Menu
Busca sexta, 24 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

Mudança no registro de contratos pode aumentar em 400% gastos de proprietários de veículos financiad

02 dezembro 2012 - 11h39Gabriel de Paiva/Agência O Globo

Logo após o julgamento do “mensalão”, poderá entrar em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF) um processo polêmico que, segundo especialistas, vai representar, se aprovado, um aumento significativo — em torno de 400% — nos gastos de quem financia um veículo. O relator do processo é o ministro Marco Aurélio Mello.

O Partido da República (PR) ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) nº 4333 questionando artigos do Novo Código Civil e da Constituição Federal. Esses artigos estabeleceram que “para o aperfeiçoamento dos contratos de alienação fiduciária de veículo automotor, basta a anotação pela repartição de trânsito competente, no certificado de registro que lhe incumbe emitir.”

Ou seja, há dez anos, segundo a legislação, a alienação fiduciária — modalidade de financiamento em que o comprador fica impedido de negociar o bem antes da quitação da dívida, mas pode usufruir dele — pode ser registrada apenas pelo Detran no momento do emplacamento do veículo.

Custo mais alto e maior tempo de espera
Os autores da ação, entretanto, argumentam que as normas atuais “afrontam o artigo 236 da Constituição Federal, que dispõe que os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado, por delegação do Poder Público.”

No entanto, especialistas em direito civil e tributário afirmam que, caso entre em vigor a nova regra, o consumidor terá de arcar com um custo de cartório de aproximadamente R$ 500, enquanto o registro no Detran o valor fica em torno de R$ 100 — um aumento de 400%. Além disso, a operação realizada no cartório demoraria cerca de 15 dias enquanto pelo Detran a documentação seria entregue em 48 horas.

Ameaça de retrocesso
Na avaliação de Júlio Avellar, superintendente da Central de Proteção ao Seguro da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais (CNseg), a proposta representa um retrocesso ao obrigar que os consumidores registrem toda a documentação em cartório. No Rio, a entidade atua junto com o Detran na liberação dos registros de veículos.

— Essa proposta confronta o moderno com o medieval. Até compreendo que em contrato de imóveis seja necessário o registro em cartório, porque podem ser feitas alterações. No caso dos veículos, porém, o financiamento é algo trivial, o contrato não sofre mudanças. O pior é que os consumidores, em sua maioria, não sabem do que está acontecendo, o assunto está passando despercebido. A aprovação dessa ação será um tiro no pé do governo e da sociedade. Afinal, o financiamento é importante para manter o mercado automotivo aquecido — afirma.

O advogado José Alfredo Lion considera que a eventual aprovação da Adin nº 4333 pelo STF trará um “péssimo resultado” para o consumidor.

— Essa ação só beneficia os cartórios. O consumidor terá ônus sem receber nada em troca. Mais uma vez, estará pagando o custo de algo que só interessa a terceiros. E ele tem o direito assegurado de não querer fazer esse registro em cartório — diz Lion, que é especialista em direito civil e tributário.

A Advocacia Geral da União (AGU) já se manifestou nos autos do processo pela constitucionalidade dos artigos questionados pelo autor da Adin. E entende que o registro da forma como é feita atualmente, “tem por escopo, conferir ampla publicidade e eficácia contra todos, evitando prejuízos a terceiros de boa-fé e ainda desonera o contrato, diminuindo, em consequência, o custo do devedor fiduciante.”

Via Estadão

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Em protesto contra a fome, MSTS faz ocupação em prédio de bolsa de valores
Economia
Mega-Sena acumula em R$ 7 milhões, 34 moradores de MS acertaram a quadra
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março
Economia
Pesquisa divulgada pelo Procon mostra variação de preços dos produtos da Csta básica
Economia
Fiems recebe delegação paraguaia para rodada de negócios
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Economia
Auxílio emergencial: nascidos em janeiro recebem 6ª parcela
Economia
Possível calote em empresa chinesa faz bolsas despencarem
Economia
Decreto regulamenta reconhecimento de dívidas da União junto à Caixa
Economia
Trabalhadores nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Vídeo: Corpo seminu encontrado em córrego no Santo Eugênio é de uma mulher
Geral
'Zé Calango' tem mal súbito e morre enquanto pilotava moto
Geral
Corpo é encontrado em córrego perto da rodoviária de Campo Grande
Polícia
Polícia flagra adolescentes de 13 e 17 fazendo programa sexual em bar