Menu
Busca quinta, 20 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Educação

Em 12 anos, faturamento de livros diminui 25%

A informação é da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe)

03 junho 2019 - 07h15Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

O faturamento do setor editorial brasileiro diminuiu 25% no período entre  2006 e 2018, segundo uma série de levantamentos feitos pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O dado contabiliza as vendas para o mercado em geral e também pelo governo, com livros didáticos.

O estudo, contratado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), mostra que houve crescimento do número de livros vendidos entre 2006 e 2014, mas após o início da recessão econômica, observa-se uma queda acentuada da venda e piora dos resultados.

Em 2006, o setor faturou R$ 6,788 bilhões. Em 2018, o valor foi de R$ 5,119 bilhões. Nesse período, o preço médio dos livros diminuiu 34%. A queda do preço impactou na redução do faturamento do setor.

A economista Mariana Bueno, responsável pela pesquisa diz que “mesmo quando a economia estava crescendo, nos anos de 2009 e 2010, a venda de livros não tirou proveito”, analisa.

Segundo ela, “nenhum país que observamos teve queda tão expressiva”, disse ao comparar o desempenho da venda de livros com a Colômbia, México, Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

A especialista assinala que além da conhecida falta de hábito de leitura do brasileiro, os índices negativos ocorrem em momento de expansão de novas tecnologias e serviços como redes sociais, streaming e acesso ao celular. “Tudo isso concorre com o tempo de atenção que poderia ser dedicado ao livro”, ponderou Bueno.

A avaliação da Fipe, disponível na internet, indica que o subsetor de obras gerais chegou a perder 45% do faturamento no mercado (não considerando compras governamentais).

O segundo pior desempenho foi do subsetor de livros científicos, técnicos e profissionais (queda de 36%); seguido do subsetor de livros didáticos (descida de 23%). O subsetor de livros religiosos teve a menor redução no faturamento (-4%).

Observando apenas o período recessivo e de baixo crescimento (2014 a 2018), a queda de faturamento do subsetor de livros científicos, técnicos e profissionais foi de 45%. De acordo com Mariana Bueno, uma hipótese para esta diminuição é a redução de estudantes nos cursos superiores.

Prefeitura prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
Sisu convoca candidatos aprovados na lista de espera
Educação
IFMS abre 90 vagas para especialização em docência; confira
Educação
Analfabetismo cai entre 2016 e 2018 para 6,8% no Brasil
Educação
ProUni deve divulgar resultado da 1ª chamada nesta terça-feira
Educação
Prazo de matrícula do Sisu termina nesta segunda-feira
Educação
Extrato de pagamento do Bolsa Família terá alerta sobre trabalho infantil
Educação
Inscrições do ProUni encerram nesta sexta-feira
Educação
Selecionados no Sisu podem fazer matrícula a partir desta quarta
Educação
Em Brasília, estudantes de MS conquistam prêmio Cineastas 360º
Educação
UFGD tem nova reitora

Mais Lidas

Cidade
Confira a lista de habilitados para sorteio de unidades habitacionais na capital
Cidade
Campo-grandenses se unem e ajudam família que caiu em golpe da falsa encomenda
Polícia
Pai mata filho de 7 anos após convencê-lo de que brincariam juntos
Polícia
Vídeo: Homem é executado por pistoleiros em oficina