Menu
Busca quarta, 28 de setembro de 2022
(67) 99647-9098
TJMS setembro22
Economia

Receita dos serviços cresce 6,8% em março, diz IBGE

20 maio 2014 - 10h59Via G1
O setor de serviços registrou crescimento nominal de 6,8% em março na comparação com igual mês do ano anterior. O aumento ficou abaixo do registrado nos meses de fevereiro (10,1% - dado revisado) e janeiro (9,2%), de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O avanço de março foi o terceiro menor desde o início da série, em janeiro de 2012. No ano e em 12 meses, o crescimento ficou em 8,7%.

Os serviços prestados às famílias registraram crescimento de 10%; os serviços de informação e comunicação, de 4,4%; os serviços profissionais, administrativos e complementares, de 8,8%; transportes, serviços auxiliares dos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, de 8,0%; e outros serviços, de 3,3%.

No segmento que teve a maior alta, do serviço prestado às famílias, os destaques ficaram com serviços de alojamento e alimentação (10,2%) e outros serviços prestados às famílias (8,8%).

“Apesar da queda [taxa menor em relação ao mês anterior], os serviços prestados às famílias estão no patamar que pode ser considerado bom. O acumulado está dando patamar entre 12%”, afirmou Roberto Saldanha, do IBGE.

“Na telecomunicação, tivemos crescimento bem baixo. Cresceu muito pouco e nos serviços audiovisuais e agências de notícias, o crescimento foi bem menor. Isso porque muitas empresas de edição de livros e material didático tiveram essa redução no faturamento em função da própria sazonalidade. Elas trabalham com encomendas de governos e elas começam a serem feitas desde novembro do ano anterior”, disse Saldanha.

Como os segmentos de serviços de informação e comunicação e de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio representam os maiores pesos no cálculo do indicador, acabaram exercendo pressão para que o crescimento do setor, em março, se situasse em um patamar inferior aos dos meses anteriores.

Na análise regional, todos os estados apresentaram variação nominal positiva, com as maiores taxas partindo do Mato Grosso (20,4%), do Distrito Federal (20,3%), do Acre (15,1%) e da Paraíba (11,5%). As menores taxas foram registradas em Rondônia e Piauí, ambas com 0,7%, Roraima (1,2%), Sergipe (1,3%) e Tocantins (2,0%).

Como é a pesquisa
Segundo o IBGE, a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Petrobras reduz querosene de aviação em 0,84%
Economia
Beneficiários com NIS final 8 recebem auxílio Brasil nesta quarta-feira
Educação
Prouni: Inscrições na lista de espera encerram hoje
Economia
Auxílio Brasil é pago nesta terça-feira a beneficiários com NIS final 7
Economia
Café com Negócios terá palestra de Caio Camargo sobre o varejo
Economia
Auxílios Caminhoneiro e Taxista são pagos neste sábado
Economia
Auxílio Brasil: Beneficiários com NIS final 6 recebem hoje
Economia
Imposto de Renda: Receita libera consulta do último lote de restituição
Economia
Mais de 1 milhão de declarações de Imposto de Renda caem na malha fina
Economia
Petrobras anuncia queda de 6% no preço do gás de cozinha

Mais Lidas

Política
Pesquisa Ranking mostra Riedel perto do segundo turno
Polícia
JD1TV: Homem morre após se despedir da esposa e jogar carro em córrego na BR-163
Interior
Campo-grandense com carga de cigarros na fronteira morre em confronto com a PM
Cidade
Após episódio de 'traição', amante de candidato se diz abalada e passará por IML