Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

'Prévia do PIB' tem expansão de 0,29% no primeiro trimestre de 2014

16 maio 2014 - 11h56Via G1
O nível de atividade da economia brasileira iniciou o ano de 2014 com pequena aceleração, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (16) pelo Banco Central.

O Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br - um indicador criado para tentar antecipar o resultado do PIB pela autoridade monetária - registrou aumento de 0,29% no primeiro trimestre deste ano, sobre os três últimos meses de 2013. Neste caso, a comparação foi feita pelo indicador dessazonalizado.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2013, ainda de acordo com informações do BC, sem ajuste sazonal (considerado mais apropriado, neste caso, por especialistas), o avanço do IBC-Br foi um pouco maior: de 1,56%.

O resultado oficial do PIB do primeiro trimestre será conhecido somente no dia 30 de maio, em divulgação que será feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Resultado de março
Apesar da alta no primeiro trimestre deste ano, os números do IBC-Br, divulgados pelo Banco Central, indicam que a economia brasileira teria desacelerado em março deste ano - quando o indicador teve retração de 0,11% frente ao mês anterior. Em fevereiro, houve pequena expansão de 0,02% (dado revisado) na comparação com o mês anterior. Em janeiro, por sua vez, o indicador avançou 1,47% (dado revisado) - impulsionando o resultado do primeiro trimestre de 2014.

Recessão técnica
Números revisados pelo Banco Central sobre o IBC-Br do ano passado indicam que a economia brasileira poderia ter entrado em recessão técnica no fim de 2013 - fenômeno que se caracteriza por dois trimestres consecutivos de queda do PIB. Entretanto, os números que poderiam "oficializar" a recessão são somente do IBGE - e não do Banco Central.

No quarto trimestre do ano passado, ainda de acordo com a autoridade monetária, o IBC-Br registrou uma retração de 0,04%. Os números mostram ainda que, no terceiro trimestre do ano passado (entre julho e setembro de 2013), a economia brasileira também teria registrado contração - neste caso, de 0,24%.

Resultados do IBC-Br x PIB
O IBC-Br foi criado para tentar ser um "antecedente" do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os últimos resultados do IBC-Br, porém, não têm mostrado proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE.

Em 2012, por exemplo, o IBC-Br mostrou um crescimento de 1,6%. Posteriormente, o resultado oficial do PIB mostrou uma alta menor, de 1%. O mesmo aconteceu no primeiro, no segundo e no terceiro trimestres de 2013. Entre julho e setembro do ano passado, o indicador teve retração de 0,21%, mas o PIB caiu mais – 0,5%.

O Banco Central já avaliou, em 2013, que o IBC-Br não seria uma medida do PIB, mesmo que tenha sido criado para tentar antecipar o resultado, mas apenas "um indicador útil" para o BC e para o setor privado. "Se o IBC-Br acertasse na mosca é que seria surpreendente", afirmou o diretor de Política Econômica da entidade, Carlos Hamilton, no fim de 2012.

IBC-Br
Antes divulgado por estados e por regiões, desde o início do ano passado o indicador passou a ser calculado com abrangência nacional. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, indústria e setor de serviços, além de impostos.

"A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores da economia acrescida dos impostos sobre produtos, que são estimados a partir da evolução da oferta total (produção mais importações)", explicou o Banco Central.

Definição dos juros
O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo Banco Central para definir a taxa básica de juros (Selic) do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, entretanto, os juros básicos estão em 11% ao ano, após nove elevações desde abril do ano passado.

Pelo sistema de metas de inflação que vigora no Brasil, o BC precisa calibrar os juros para atingir as metas preestabelecidas. Para 2014 e 2015, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Desse modo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

A expectativa do mercado financeiro é que os juros básicos da economia sejam mantidos inalterados no atual patamar de 11% ao ano. Isso porque o BC sinalizou, na ata da última reunião do Copom, que poderia interromper o ciclo de alta da Selic, percepção que foi reforçada posteriormente por declarações do presidente da autoridade monetária.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos
Economia
No dia do cliente, Salomão dá dicas para evitar fraudes em promoções
Economia
Financiamento da casa própria terá juros menores, afirma presidente da Caixa
Economia
Decreto antecipa flexibilização de fidelidade à bandeira em postos
Economia
Trabalhadores nascidos em agosto podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono