Menu
Busca quinta, 17 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Torturador de policiais é preso depois de dois anos foragido

Crime ocorreu durante ataque a comunidade indígena em Caarapó, em junho de 2016

13 dezembro 2018 - 15h35Da redação com assessoria

O indígena Leonardo de Souza, da etnia Guarani-Kaiowá, foi preso na manhã ddesta quinta-feira (13) e encaminhado para a Delegacia da Polícia Federal em Dourados. Ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) pelos crimes de tortura, cárcere privado qualificado, roubo qualificado, sequestro, dano qualificado e corrupção de menores.

A prisão preventiva foi solicitada pelo MPF em agosto de 2016, por meio da Força Tarefa Avá Guarani, e determinada pela Justiça Federal no mesmo mês. Desde então, Leonardo é considerado foragido da Justiça.

Os crimes ocorreram durante confronto entre índios e fazendeiros em 12 de junho de 2016 na Fazenda Yvu, em Caarapó. O conflito iniciou após ataque empreendido por mais de 200 fazendeiros em 40 camionetes contra o acampamento indígena Tey Kue. De um grupo de 50 índios, nove ficaram feridos e um morreu. Três policiais militares que foram prestar apoio aos feridos foram mantidos reféns por algumas horas e tiveram armas e veículo apreendidos. A prisão de Leonardo refere-se a este último fato.

Ameaças a testemunhas

O Ministério Público Federal em Dourados recebeu diversas denúncias de ameaças realizadas por Leonardo de Souza a outros indígenas e testemunhas do caso. Segundo consta, Leonardo disse que seus familiares cumpririam as ameaças caso ele fosse preso.

Conflito em Caarapó

As investigações da força-tarefa Avá Guarani iniciaram logo após a morte do indígena Clodioude Aquileu Rodrigues de Souza, alvejado por dois disparos de arma de fogo, um no abdômen e outro no peito. Em 5 de julho de 2016, a Justiça Federal de Dourados deferiu requerimento do MPF e expediu mandados de prisão contra cinco proprietários rurais envolvidos na retirada forçada de indígenas da Fazenda Yvu, em Caarapó (MS), e ainda o indígena preso hoje. Os fazendeiros respondem por formação de milícia armada, homicídio qualificado, tentativa de homicídio qualificado, lesão corporal, dano qualificado e constrangimento ilegal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Votação sobre prisão em 2ª instância ficará para outra semana, diz Toffoli
Justiça
TJ mantém milícia presa e grupo deve seguir para presídio federal em Mossoró
Justiça
Taco com arame farpado vai para perícia
Justiça
Ministro notifica Bolsonaro a explicar acusação de queimadas às ONGs
Justiça
OAB recorre desição do CNJ sobre falta de igualdade entre os magistrados
Justiça
Projeto que agiliza divórcio de vítima de violência é aprovado na Câmara
Justiça
“Ostentação” de gerente da milícia, a preocupação do chefão, conheça o dia a dia do sub mundo
Justiça
AO VIVO – STF retoma discussão que pode mudar os rumos da Lava Jato
Justiça
“Desembargadores de merda”, gritava Jamil Name ao ser preso, diz Gaeco
Justiça
Sérgio Martins apresenta proposta para nova tabela de emolumentos

Mais Lidas

Geral
Vídeo - Léo Santana é barrado na Smart Fit da capital
Política
Sem André, MDB deve minguar em 2020
Polícia
Cansada de agressões, mulher mata e arranca o pênis do marido
Polícia
Homem comete triplo homicídio porque teriam zombado da "coragem" dele