Menu
Busca quarta, 11 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
Política

Transtornos mentais atingiram mais de mil servidores em 4 anos

Projeto de Lei visa a expandir Programa de Saúde Mental para policiais e bombeiros

02 julho 2019 - 17h31Rauster Campitelli

Mais de mil servidores estaduais relataram sofrer de transtornos mentais - tais como problemas psicológicos, ansiedade, entre outros que podem desencadear em suicídio - nos últimos quatro anos. Esta semana, o tenente-coronel da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, Oeliton Santana de Figueiredo, de 44 anos, tirou a própria vida, em Campo Grande. Evitar casos como este é um dos objetivos de um projeto de Lei do deputado estadual Felipe Orro.

Apresentado na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (25), o projeto estende o Programa Estadual de Saúde Mental oferecido aos servidores penitenciários e aos policiais (civis e militares) e bombeiros. “Essas pessoas trabalham sob uma pressão danada, uma pressão da sociedade, uma pressão da família. Eles saem de casa armados para cumprir uma missão ou prender alguém e não sabem se voltam. É uma série de fatores que levam esses profissionais a terem um trabalho diferenciado”, comenta Orro.

Uma vez que grande parte dos policiais disse a psicólogos, por meio de pesquisa, que já pensaram em tirar a própria vida, o objetivo é oferecer um atendimento com foco na prevenção.  “Dar atendimento antes que a pessoa tenha uma depressão profunda e [o quadro] se torne irreversível. Isso vai ser bom para o policial, vai ser bom para o bombeiro e vai ser melhor ainda para toda a sociedade”, explica o deputado.

A proposta de Orro pretende alterar a atual Lei 2.805/2004, que estabelece o Programa de prevenção e assistência à saúde mental apenas aos servidores penitenciários das áreas de Segurança e Custódia, de Assistência e Perícia, e do Apoio Operacional do Sistema Penitenciário do Estado.

Está garantida aos acometidos de transtornos mentais, conforme o Programa, a atenção mediante assistência ambulatorial, domiciliar e internação em tempo parcial, de modo a evitar ou reduzir a internação hospitalar duradoura ou em tempo integral, entre outras ações.

Após o diagnóstico, o servidor deverá ser informado quanto aos procedimentos terapêuticos e terá direito ao tratamento em ambiente menos restritivo possível, administrado somente com seu consentimento ou por meio de acompanhamento familiar.

A proposta segue em tramitação na CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) para análise e segue para votação em plenário somente após aprovação.

PMCG - Cidade do Natal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Beto Pereira é o novo líder do PSDB na Câmara Federal
Política
Senado: CCJ aprova anticrime e prisão em segunda instância
Política
“Aprovado” nas redes sociais, fundo eleitoral ainda não foi a plenário
Política
Dagoberto chama manifestante de "maluco" e diz que projeto ainda não foi votado
Política
Coronel David cobra a nomeação de 258 policias penais para MS
Política
Prisão administrativa para PMs e Bombeiros poderá ser extinta
Política
Bolsonaro diz que seu governo honra militares e respeita o povo
Política
Governo prevê ampliar cobertura do Bolsa Família
Política
Bolsonaro publica revogação de decisão que excluía atividades de MEI
Política
Brasil e Paraguai terão livre comércio de automóveis

Mais Lidas

Polícia
Após servir águar a suspeito, homem leva paulada no rosto e é furtado
Polícia
DOF prende traficante que furou bloqueio com 326kg de maconha
Geral
EMHA agora é Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários
Geral
Contribuintes que pagarem o IPVA à vista terão até 15% de desconto