Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Economia

Inflação: tomate passa de vilão a mocinho

21 julho 2013 - 08h07Via O Globo
Depois subir 72,79% só nos quatro primeiros meses do ano e acumular alta de nada menos do que 149,6% nos 12 meses até abril, o tomate passou de vilão a mocinho na inflação. Só nos últimos 30 dias até 15 de julho, o preço caiu 16,78%, uma das maiores quedas do IPCA-15, perdendo apenas para a cenoura, que ficou 18,78% mais barata no mesmo período. O tomate, que chegou a ser vendido a R$ 15 o quilo, agora é encontrado por R$ 1,99.

— Isso só mostra o quanto o preço do tomate é volátil. Subiu muito no começo do ano e agora está devolvendo a alta. Nossa projeção é que termine 2013 com variação de 4%, ou seja, deve subir menos do que a inflação e do que os 12% de alta do ano passado — diz o economista Fábio Romão, da LCA Consultores.

Segundo Elson Teles, economista do Banco Itaú, uma das razões da volatilidade nos preços é o curto ciclo de produção do tomate. Ele explica que os agricultores haviam reduzido o plantio, porque tinham perdido dinheiro nos anos anteriores. A diminuição da oferta, agravada por problemas climáticos, fez disparar os preços e acabou estimulando uma retomada na produção.

— Além disso, com as notícias dos preços altos, muita gente deixou de comprar e ajudou a aumentar os estoques nos mercados e conter preços. No momento, o tomate já devolveu praticamente toda a alta.

Para o economista, a não ser que a previsão de frio intenso para as próximas semanas se confirme e afete os produtos in natura, os alimentos podem continuar caindo em agosto, mês em que ele espera inflação em torno de 0,30%. Ele também vê tendência de recuo no preço da carne em agosto e manutenção do ritmo de alta do leite que, no caso do longa vida, já subiu 3,96% em julho. Já para transportes públicos e combustíveis, a estimativa é de estabilidade nos preços.

Na visão de Teles, o grande problema para os próximos meses é o dólar.

— Se essa alta veio para ficar em torno de R$ 2,20 a R$ 2,30 vai impactar os custos e será repassada, se as condições de demanda permitirem, uma vez que atividade econômica está fraca. Por outro lado, há a questão dos preços nos mercados internacionais, a entrada da safra de grãos americana e a previsão, do ponto de vista de preços, é favorável — diz.

Luiz Roberto Cunha acredita que o efeito da alta do dólar sobre o IPCA não será muito maior, pois boa parte já foi absorvida, sobretudo no preço do pão. Para o professor da PUC, problema maior são os subsídios a energia e transporte, que devem entrar na inflação do ano que vem.

— Em algum momento esse subsídio será repassado, senão não há esforço fiscal que aguente. Assim, não dá para ver como o IPCA volta para 4,5%, centro da meta do governo. O que pode ajudar a conter a inflação em 2014 é o baixo crescimento.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos
Economia
No dia do cliente, Salomão dá dicas para evitar fraudes em promoções
Economia
Financiamento da casa própria terá juros menores, afirma presidente da Caixa
Economia
Decreto antecipa flexibilização de fidelidade à bandeira em postos
Economia
Trabalhadores nascidos em agosto podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono