conta de luz, o consumidor brasileiro gasta, sem saber, outros R$ 200 com energia.

Esse é o custo da eletricidade que vem embutido no preço dos serviços utilizados e dos bens consumidos.

O cálculo foi feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisa Econômicas), no primeiro estudo brasileiro a medir o peso da energia contida em itens como carros, imóveis, batedeiras ou salões de cabeleireiros.

A Fipe usou uma metodologia desenvolvida pela União Europeia, chamada WIOD (World Input-Output Database).

Segundo o trabalho da fundação, a conta de luz representa apenas 32% de todo o custo de energia elétrica pago por uma família.

A maior parte (53%) está embutida nos preços de mercadorias e serviços contratados pelos consumidores. Os outros 15% estão incluídos nos preços de serviços públicos, como o transporte.

O trabalho da Fipe mostra que, para cada real pago na fatura de energia, o consumidor desembolsa outro R$ 1,68 para custear a energia escondida nos bens. No cálculo, a fundação usou o perfil de consumo da Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE.

Classe C prejudicada
Fernando Garcia de Freitas, um dos formuladores do trabalho, diz que a mudança de padrão de consumo das classes emergentes traz escondida um alto custo de energia. "Quando um consumidor troca a cachaça pela cerveja em lata de alumínio, está aumentando o consumo indireto de energia. É assim que a energia cara penaliza a nova classe de consumo."

O estudo foi patrocinado pelo Projeto Energia Competitiva, que reúne a associação de grandes consumidores e órgãos de defesa do consumidor, com o objetivo de levantar informações para convencer governo e Congresso a desonerar a eletricidade.

Entre os segmentos que participam do projeto estão as indústrias química, vidreira, de aço, de alumínio, de cloro e de ferro-liga.

Embora esses setores sejam grandes consumidores diretos de energia, há outros em que o peso indireto é muito grande (veja na imagem ao lado).

No caso da indústria de construção, por exemplo, para cada R$ 100 de conta de luz, outros R$ 4.690 são pagos indiretamente no custo dos materiais usados.

Mais crescimento
O estudo também calculou os efeitos na economia brasileira da desoneração total (extinguir todos os encargos para consumidores industriais, comerciais e residenciais) e da parcial (em que só os consumidores industriais seriam beneficiados).

De acordo com Freitas, a desoneração total resultaria em aumento de R$ 181 bilhões no consumo, em até dez anos. Desse total, R$ 70 bilhões estariam nas mãos das famílias.

A simulação feita pela Fipe projeta um PIB 5,7% maior do que o atual (R$ 236 bilhões a mais), uma oferta de 4,5 milhões de empregos, uma exportação R$ 10,4 bilhões maior e uma capacidade adicional de investimento de R$ 53,2 bilhões.

Outros impactos positivos, como a queda da inflação, aconteceriam imediatamente após a queda do custo.

Via Folha

Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia
Economia
AO VIVO - Entidades orientam empresário a obter empréstimos de emergência
Economia
Crédito emergencial para empresas será anunciado nesta quarta
Economia
Ações de cobrança são prorrogadas até 31 de julho pela Receita
Economia
Hoje tem pagamento do auxílio emergencial; veja se você recebe
Economia
Após anunciar prorrogação do Auxílio, Bolsonaro fala em harmonia entre Poderes
Economia
Ao vivo: Governo anuncia prorrogação do auxílio emergencial
Economia
Riedel apresenta plano para enfrentar nova fase da pandemia em MS

Mais Lidas

Geral
Filho de Leonardo diz estar 'valorizando mais a vida' após acidente em rio
Polícia
Imagens fortes: Vídeo mostra homem fugindo da polícia com uma cabeça decapitada
Educação
Universidades e institutos terão cerca de R$ 200 milhões do MEC
Brasil
Governo terá programa para regularizar moradias