Menu
Busca quinta, 01 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Brasil

'Coquetéis do dia seguinte' estão concentrados no Sudeste, diz estudo

03 setembro 2012 - 10h08Reprodução

Mais da metade dos “coquetéis do dia seguinte” contra a Aids retirados nos postos de saúde desde 2011 foram fornecidos na região Sudeste, segundo um levantamento publicado pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

O medicamento distribuído gratuitamente pelo governo serve como uma alternativa de emergência para evitar o contágio pelo HIV. Ele é indicado para casos excepcionais, quando a camisinha falha.

“O método mais eficaz continua sendo o uso do preservativo”, destacou Ronaldo Hallal, infectologista do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Hallal explicou que o medicamento tem efeitos colaterais, mas que eles não são graves ao longo de um mês – ele deve ser tomado ao longo de 28 dias. O início do tratamento deve se dar no máximo 72 horas após o ato sexual, caso contrário ele não é eficaz.

Até 2010, o coquetel era usado apenas por profissionais de saúde, após o contato com o HIV. A partir de 2011, o Ministério passou a distribuí-lo para o público em geral. Pessoas sem o vírus que têm um parceiro soropositivo, por exemplo, fazem parte do grupo mais vulnerável. Outros grupos visados pela iniciativa são homossexuais, usuários de drogas e profissionais do sexo.

Mais comum no Sudeste
O levantamento mostrou que, entre janeiro de 2011 e julho de 2012, 2.978 pacientes obtiveram o medicamento. A média mensal passou de 136, em 2011, para 225, em 2012, o que é um aumento de 65%.

No entanto, a distribuição ainda está concentrada no Sudeste. Do total de 2.978 coquetéis distribuídos, 1.918 (64,4%) foram nessa região. “Metade foi só em São Paulo. A rede de serviços do estado é muito estruturada”, explicou Hallal.

O especialista explica que, como o serviço é recente, é difícil tirar conclusões sobre os números, mas que a implementação precisa melhorar em algumas regiões. “Pelo depoimento de pessoas afetadas, ainda há relato de falta de acesso”, contou o médico.

Via G1

Terra Benta

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Silvio Santos vira alvo de investigação por pergunta sobre sexo para criança
Brasil
Michelle Bolsonaro quer tirar do ar música “Micheque”, do Detonautas
Brasil
Após fala de Bolsonaro, dona de casa cobra na Justiça auxílio de 1 mil dólares
Brasil
Motorista morre ao sofrer descarga elétrica em fazenda
Brasil
Cenas fortes: Mulher morre depois de ser esfaqueada em praça pública
Brasil
Homem agride mulher por ter adesivo "S.O.S Pantanal" no carro
Brasil
Bolsonaro se recupera bem após cirurgia na bexiga nesta manhã
Brasil
VÍDEO: Mulher é agredida com pedrada na cabeça e arrastada pela calçada
Brasil
Justiça Eleitoral torna Crivella inelegível
Brasil
Recriação do Ministério das Comunicações segue para sansão de Bolsonaro

Mais Lidas

Cidade
Vídeo - Famílias perdem tudo em incêndio Noroeste; saiba como ajudar
Cidade
Ação une irmãs do MT e MS em prol de animais do Pantanal
Justiça
Acusado de matar a tia com 24 facadas é condenado a 8 anos de prisão
Polícia
PMA autua pecuarista em R$ 10 mil por animais silvestres em cativeiro