Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Governo - Feminicidio
Economia

Salário mínimo para 2019 será de R$ 998

Bolsonaro assinou o decreto em seu primeiro dia de mandato

02 janeiro 2019 - 07h21Da Redação com Assessoria

Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado nesta terça-feira (1º) em edição extra do "Diário Oficial da União" fixou o salário mínimo em R$ 998 neste ano. O valor atual é de R$ 954.

Com isso, o valor ficou abaixo da estimativa que constava do orçamento da União, de R$ 1.006. O orçamento foi enviado em agosto do ano passado pelo governo Michel Temer ao Congresso.

O que a equipe econômica do governo Michel Temer dizia é que a inflação de 2018 (um dos fatores que determinam o valor) vai ser menor que o projetado anteriormente - quando foi proposto salário mínimo de R$ 1.006 em 2019.

 

De acordo com informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos (Dieese), o salário mínimo serve de referência para o rendimento de cerca de 48 milhões de trabalhadores no Brasil.

Fórmula do salário mínimo

O reajuste do salário mínimo obedece a uma fórmula que leva em consideração o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes e a variação da inflação, medida pelo INPC, do ano anterior.

Para o salário mínimo de 2019, portanto, a fórmula determina a soma do resultado do PIB de 2017 (alta de 1%) e o INPC de 2018. Como só será possível saber no início do ano que vem a variação do INPC de 2018, o governo usa uma previsão para propor o aumento.

Além da inflação e do resultado do PIB, no reajuste do mínimo de 2019 está embutido uma compensação pelo reajuste autorizado em 2018, de 1,81%, que ficou abaixo da inflação medida pelo INPC. Esse foi o menor aumento em 24 anos.

O ano de 2019 é o último de validade da atual fórmula de correção do mínimo, que começou a valer em 2012. O próximo presidente da República, Jair Bolsonaro, ainda não detalhou qual será sua proposta para o salário mínimo de 2020 em diante.

Impacto nas contas

O reajuste do salário mínimo tem impacto nos gastos do governo. Isso porque os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) aos aposentados não podem ser menores do que um salário mínimo.

A Constituição 1988 estabeleceu o salário mínimo como piso de referência dos benefícios da Seguridade Social - que incluem Previdência, assistência social e o seguro-desemprego.

O governo projeta que cada R$ 1 de aumento no salário mínimo gera um incremento de cerca de R$ 300 milhões ao ano nas despesas do governo.

Segundo cálculos do Dieese, porém, o salário mínimo "necessário" para despesas de uma família de quatro pessoas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, seria de R$ 3.959,98 ao mês em novembro deste ano.

Senar - square junho21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Auxílio Emergencial: nascidos em abril podem sacar 3ª parcela
Economia
Auxílio emergencial: beneficiários do Bolsa Família recebem hoje
Economia
Caixa começa a pagar 3ª parcela do auxílio emergencial a 39 milhões
Economia
Trabalhadores nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Aurora anuncia investimento de R$ 140 milhões em MS
Economia
Comércio gerou de janeiro a abril R$ 987,850 mi de ICMS
Economia
Nascidos em outubro podem sacar 2ª parcela do novo auxílio emergencial
Economia
Auxílio Emergencial: Governo antecipa pagamento da 3ª parcela; veja novas datas
Economia
Nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje

Mais Lidas

Geral
Foi convocado? Agehab divulga lista de beneficiários para ocupação de imóveis
Polícia
Menina de 11 anos era estuprada pelo pai no trajeto da igreja
Polícia
Bandido morre após tentar assaltar policial
Geral
Morta pelo marido, Lindinalva era professora e deixa dois filhos