Menu
Busca domingo, 19 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Governador e professores discutem implantação do piso salarial

16 março 2011 - 20h06
Em reunião a portas fechadas, esta tarde, professores da rede estadual de ensino discutiram com o governador André Puccinelli a proposta de política salarial, plano de cargos e carreiras. A reivindicação é pelo piso e a criação da política salarial do atual governo. A categoria cobra a implantação nos próximos três anos e que a eleição para diretores seja direta já no mês de maio. Para que o governo acate as reivindicações da categoria, professores fizeram paralisação hoje, data em que a Lei do Piso completa três anos. “Não delego secretários para ouvir reivindicações, eu vim aqui para escutá-los”, ressalta o governador André Puccinelli antes da reunião, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo. Para o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, a discussão deve ser produtiva. “Queremos definir o índice de reajuste até 2013, com piso salarial e carga horária de 20 horas”, explica o diretor. A categoria espera ansiosa que o resultado do julgamento da Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4167 , marcada para amanhã, no Supremo Tribunal Federal, seja a favor dos professores. A Ação foi ajuizada em 2008, para impedir a implantação da Lei do Piso, que institui o piso salarial de R$ 950 e jornada máxima de 40 horas semanais, com limite de 2/3 de carga horária para atividades em sala de aula e 1/3 para planejamento. O governo de Mato Grosso do Sul foi um dos estados que ajuizou a Ação, junto com Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Ceará e com apoio dos governadores de São Paulo, Minas Gerais, Tocantins, Roraima e do Distrito Federal. Na reunião, Puccinelli foi categórico em afirmar que é contra a destinação de 1/3 da carga horária para o planejamento dos professores. “Eu fui o primeiro a instituir o piso salarial, mas quanto a carga horária escolar, sou contra”, fala. Para o presidente da ACP (Associação Campo- Grandense dos Professores), Geraldo Alves Gonçalves, o objetivo da reunião é discutir o que não foi atendido. “O governo não ouviu as reivindicações da categoria para 2011 e queremos discutir isso hoje”, resume. Uma das brigas da Fetems é para que os profissionais possam ter a carga horária para planejamento, fora da sala de aula. O que para o governo significa contratar mais professores para a rede estadual. Fonte: CG News
Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Reservatório no Distrito Federal chega a 100% de capacidade
Geral
Universidade leva serviços gratuitos à comunidade no próximo dia 25
Geral
CapacitaSUAS avança em MS e estado reforça pioneirismo na Assistência Social
Geral
Mega-Sena pode pagar 7 milhões neste sábado
Geral
Novas medidas deixarão banda larga mais acessível, segundo Anatel
Geral
Vídeo - Após mulher trocar senha do wi-fi, vizinhos apedrajam casa
Geral
Feijoada do FAC terá renda revertida em agasalhos
Geral
Caminhão da Serasa chega a Campo Grande na próxima semana
Geral
UFMS pode paralisar em setembro, diz Marcelo Turine
Geral
Casas Bahia é autuada por publicidade enganosa

Mais Lidas

Polícia
Ex-marido esfaqueia mulher em boate ao ver localização em rede social
Geral
Vídeo - Após mulher trocar senha do wi-fi, vizinhos apedrajam casa
Polícia
Homem toma arma de policial, troca tiros com outros e morre em telhado de casa
Cidade
Inscrições para sorteio de apartamentos na capital encerram terça-feira