Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 01
Economia

Lupi diz que Brasil vai 'ganhar mais do que perder' com tragédia no Japão

15 março 2011 - 14h45
O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, lamentou nesta terça-feira (15) a tragédia no Japão, país que foi fortemente atingido por um terremoto e um tsunami na semana passada, mas, ao ser questionado pelos jornalistas sobre o impacto na economia brasileira, avaliou que, em termos de trocas comerciais, o Brasil vai "ganhar mais do que perder". "O Brasil vai acabar, apesar de não desejarmos tragédia para ninguém, até ganhando. Acho que vai ter mais encomenda do que desistência", declarou ele a jornalistas. Na avaliação do ministro do Trabalho, a crise no Japão vai ter o efeito de aumentar exportações brasileiras de alguns produtos para o país. Segundo a Polícia Nacional japonesa, o terremoto e o tsunami que atingiram o Japão na última sexta-feira (11) deixaram até as 12h desta terça-feira, 3.373 mortos e 6.746 desaparecidos. Segundo o balanço, há ainda 1.897 feridos. o balanço anterior falava em 2.414. Além dos desaparecidos, desabrigados e feridos pelo terremoto e tsunami, o Japão ainda enfrenta uma crise nuclear, com explosões nos reatores do complexo de Fukushima. Dados japoneses indicam que os índices de radioatividade caíram drasticamente na usina nuclear mais danificada pelo terremoto da semana passada, disse a agência nuclear da ONU nesta terça-feira. Segundo Lupi, pode ser que, em um primeiro momento após a tragédia, ocorram mais desistências do que encomendas do país asiático. "Pode ser até que no começo tenha uma encomenda menor. Mesmo assim demora [para ter impacto nas exportações brasileiras]. Não é de um dia para o outro. As encomendas são feitas com muita antecedência. É o mesmo prazo que vai ter para que se recupere a economia japonesa", disse ele. Na avaliação do ministro do Trabalho, a crise no Japão vai ter o efeito de aumentar exportações brasileiras de alguns produtos para o país. "Vai ter setores de energia, pois quase 25% de energia é nuclear. Vai diminuir a produção industrial. Por outro lado, vai ter que reconstruir parte do país. Continuamos produzindo minério, cimento e alimentos", declarou ele. Fonte: G1
PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Novo Toque de Recolher muda funcionamento dos shoppings de CG
Economia
Valor do leite sofre reajuste de 18% em MS durante a pandemia
Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Economia
Junho tem o maior volume de vendas do ano, diz Receita Federal
Economia
BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia
Economia
AO VIVO - Entidades orientam empresário a obter empréstimos de emergência
Economia
Crédito emergencial para empresas será anunciado nesta quarta

Mais Lidas

Geral
Jovem morre após ser atingido na cabeça por peça de 20kg
Acidente aconteceu em um armazém de grão na cidade de Rio Brilhante
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Esportes
Botafogo de Ribeirão vê ilegalidade na volta do Campeonato Paulista
Geral
Sindicato do Detran alerta: terceirização vai encarecer vistorias