Menu
Busca segunda, 13 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo dengue 03 - tarde demais
Economia

Fim do verão coloca academias em alerta. Saiba o que fazer para continuar lucrando

03 abril 2012 - 10h38Marcos de Paula/AE

O fim do verão traz um desafio adicional para os donos das academias de ginástica: manter os alunos que se matricularam neste período embalados pelo calor da estação. Uma estimativa da Associação Brasileira de Academias mostra que entre os meses de janeiro e março o número de inscrições aumenta em média 30%. O problema é que os donos desses empreendimentos não conseguem reter uma parte desses alunos – aproximadamente 20% das admissões são canceladas em até três meses.

Segundo a opinião do consultor Wlamir Bello, do Sebrae-SP, o que falta às academias é implementar uma estratégia eficiente – e permanente – de retenção de novos alunos. De acordo com o especialista, muitas vezes o empreendedor não entende que o negócio precisa atender uma necessidade do aluno, e não apenas transformar o serviço prestado em dinheiro. “A academia vende promessas, como a de melhorar a qualidade de vida e de deixar a pessoa mais bonita. Se o cliente não recebe o prometido, ele fica desmotivado”, analisa Wlamir.

O administrador esportivo Walter Pires Júnior, sócio da academia Modelar, atende a quase 800 alunos na zona leste de São Paulo. Tim, como é conhecido, conta que a empresa aumentou o quadro de professores para manter os novos clientes. Ele também estendeu a promoção de verão, concedendo descontos a partir dos pacotes quadrimestrais. “Os planos conjugados, para quem pratica mais de uma modalidade, ainda estão com o valor de 2011”, conta.

Ricardo Ferreira, sócio e administrador do Studio Persona, em Caieiras, na grande São Paulo, também aposta no atendimento personalizado. Por isso, em sua academia, os alunos dividem a atenção do professor com no máximo outras duas pessoas. Essa estratégia, para Ferreira, garante fidelidade. “Temos uma metodologia que leva em consideração o histórico do cliente, seu objetivo e possíveis empecilhos. Com isso, o treinador consegue um aluno mais comprometido.”

Personalizar o atendimento é sempre possível, não importa o tamanho do empreendimento. Gustavo Veloso divide a administração da academia Júlio Veloso com o pai, que dá nome à empresa. Eles têm 1,2 mil alunos nas duas unidades da empresa no Rio de Janeiro, mas buscam sempre aproximar-se dos clientes.

“Quando ele some, esperamos um mês e perguntamos se ele não quer aproveitar esse tempo no final do contrato. Também fazemos feedback. Os professores que conduzem as avaliações físicas ligam para os alunos novos e perguntam se eles estão gostando da série recomendada”, afirma o empresário.

Respeitar o perfil do cliente é um passo importante para Bello, do Sebrae. O consultor aconselha o dono da academia a manter um banco de dados com informações dos consumidores. A partir dele, o contato fica mais fácil e é possível, até mesmo, oferecer ofertas sob medida, como planos familiares, por exemplo.

Via Estadão

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
FGTS: Caixa credita saque emergencial para nascidos em março
Economia
Confira: Caixa libera saque do 3º lote para nascidos em julho
Economia
Novo Toque de Recolher muda funcionamento dos shoppings de CG
Economia
Valor do leite sofre reajuste de 18% em MS durante a pandemia
Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Economia
Junho tem o maior volume de vendas do ano, diz Receita Federal
Economia
BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia

Mais Lidas

Polícia
Choque prende envolvidos em assassinato no Tribunal do Crime na capital
Geral
Blogueira de MS afirma estar com Covid-19 e faz “recebidos” de vitaminas
Polícia
Após matar a ex, homem envia áudio para irmã, 'reza muito por mim'; ouça
Brasil
Adolescente encontra dedo humano dentro de esfirra