Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
Justiça

OAB recorre decisão do CNJ sobre falta de igualdade entre os magistrados

Conselho julgou improcendente pedido da OAB

05 outubro 2019 - 14h52Sarah Chaves, com informações da assessoria

Em decisão do conselheiro Emmanoel Pereira, ministro do TST, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) julgou improcedente o pedido de providências interposto pela Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Mato Grosso do Sul, alegando constrangimento a advogados nas entradas do Fórum de Campo Grande e do Tribunal Justiça.

Diante do pedido de providências instaurado, o CNJ pediu explicações ao TJMS. Em atendimento, a administração do Tribunal esclareceu que, em conformidade com a Resolução CNJ n. 104/2010, editou a Portaria 401/2012. A norma estabelece medidas de segurança e controle de acesso ao prédio do Tribunal e demais prédios da Justiça e, igualmente por portaria, foram instituídos critérios de segurança para acesso ao Fórum de Campo Grande.

Conforme as normas, o tratamento é igual para todos, ainda que exerçam cargo ou função pública, precisam passar pelo pórtico detector de metais e acondicionar seus telefones celulares, bolsas e pastas e outros pertences na bandeja para serem submetidos ao aparelho de raio-X.

OAB

Em conversa com o JD1 Notícias, o vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS), Gervásio Alves de Oliveira Junior, explica que as medidas de segurança não são exatamente o ponto do questionamento. “O órgão já recorreu, o que nós pedimos é a aplicação do princípio da igualdade entre os magistrados, promotores, juízes e autoridades do judiciário” esclare.

De acordo com Gervásio a igualdade prevista na lei, que não tem sido observada. “Os magistrados tem uma entrada privativa e não passam por revista, o ministério público tem entradas privativas e também não passam por revista, os procuradores de modo geral não passam por revista, na prática quem se submete as medidas de segurança é o cidadão comum e a advocacia” explanou.

Gervásio explica que a proporção da situação é tamanha que a OAB a nível nacional entrou no com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para regularizar a a medida em todos os tribunais. “O ministro do STF, Luiz Barroso recebeu nessa semana a ação e já mandou que ela fosse processada, para concluir ação e o CNJ não ta a cima do supremo”, concluiu o presidente.

 

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça quer diálogo antes de decidir sobre “fechamento”
Justiça
MPF quer que Valdemiro pague indenização por falsa cura do coronavírus com feijões
Justiça
"Fecha ou não fecha", Justiça dá três dias para Marquinhos se posicionar
Justiça
TJ bate recorde em julho
Justiça
Para não "estimular" mais crimes, Justiça mantém condenação por furto de bicicleta
Justiça
Metalfrio é impedida de demissão coletiva sem negociação com sindicato
Justiça
TJ recua e só 'reabre' dia 23 de agosto
Justiça
MP diz que ação conjunta nas ruas já mostra resultados
Justiça
Casal consegue divórcio por Whatsapp no MS
Justiça
Por decisão do STF, contas de bolsonaristas no Twitter são retiradas do ar

Mais Lidas

Polícia
Homem é preso ao ser flagrado com arma roubada de guarda municipal
Esportes
Covid-19: final em Minas é suspensa Uberlândia identificar 13 infectados
Saúde
ERRATA: Enfermeiro luta contra o coronavírus na capital
Cidade
Prefeitura vai prorrogar “Refis da Saúde” até dia 20