Menu
Busca segunda, 13 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Política

"Direitos devem valer para todos”, Coronel David sobre prisão de blogueiro

Deputado alertou que os acusados até o momento não sabem do que estão sendo acusados

30 junho 2020 - 16h35Da redação, com informações da assessoria

O deputado estadual Coronel David (Sem Partido) fez o uso da palavra na manhã desta terça-feira (30), durante a sessão remota da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems) para defender a liberdade de imprensa como um todo, e não somente para jornalistas da esquerda, como aconteceu no caso da prisão do jornalista Oswaldo Eustáquio.  

“Nós temos uma tríade de princípios, que é o estado-juiz, o estado-acusador, e o estado-defensor, tudo isso fazendo parte do estado democrático de direito e se assenta no devido processo legal, com o devido contraditório, com a devida ampla defesa. Eu não tenho dúvida de que quem julga é o juiz, quem acusa é o Ministério Público, e quem defende ou é a Defensoria Pública, ou a defesa do interessado, tudo isso está definido na nossa Constituição Federal, porém, com muita tristeza, a gente vê que nenhum desses princípios foram seguidos pelo Supremo Tribunal Federal na condução do inquérito das Fake News”, explicou durante sua abordagem sobre o assunto.  

Ainda conforme o parlamentar, o inquérito foi instaurado por ordem do presidente da corte, o Ministro Dias Toffoli e designado ao Ministro Alexandre de Moraes como condutor do inquérito, e ao mesmo tempo ele é o juiz que toma todas as decisões referentes a esse processo.

“Por isso, reitero que também aprendi que quem pode iniciar investigação de ofício é autoridade policial, ou a requerimento do Ministério Público, ou a pedido da parte interessada, e isso quem faz é a polícia judiciária, dos estados que é a Polícia Civil, e da união, que é a Polícia Federal. Vejo ainda que esse inquérito, cujo número é 4781 e que tramita no Supremo Tribunal Federal sob segredo de justiça, é um descalabro no meio jurídico. Lamento o silêncio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), sempre tão zelosa em alguns assuntos que lhes dizem respeito e, nesse caso em específico do inquérito das Fake News, o órgão simplesmente tomou só uma providência, entrou com um Habeas Corpus para ter direito aos autos desse inquérito e conseguiu, pois o pedido foi deferido pelo Alexandre Moraes, só que depois houve um silêncio absoluto”, lembrou. 

David alertou que os acusados até o momento não sabem do que estão sendo acusados. “É um absurdo, foi nesse inquérito que ocorreu a prisão do jornalista Oswaldo Eustáquio, preso aqui em Campo Grande, na sexta-feira, pela Polícia Federal. Eu estive ontem (29), com o jornalista. Ele me disse que no momento da prisão, os agentes tiveram a preocupação de conseguir pegar o celular dele de forma aberta, certamente para atender a ordem judicial para poder ter acesso a tudo que tinha no celular do jornalista”, relatou.

E complementou dizendo que “nota-se, nesse caso da prisão do jornalista, que a Associação Brasileira de Imprensa, e a Federação Nacional de Jornalista (FENAJ), não falaram nada até agora. Fatalmente que tendo acesso aos dados contidos no celular que foi apreendido as autoridades tomarão conhecimento de quem era a fonte do jornalista, e que teria fornecida a informação divulgada por ele denunciar a participação da esposa do Ministro Alexandre de Moraes em uma questão supostamente irregular”.

Prisão do blogueiro

O blogueiro Oswaldo Eustáquio foi preso pela Polícia Federal na última sexta-feira (26), em Campo Grande. A operação que culminou com a captura do suspeito é um desdobramento do inquérito que apura o financiamento de atos antidemocráticos no Brasil.

A suspeita é de que o canal que ele mantém na internet recebe recursos indevidos. Essa foi a setima prisão desde o início da investigação.

Eustáquio, que é ligado a Sara Winter. De acordo com reportagem da CNN Brasil, havia informação de que o jornalista estaria em Ponta Porã, na fronteira do Brasil com o Paraguai, e havia risco de fuga.

Este é um novo mandado de prisão decretado pelo Supremo Tribunal Federal. O inquérito é comandado pela Procuradoria Geral da República.

Segundo as investigações, Oswaldo Eustáquio defende de forma oblíqua a ruptura institucional.

 

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus
Política
Paulo Corrêa testa positivo para coronavírus

Mais Lidas

Brasil
Estudante picado por naja no DF tem melhora no quadro de saúde
Cultura
Almir Sater promove Live Pantaneiros do Bem
Geral
Jovem morre após ser arremessada de veículo durante acidente
Polícia
Polícia impede furto em agência bancária do interior