Menu
Busca sexta, 10 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Geral

Governador e professores discutem implantação do piso salarial

16 março 2011 - 20h06
Em reunião a portas fechadas, esta tarde, professores da rede estadual de ensino discutiram com o governador André Puccinelli a proposta de política salarial, plano de cargos e carreiras. A reivindicação é pelo piso e a criação da política salarial do atual governo. A categoria cobra a implantação nos próximos três anos e que a eleição para diretores seja direta já no mês de maio. Para que o governo acate as reivindicações da categoria, professores fizeram paralisação hoje, data em que a Lei do Piso completa três anos. “Não delego secretários para ouvir reivindicações, eu vim aqui para escutá-los”, ressalta o governador André Puccinelli antes da reunião, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo. Para o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, a discussão deve ser produtiva. “Queremos definir o índice de reajuste até 2013, com piso salarial e carga horária de 20 horas”, explica o diretor. A categoria espera ansiosa que o resultado do julgamento da Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4167 , marcada para amanhã, no Supremo Tribunal Federal, seja a favor dos professores. A Ação foi ajuizada em 2008, para impedir a implantação da Lei do Piso, que institui o piso salarial de R$ 950 e jornada máxima de 40 horas semanais, com limite de 2/3 de carga horária para atividades em sala de aula e 1/3 para planejamento. O governo de Mato Grosso do Sul foi um dos estados que ajuizou a Ação, junto com Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Ceará e com apoio dos governadores de São Paulo, Minas Gerais, Tocantins, Roraima e do Distrito Federal. Na reunião, Puccinelli foi categórico em afirmar que é contra a destinação de 1/3 da carga horária para o planejamento dos professores. “Eu fui o primeiro a instituir o piso salarial, mas quanto a carga horária escolar, sou contra”, fala. Para o presidente da ACP (Associação Campo- Grandense dos Professores), Geraldo Alves Gonçalves, o objetivo da reunião é discutir o que não foi atendido. “O governo não ouviu as reivindicações da categoria para 2011 e queremos discutir isso hoje”, resume. Uma das brigas da Fetems é para que os profissionais possam ter a carga horária para planejamento, fora da sala de aula. O que para o governo significa contratar mais professores para a rede estadual. Fonte: CG News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Para Riedel, isolamento ruim em MS é "preocupante"
Geral
Casa da Mulher Brasileira repudia discurso do delegado Wellington
Geral
Frota de ônibus será reduzida na capital nos feriados de Páscoa
Geral
Economia assusta mais que pandemia, diz pesquisa Ranking
Geral
Pagode ou Sertanejo? Lives de Bruno e Marrone e Péricles animam o "Fique em Casa"
Geral
Crivella decreta estado de calamidade pública no Rio
Geral
Vídeo - Marília Mendonça agradece "trabalho incrível" de Mandetta em live
Geral
Atenção: Links falsos do auxílio emergencial chegam a 6,7 milhões de brasileiros
Geral
Reinaldo pede consciência para vencer a pandemia mais rápido
Geral
Escritor Olavo diz que Mandetta deveria ser preso por esconder cura para coronavírus

Mais Lidas

Saúde
Coronavírus - 19% a 35% dos casos apresentam dificuldade respiratória
Polícia
Veículo roubado é recuperado com 104 quilos de maconha no interior
Cidade
Guarda Municipal fecha 31 estabelecimentos por descumprir toque de recolher
Brasil
Brasil contabiliza 18.397 infectados e 974 mortos por coronavírus