Menu
Busca segunda, 25 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS Janeiro/21 juizado de transito
Economia

Famasul defende Código Florestal e diz que não há anistia a produtores

01 junho 2011 - 10h18Arquivo

O presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Eduardo Riedel, afirmou, em entrevista na sede da entidade nesta terça-feira, que o novo Código Florestal não anistia produtores que desmataram e traz segurança jurídica para produtores de Mato Grosso do Sul.

Riedel diz enxergar motivação política no emprego da palavra anistia. Segundo ele, antes de 2008, produtores atuavam conforme a legislação à época e suas práticas não poderiam ser consideradas ilegais já que eram juridicamente perfeitas.

O novo texto prevê aos produtores que desmataram no passado três modalidades para recuperar áreas degradadas: recompor, regenerar ou compensar a reserva legal. “Os que não se encaixarem na exigência, que é a soma da reserva legal mais as APP (Área de Proteção Permanente) representar 20% terão que recuperar a área”, comentou para exemplificar que não haverá anistia.

É este um dos pontos que mais incidem críticas de ambientalistas e do governo Dilma Rousseff (PT). Eles defendem que os produtores que já desmataram tenham punições mais severas como multas. A presidente chegou a declarar que, desta forma que o texto passou pela Câmara, vai vetar a emenda que trata da anistia.

Outro ponto polêmico é encarado como incentivo ao desmatamento por ambientalistas. Na prática, o texto aprovado pela Câmara legaliza todas as atividades agrícolas em APPs como várzeas e topo de morros.

O presidente da Famasul discorda. “O País que tem 56% do território preservado não vai estimular o desmatamento”, pontuou.

Sobre os 63 mil produtores rurais em Mato Grosso do Sul, Riedel considera que o novo código os coloca na legalidade e traz a segurança, pois diz, na lei, o que é permitido. Ele acredita que a maioria esteja dentro das exigências, no entanto, declarou: "Não posso garantir que não haja irregularidades”.

Legitimidade estadual - Sobre os estados terem autonomia para legislar a regularização ambiental, conforme o texto, Riedel considera justo. “São os estados que têm conhecimento das áreas e o poder de fiscalizar”, comentou.

Esta discussão também promete novos desdobramentos no Senado. Os líderes do governo querem diminuir a competência dos estados e deixar para a União a criação de regras, deixando para as federações a liberdade apenas para ampliar áreas protegidas.

Código

O projeto do novo Código Florestal foi aprovado na terça-feira da semana passada e agora segue para o Senado, onde passará pela das comissões de Agricultura, de Constituição e Justiça e de Meio Ambiente antes de ser votado. Caso aprovado segue para sanção presidencial e se houver emendas a matéria volta à Câmara dos Deputados.

O novo código acatou sugestão da bancada do Mato Grosso do Sul para viabilizar a produção rural no Pantanal. A proposta original previa a utilização das áreas sujeitas à inundação sazonal condicionada à manutenção da paisagem. Agora, a atividade estará liberada diante de recomendações técnicas de órgãos oficiais de pesquisa.

Riedel destacou que o texto específico para o Pantanal foi baseado em estudos da Embrapa Pantanal entregue ao deputado Aldo Rebelo (PcdoB-SP), relator do Código. “A classe produtora continuará unida, agora, em consulta com os senadores por Mato Grosso do Sul, para um debate cada vez mais técnico e sem paixão”, garantiu.

Com informações do Campo Grande News.

senar janeiro21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Loja virtual terá produtos excluvisos de profissionais de MS
Economia
Repasses a municípios de MS cresceram 10% em 2020
Economia
Governo autoriza cessão da Gruta do Lago Azul ao município de Bonito
Economia
Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
Economia
Nascidos em setembro podem sacar parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família começa nesta segunda
Economia
Caixa libera saque do auxílio emergencial para nascidos em agosto
Economia
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 17 milhões
Economia
Depois de 17 anos, Paulo Ponzini volta à Presidência do Corecon-MS
Economia
Número de pessoas inadimplentes cai no fim de 2020

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio