Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Geral

Governador e professores discutem implantação do piso salarial

16 março 2011 - 20h06
Em reunião a portas fechadas, esta tarde, professores da rede estadual de ensino discutiram com o governador André Puccinelli a proposta de política salarial, plano de cargos e carreiras. A reivindicação é pelo piso e a criação da política salarial do atual governo. A categoria cobra a implantação nos próximos três anos e que a eleição para diretores seja direta já no mês de maio. Para que o governo acate as reivindicações da categoria, professores fizeram paralisação hoje, data em que a Lei do Piso completa três anos. “Não delego secretários para ouvir reivindicações, eu vim aqui para escutá-los”, ressalta o governador André Puccinelli antes da reunião, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo. Para o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, a discussão deve ser produtiva. “Queremos definir o índice de reajuste até 2013, com piso salarial e carga horária de 20 horas”, explica o diretor. A categoria espera ansiosa que o resultado do julgamento da Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4167 , marcada para amanhã, no Supremo Tribunal Federal, seja a favor dos professores. A Ação foi ajuizada em 2008, para impedir a implantação da Lei do Piso, que institui o piso salarial de R$ 950 e jornada máxima de 40 horas semanais, com limite de 2/3 de carga horária para atividades em sala de aula e 1/3 para planejamento. O governo de Mato Grosso do Sul foi um dos estados que ajuizou a Ação, junto com Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Ceará e com apoio dos governadores de São Paulo, Minas Gerais, Tocantins, Roraima e do Distrito Federal. Na reunião, Puccinelli foi categórico em afirmar que é contra a destinação de 1/3 da carga horária para o planejamento dos professores. “Eu fui o primeiro a instituir o piso salarial, mas quanto a carga horária escolar, sou contra”, fala. Para o presidente da ACP (Associação Campo- Grandense dos Professores), Geraldo Alves Gonçalves, o objetivo da reunião é discutir o que não foi atendido. “O governo não ouviu as reivindicações da categoria para 2011 e queremos discutir isso hoje”, resume. Uma das brigas da Fetems é para que os profissionais possam ter a carga horária para planejamento, fora da sala de aula. O que para o governo significa contratar mais professores para a rede estadual. Fonte: CG News
Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo - Energisa terá até helicóptero para possível vendaval
Geral
Vídeo - "Seremos eficientes", garante Marquinhos sobre vendaval
Geral
Ministro do TSE fala sobre confiabilidade de urnas eletrônicas ao JD1 Notícias
Geral
Pfizer tem alta eficácia contra Covid em crianças, diz estudo
Geral
Depois da capital, Estado também decreta ponto facultativo dia 1° de novembro
Geral
Ao vivo: Corpo de Bombeiros fala sobre plano de prevenção para tempestade prevista no fim de semana
Geral
Você tem alguma história de terror real legal para contar? Mande para o JD1 Notícias
Geral
Trecho da Rui Barbosa será interditado durante uma semana
Geral
Shoppings da Capital se unem à CDL para ajudar famílias afetadas pelo temporal
Geral
Para custear exame de filho com DMD, mãe faz barras de chocolate para vender

Mais Lidas

Polícia
Homem pula o muro e flagra a ex-mulher com outro e transtornado agride ela e tranca os dois
Brasil
Vídeo: Homem se desespera ao ver que racha com os amigos acabou em morte
Geral
Com oito filhos, mãe anuncia gravidez de gêmeos e dispara: 'queremos mais'
Geral
Pastor embolsa R$ 30 milhões da Igreja Universal e foge