Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(67) 99647-9098
Sesi_protocolo de atendimento
Economia

Mercadão e Camelódromo lotam de consumidores

24 dezembro 2011 - 14h15Pedro Peralta

Mercadão Municipal e Camelódromo. Dois centros de compras considerados populares e que ficam fora do ‘Centrão’ registraram movimento intenso de consumidores na manhã deste sábado (24), véspera de Natal, em Campo Grande.

Um retrato disso é o congestionamento que se formou em boa parte da manhã na rua 15 de Novembro, que divide os dois centros de compras. A fila de veículos alcançava e até bloqueava o cruzamento com a avenida Calógeras.

O administrador do Mercadão, Daniel Amaral, afirmou que aproximadamente 5,8 mil pessoas fizeram compras no estabelecimento nesta manhã. O índice foi o maior registrado neste fim de ano.

"O pessoal compra bastante carne aqui. Hoje, por exemplo, acabou a carne, foi reabastecido e já está acabando de novo", relatou Amaral, listando ainda legumes, farinha e queijo na lista de produtos mais vendidos.

Em geral, os consumidores foram até o Mercadão para comprar produtos para a ceia natalina. A gerente administrativo, Eneida Rodrigues, 48 anos, por exemplo, saiu com a sacola carregada de pernil e costela para assar. "Aqui, a carne é de qualidade", justificou.

A dona de casa Maria de Lourdes, de 79 anos, foi só comprar uns doces para a sobremesa. "Paguei só R$ 2,50", afirmou Maria, que terá costelinha, salada, laranja e banana na ceia.

Centro popular? Há quem reclama do preço alto. É o caso da dona de casa Nice Morais, de 49 anos. "São produtos de primeira, mas estão muito caros", lamentou a freguesa de vários anos do Mercadão.

O pintor Paulo Sérgio Silva dos Santos, 45 anos, comprou presentes no Camelódromo e atravessou a rua só para comer. "Agora está tudo certo, é só comer e ir embora".

Por falar em Camelódromo, os corredores do centro de compras estavam abarrotados de pessoas, muitas delas reclamando da dificuldade em andar lá dentro.

O encarregado Nilton Alves de 35 anos, enfatizou rapidamente as vantagens de comprar os brinquedos e sapatos que levava na sacola. "Aqui é mais barato, eu acho de tudo aqui".

Opinião também da artesã Eveline Olive, de 27 anos, carregada bolsas e brinquedos para familiares e amigos. "Porque tem o preço melhor, tem mais variedade e é mais fácil de negociar preço".

Alguns dos vendedores dos boxes estão rindo a toa com as vendas. Exemplo é Sérgio Campos, dono de uma banca que vende brinquedos. "As vendas superaram expectativa, teve aumento de 10% em relação ao fim do ano passado. O ‘point’ é a venda de skates, patins e patinetes", complementou.

Outros comerciantes do centro de compras não estão tão felizes com as vendas. "Foi o pior Natal. O povo só está andando em vez de gastar", reclamou Francisco Silva, dono de uma loja de eletrônicos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Veja quem são os beneficiário que recebem parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Caixa libera saques do auxílio emergencial para nascidos em junho
Economia
Nascidos em fevereiro recebem auxílio emergencial nesta segunda
Economia
Caixa faz novo pagamento do auxílio emergencial neste domingo
Economia
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 75 milhões neste sábado
Economia
Com novo sistema, apostas nas lotéricas podem ser pagas com Pix
Economia
Veja quem são os beneficiários que recebem auxílio nesta sexta
Economia
MS impulsionará retomada da economia
Economia
Caixa paga 3ª parcela do auxílio para beneficiários do Bolsa Família
Economia
Mega-Sena sorteia hoje prêmio acumulado de R$ 50 milhões

Mais Lidas

Cidade
Campanha une artistas e empresários contra toque de recolher
Brasil
Presidente da Fundação Palmares chama homem espancado até a morte de "marginal"
Polícia
Menor tenta acobertar colegas em boca de fumo, mas dois são presos
Geral
Começa hoje: Black Friday do Cinemark tem ingressos a R$ 5 e pipoca em dobro