Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Opinião

Pedro Marzabal: Profissionais de saúde, invalidez e óbito

Em artigo, advogado de Campo Grande comenta compensação financeira aos profissionais da saúde em caso de invalidez permanente ou aos seus dependentes em caso de óbito

28 abril 2021 - 10h08Pedro Marzabal

A Lei Nº 14.128, publicada no DOU de 26 de março de 2021, instituiu uma compensação financeira para os trabalhadores da saúde, incapacitados permanentemente para o trabalho em decorrência da COVID-19 e para o cônjuge ou companheiro, em caso de óbito.

Esta lei foi aprovada na Câmara dos Deputados, em 2020, juntamente com as demais medidas para enfrentamento dos efeitos econômicos e sociais da COVID-19. Contudo, o presidente Jair Bolsonaro vetou, integralmente, o texto da Lei. Agora, em março de 2021, o Congresso derrubou o veto presidencial e restabeleceu a compensação financeira aos trabalhadores que, em decorrência da COVID-19, ficaram ou venham a ficar com incapacidade permanente para o trabalho ou a seus familiares, em caso de óbito.

Em apertada síntese, seguem os principais esclarecimentos acerca da referida lei:

A QUEM SERÁ PAGA A COMPENSAÇÃO FINANCEIRA?

I) ao profissional ou trabalhador da saúde incapacitado permanentemente para o trabalho em decorrência da Covid-19;
II) ao cônjuge ou companheiro, aos dependentes e aos herdeiros necessários do profissional ou trabalhador de saúde que, falecido em decorrência da Covid-19, tenha trabalhado no atendimento direto aos pacientes acometidos por essa doença, ou realizado visitas domiciliares em razão de suas atribuições, no caso de agentes comunitários de saúde ou de combate a endemias.

QUEM É CONSIDERADO PROFISSIONAL DE SAÚDE PARA EFEITO DE RECEBIMENTO DA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA, EM CASO DE INCAPACIDADE PERMANENTE?

I – Aqueles cujas profissões, de nível superior, são reconhecidas pelo Conselho Nacional de Saúde, além de fisioterapeutas, nutricionistas, assistentes sociais e profissionais que trabalham com testagem nos laboratórios de análises clínicas;

II – Aqueles cujas profissões, de nível técnico ou auxiliar, são vinculadas às áreas de saúde, incluindo os profissionais que trabalham com testagem nos laboratórios de análises clínicas;

III – Os agentes comunitários de saúde e de combate às endemias;

IV – Aqueles que, mesmo não exercendo atividades-fim nas áreas de saúde, auxiliam ou prestam serviço de apoio presencialmente nos estabelecimentos de saúde para a consecução daquelas atividades, no desempenho de atribuições em serviços administrativos, de copa, de lavanderia, de limpeza, de segurança e de condução de ambulâncias, entre outros, além dos trabalhadores dos necrotérios e dos coveiros; e

V – Aqueles cujas profissões, de nível superior, médio e fundamental, são reconhecidas pelo Conselho Nacional de Assistência Social, que atuam no Sistema Único de Assistência Social.

QUAL O VALOR DA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA?

I – 1 (uma) única prestação em valor fixo de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), devida ao profissional ou trabalhador de saúde incapacitado permanentemente para o trabalho ou, em caso de óbito deste, ao seu cônjuge ou companheiro, aos seus dependentes e aos seus herdeiros necessários, sujeita, nesta hipótese, a rateio entre os beneficiários;

II – 1 (uma) única prestação de valor variável devida a cada um dos dependentes menores de 21 (vinte e um) anos, ou 24 (vinte e quatro) anos se cursando curso superior, do profissional ou trabalhador de saúde falecido, cujo valor será calculado mediante a multiplicação da quantia de R$ 10.000,00 (dez mil reais) pelo número de anos inteiros e incompletos que faltarem, para cada um deles, na data do óbito do profissional ou trabalhador de saúde, para atingir a idade de 21 (vinte e um) anos completos, ou 24 (vinte e quatro) anos se cursando curso superior.

QUANDO SERÁ PAGA A COMPENSAÇÃO FINANCEIRA?

O cronograma de pagamento da compensação financeira será definido por Decreto do Presidente da República e/ou por Normativos do Ministério da Economia.

QUEM DEFINIRÁ SOBRE A INCAPACIDADE PERMANENTE?

A incapacidade permanente para o trabalho será submetida à avaliação de perícia médica realizada por servidores integrantes da carreira de Perito Médico Federal. Caso o trabalhador da saúde, incapacitado permanentemente, discorde do resultado da perícia, então, poderá ingressar na justiça.

DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS PARA PAGAMENTO DA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA?

A compensação financeira será garantida com recursos do Tesouro Nacional. Portanto, esta compensação financeira não sairá dos cofres do empregador, seja ele público ou privado.

COMO PROCEDER PARA REQUERER A COMPENSAÇÃO FINANCEIRA?

Os procedimentos necessários para se pleitear a compensação financeira serão definidos por Decreto do Presidente da República e/ou por Normativos do Ministério da Economia. Assim, só será possível requerer a compensação financeira quando houver a regulamentação desta Lei, o que pode ocorrer a qualquer momento.

Registra-se, por fim, que a compensação financeira possui natureza indenizatória e não poderá constituir base de cálculo para a incidência de imposto de renda ou de contribuição previdenciária. Além disso, a compensação não prejudicará o direito ao recebimento de benefícios previdenciários ou assistenciais previstos em lei.

Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
Xico Graziano: A interiorização do desenvolvimento
Opinião
"Apagão Brasileiro"
Opinião
OPINIÃO- CPI DA PANDEMIA: FATOS CONTINUADOS
Opinião
Opinião: Fechar ou não fechar? Eis a questão!
Opinião
OPINIÃO: Desburocratizar, o verbo do momento
Opinião
O sol que vai iluminar as noites de lua do Pantanal

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio