Menu
Busca quinta, 06 de maio de 2021
(67) 99647-9098
Sebrae
Política

Presidente Evo Morales já teria mandado revistar avião de ministro da Defesa do Brasil

15 julho 2013 - 10h24
Assim como se queixa de ter sido humilhado, porque, sob suspeita de dar fuga a um procurado pelo governo dos Estados Unidos, seu avião foi impedido de sobrevoar o espaço aéreo de países europeus, o presidente da Bolívia, Evo Morales, teria imposto uma situação semelhante ao ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, no final de 2012, em episódio mantido em segredo pelo governo brasileiro até agora, de acordo com o site Diário do Poder. Amorim visitara La Paz e se preparava para decolar quando seu avião teria sido cercado e revistado, inclusive com cães farejadores, a mando de Morales, desconfiado que o ex-chanceler do governo Lula levava um senador de oposição asilado na embaixada do Brasil. A informação é de diplomatas e funcionários que não puderam ser identificados. A humilhação ao Brasil foi ainda maior, considerando que o ministro era transportado por um avião da FAB.

Morales obteve a solidariedade dos parceiros do Mercosul pelo episódio com o americano Edward Snowden, mas ele se comporta exatamente como seus supostos detratores, mantendo cerco em La Paz à versão boliviana do ex-agente. O senador oposicionista Roger Pinto Molina se viu obrigado a pedir asilo político à embaixada do Brasil em La Paz, onde se encontra há mais de um ano. Ele quer deixar a Bolívia, porque teme até ser assassinado, mas Morales se recusa a conceder-lhe salvo conduto, para sair da embaixada em segurança até sair do país.

O governo brasileiro, diante da situação com o ministro da Defesa, apenas emitiu na ocasião uma "nota de protesto" que permaneceu secreta, ou seja, apenas foi lida pelo destinatário.

Além do senador Moloina, há muitos bolivianos asilados, tentando se proteger da suposta perseguição de Evo Moraes. Inclusive um candidato à presidência e também magistrados que prolataram sentenças contra seu governo tiveram de se asilar.

Habeas corpus extraterritorial
O jurista Fernando Tiburcio Pena, que defende o senador Roger Pinto Molina, impetrou um "habeas corpus extraterritorial", junto ao Supremo Tribunal Federal. Trata-se do primeiro caso do gênero no Brasil, segundo explica o advogado, que usa como precedente uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, que entendeu cabível o direito de habeas corpus a um prisioneiro em Guantánamo. O habeas corpus deve ser julgado em agosto no plenário do STF. O objetivo da medida é obrigar o governo brasileiro a colocar à disposição do senador um veículo diplomático, para que ele possa deixar o território boliviano sob a jurisdição do Brasil durante todo o percurso. Veículo diplomático é protegido pela Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas e, em razão disso, o senador não poderá ser removido à força do carro.
Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Com covid, Cabo Almi está com 50% dos pulmões comprometidos
Geral
Motoristas de aplicativo podem ser inclusos na vacinação contra covid-19
Política
Lira extingue comissão da Câmara sobre reforma tributária
Política
Pazuello entra em quarentena um dia antes de depor na CPI da Covid
Política
Após Itaipu, Marun vai para a Assembleia
Política
Ademir Santana volta à Câmara
Política
Júnior Mochi quer voltar para a Assembleia
Política
Deputado pede celeridade em concurso para peritos forense
Polícia
Covid - Morre o prefeito Edson Moraes de Miranda
Geral
Vídeo: Bolsonaristas fizeram ato neste sábado

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio