Menu
Busca domingo, 11 de abril de 2021
(67) 99647-9098
Governo Balada - topo - abril21
Geral

Governador e professores discutem implantação do piso salarial

16 março 2011 - 20h06
Em reunião a portas fechadas, esta tarde, professores da rede estadual de ensino discutiram com o governador André Puccinelli a proposta de política salarial, plano de cargos e carreiras. A reivindicação é pelo piso e a criação da política salarial do atual governo. A categoria cobra a implantação nos próximos três anos e que a eleição para diretores seja direta já no mês de maio. Para que o governo acate as reivindicações da categoria, professores fizeram paralisação hoje, data em que a Lei do Piso completa três anos. “Não delego secretários para ouvir reivindicações, eu vim aqui para escutá-los”, ressalta o governador André Puccinelli antes da reunião, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo. Para o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, a discussão deve ser produtiva. “Queremos definir o índice de reajuste até 2013, com piso salarial e carga horária de 20 horas”, explica o diretor. A categoria espera ansiosa que o resultado do julgamento da Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4167 , marcada para amanhã, no Supremo Tribunal Federal, seja a favor dos professores. A Ação foi ajuizada em 2008, para impedir a implantação da Lei do Piso, que institui o piso salarial de R$ 950 e jornada máxima de 40 horas semanais, com limite de 2/3 de carga horária para atividades em sala de aula e 1/3 para planejamento. O governo de Mato Grosso do Sul foi um dos estados que ajuizou a Ação, junto com Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Ceará e com apoio dos governadores de São Paulo, Minas Gerais, Tocantins, Roraima e do Distrito Federal. Na reunião, Puccinelli foi categórico em afirmar que é contra a destinação de 1/3 da carga horária para o planejamento dos professores. “Eu fui o primeiro a instituir o piso salarial, mas quanto a carga horária escolar, sou contra”, fala. Para o presidente da ACP (Associação Campo- Grandense dos Professores), Geraldo Alves Gonçalves, o objetivo da reunião é discutir o que não foi atendido. “O governo não ouviu as reivindicações da categoria para 2011 e queremos discutir isso hoje”, resume. Uma das brigas da Fetems é para que os profissionais possam ter a carga horária para planejamento, fora da sala de aula. O que para o governo significa contratar mais professores para a rede estadual. Fonte: CG News
APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Pandemia diminuiu dois anos na expectativa de vida do brasileiro; diz estudo
Geral
"Em busca da liberdade de culto", marcha da Família Cristã acontece neste domingo
Geral
Semana terá votação sobre auxílio a bares e debate sobre preços de remédios
Geral
Motociclista atingido por carro que 'roletou' tem suspeita de fratura nas pernas
Geral
Quase 12 milhões de contribuintes já enviaram declaração do Imposto de Renda
Geral
Nova lei entra em vigor com alterações sobre uso de farol em rodovias
Geral
Jovem de 19 anos morre durante colisão contra carreta na BR-267
Geral
Covid: Morre Geraldo Escobar, ex-presidente da OAB
Geral
"Sextou em Chapadão": Carreta bate e 30 mil litros de Chopp 'geladinho' ficam espalhados na pista
Geral
Usina termoelétrica movida a biomassa entra em operação em Três Lagoas

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio