Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Política

Laerte Tetila tem direitos políticos suspensos

09 novembro 2010 - 15h38
Deputado estadual eleito, Laerte Tetila teve seus direitos políticos suspensos ontem pelo juiz José Carlos de Souza, da segunda vara civil de Dourados. De acordo com o site Dourados News, a ação que culminou na decisão judicial foi iniciada pelo Ministério Público Estadual em 2009 referindo-se a decisões administrativas tomadas em 2001, durante o mandato de Tetila como prefeito de Dourados, relacionadas à contratação de mão-de-obra através de cooperativas. A Justiça determinou que, além de perder a função pública ele também terá a suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos. Tetila foi eleito deputado estadual na eleição deste ano. O ex-prefeito deverá pagar ainda, conforme decisão do juiz, multa de 100 vezes o último salário de quando era prefeito e ressarcir integralmente eventual dano causado aos cofres públicos. A ação cabe recurso no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Fonte: Capital News
Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
“Caso de polícia”, diz Fábio sobre fake news de lockdown na capital
Política
Capital: Câmara testa plataforma de sessão remota nesta quarta
Política
Câmara aprova projeto de proteção às mulheres em bares e casas noturnas
Política
Paulo Corrêa se recupera do coronavírus e retoma atividades na Assembleia
Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas

Mais Lidas

Polícia
“Encontraram o monstro”, diz primo de Carla sobre assassino
Polícia
Ex-patroa é denunciada por abandono de incapaz que resultou em morte
Saúde
MP solicita inspeção em frigoríficos no interior
Polícia
Comerciante foi morta porque reconheceu voz de ex-funcionário, diz investigação