Menu
Busca sábado, 25 de março de 2023
(67) 99647-9098
TJMS - Mar23
Opinião

Tirar WhatsApp do ar e queimar pneus na estrada. Tudo a ver

05 maio 2016 - 16h48Percival Puggina (*)

Todas as organizações extremistas são, por natureza, totalitárias. Convencidas de estarem fazendo a coisa certa em vista da causa e de seus fins, reagem violentamente quando contrariadas. Sabem que nessas ações e reações acabam prejudicando pessoas que nada tem a ver com o caso, mas isso pouco importa. É preciso quebrar as vitrines para chamar atenção, derrubar a cerca para haver reforma agrária, pichar parede alheia para ser visto.

As mobilizações contra o impeachment da presidente Dilma têm proporcionado abundantes exemplos disso. Foram antecedidas por reiteradas advertências do "general" João Pedro (quebra-quebra) Stédile sobre os raios e trovões que faria desabar no país caso prosperasse o processo contra a mandatária credora de sua admiração e afeto. Não deixou por menos o senhor Aristides Santos, secretário da Contag, em comício realizado no Palácio do Planalto, quando prometeu à presidente da República que sua turma iria invadir gabinetes e moradias dos deputados favoráveis ao impeachment. Ambos ameaçavam a nação com práticas prepotentes e imoderadas, de desrespeito à lei e à ordem. O direito alheio não é nem pode ser empecilho aos objetivos perseguidos pelos portadores de tais enfermidades políticas. Seu querer revolucionário não admite obstáculos. As revoluções fazem as próprias leis. Por bem ou por mal. Pergunto: não prometeu o senhor Mauro Iasi a seus adversários, repetindo Brecht, sob delirantes aplausos do auditório do CSP Conlutas, um bom paredão, uma boa bala e uma boa cova? Pois é.

Foi por isso que há bem poucos dias, em diferentes pontos do país, uns poucos gatos pingados queimaram pneus nas estradas bloqueando por longas horas o transporte rodoviário. Com mais pneus ardendo do que manifestantes para segurar a pressão, atrapalharam a vida de multidões paralisadas no meio do caminho, sem água nem alimento, causando inestimáveis prejuízos. "Sim, é isso mesmo, e daí?", responderiam os admiradores da presidente se indagados sobre as consequências do que faziam.

"Sim, é isso mesmo, e daí?", talvez seja a resposta do juiz Marcel Montalvão, de Lagarto (SE), se inquirido sobre os efeitos de sua ordem na vida de milhões de pessoas. O magistrado, como se sabe, mandou as operadoras TIM, Claro, Oi, Vivo e Nextel bloquearem o aplicativo Whatsapp por 72 horas como punição por descumprimento de alguma determinação que dera. Então, fica assim: do elenco de sanções possíveis, Sua Excelência escolheu essa. Queimou pneus na estrada cibernética, atrapalhando em todo o país, abrangente e indistintamente, comunicações pessoais, sociais e negócios. A caneta da autoridade, por dentro da lei, pode afetar direito alheio tanto quanto a ação de extremistas por fora da lei.  

 

(*) Percival Puggina é membro da Academia Rio-Grandense de Letras, arquiteto, empresário e escritor

Estação Criança

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
OPINIÃO: Igualdade de gênero ou utopia?
Opinião
OPINIÃO: Direito de propriedade, próximo desafio de Lula
Opinião
OPINIÃO: As possíveis consequências do PL que visa a alteração da lei de violência doméstica
Opinião
OPINIÃO - Chuvas: Tragédia repetida e previsível
Opinião
OPINIÃO: Prints de conversa no Whatsapp tem validade em processos criminais?
Opinião
OPINIÃO: Sobre a construção do Palácio da Justiça do TJMS
Opinião
OPINIÃO: Os egos enlouquecidos
Opinião
OPINIÃO: Expectativa e Realidade
Opinião
OPINIÃO: Ah!! A Política!!!

Mais Lidas

Polícia
Motorista de aplicativo é encontrado morto com bilhete ao lado do corpo
Geral
JD1TV: Corda de bungee jump arrebenta durante salto de 30 metros de altura
Polícia
Moto é apreendida com mais de R$ 50 mil em multas no Jardim Carioca
Interior
Professor suspeito de assediar alunas é denunciado pelo Ministério Público em MS