Menu
Menu
Busca sexta, 12 de julho de 2024
Secovi - Julho24
Economia

MP do Pis/Cofins quebra segurança jurídica e "mata" agronegócio

Publicada essa semana, medida barra compensações de PIS/Cofins, que valiam até "ontem"

06 junho 2024 - 15h51Vinícius Santos    atualizado em 06/06/2024 às 16h54

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) criticou a Medida Provisória 1.227, editada em 4 de junho de 2024 pelo governo federal. A medida limita a compensação de créditos de PIS/Cofins de forma geral e de créditos presumidos de PIS/Cofins não ressarcíveis para bancar a desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da economia e municípios neste ano e pode trazer impactos na indústria em Mato Grosso do Sul.

Alvaro Lanza, proprietário da Gold Grãos, relatou os impactos da medida em entrevista ao JD1 Notícias. De acordo com ele, a medida traz dificuldades para todos os macros setores, mas os setores que mais estão sendo afetados são o do agro, o de combustível e o de medicamento.

Lanza explica que, com a medida as industriais exportadoras limitadas a partir da nova MP que equilibrava as cargas tributárias na distribuição do PIS e COFINS. será impactado também diretamente nas culturas plantadas pelo produtor rural que teram perdas significativas no preço das suas commodities “soja” e “milho”, na formulação de preço um saco de soja de R$ 100 passará a custar em torno de R$ 97 com R$ 3 ficará em impostos na nova composição . Isso prejudica ainda mais o produtor rural, que já enfrenta desafios como o clima, o preço das commodities, juros abusivos e o mercado financeiro.

"O produtor rural é o elo mais forte na cadeia pois é a partir da agricultura é que tudo começa, e também é ele que vem sendo o mais prejudicado nessa decisão. Se o produtor não vai bem, nada vai vem. Afeta instituições financeiras, revendas, cooperativas, trades, assim como todo o pequeno comercio e mão de obra, desencadeando o desemprego e a alta de inflação", enfatiza Lanza.

Ele explica que a medida aumenta a carga tributária dos produtores rurais, o que pode levar à queda na produção e na renda do setor. Também citou outros desafios já enfrentados, como condições climáticas adversas, oscilações nos preços das commodities e pressões do mercado financeiro.

Segundo a CNI, a alternativa escolhida prejudica a competitividade e os investimentos da indústria brasileira, que já está sobretaxada. O dispositivo prevê a limitação ao uso de créditos do PIS e da Cofins para o abatimento de outros tributos e a vedação ao ressarcimento em dinheiro do crédito presumido, o que pode gerar um aumento de arrecadação de R$ 29,2 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica do governo.

A medida também deve enfrentar uma batalha no Congresso e na Justiça, com setores afetados já se movimentando para barrar a iniciativa e tributaristas mapeando pontos que podem ser alvo de questionamento nos tribunais. A CNI tomará todas as medidas jurídicas para contestar os termos da MP 1.227, que causa perdas estimadas de R$ 29,2 bilhões ao setor industrial.

A CNI estima que o impacto negativo na indústria seja de R$ 29,2 bilhões nos sete meses de sua vigência em 2024. Em 2025, o impacto negativo da MP deve chegar a R$ 60,8 bilhões. 

Outro ponto de preocupação da CNI é que, com a publicação da Medida Provisória, as empresas terão que revisar o seu planejamento econômico e financeiro de 2024, que já está em curso. A restrição ao aproveitamento dos créditos de PIS/Cofins, assim como o não ressarcimento de saldo credor oriundo de crédito presumido de PIS/Cofins, produzem efeitos de imediato, o que gera grave insegurança jurídica ao ambiente de negócios no Brasil.

Tentamos contato com a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) para entender os impactos da medida no estado, mas até o fechamento desta reportagem não houve retorno.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dólar tem queda e encerra a semana a R$ 5,43
Economia
Dólar tem queda e encerra a semana a R$ 5,43
Divulgação -
Justiça
TJMS dá aval para projeto que muda regras de custas em ações de honorários
Setor de celulose projeta expansão com quatro novas fábricas em MS até 2032
Economia
Setor de celulose projeta expansão com quatro novas fábricas em MS até 2032
Pix bate novo recorde de transações
Economia
Pix bate novo recorde de transações
Dólar registra alta e encerra o dia cotado a R$ 5,47
Economia
Dólar registra alta e encerra o dia cotado a R$ 5,47
Celulose puxaram a balança comercial de Mato Grosso do Sul
Economia
Soja e celulose: Exportações de MS superam a marca de 5 bilhões de dólares no ano
Petrobras anuncia aumento nos preços da gasolina e do gás de cozinha
Economia
Petrobras anuncia aumento nos preços da gasolina e do gás de cozinha
Aceita em dinheiro? Bancos brasileiros enfrentam instabilidade nesta sexta-feira
Economia
Aceita em dinheiro? Bancos brasileiros enfrentam instabilidade nesta sexta-feira
Índice de famílias endividadas cresce 1,2% em um mês na Capital
Economia
Índice de famílias endividadas cresce 1,2% em um mês na Capital
BC aprova novas normas que viabilizam o pagamento Pix por aproximação
Economia
BC aprova novas normas que viabilizam o pagamento Pix por aproximação

Mais Lidas

Tempo amanheceu nublado e característico de frio
Clima
Nova frente fria desembarca em MS trazendo ainda mais instabilidade
O caso foi registrado na Depac Cepol em Campo Grande
Justiça
Juiz determina que Cepol receba flagrantes de tráfico de drogas
Caso foi registrado na Depac Cepol, em Campo Grande
Polícia
Jovem denuncia ameaças sobre cobranças e agiota é preso em Campo Grande
Clima ficará ameno com a passagem da frente fria
Clima
Frio se mantém mesmo com máximas voltando a subir em MS nesta quinta-feira