Menu
Busca terça, 07 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Economia

Cesta Básica Alimentar tem alta de 2,34% em setembro na capital

05 outubro 2012 - 11h23Edemir Rodrigues

O custo da Cesta Básica Alimentar em Campo Grande apresentou no mês de setembro uma variação positiva de 2,34% em relação ao mês anterior. Para a aquisição da ração mínima foi necessário R$ 263,39 (em agosto, esse valor foi de R$ 257,38. Os dados são da mais recente pesquisa da Secretaria de Planejamento do Estado.

O levantamento assinalou que dos produtos que compõem a Cesta Básica Alimentar, oito registraram alta: batata 18,87%; tomate 11,57%; arroz 10,99%; óleo 4,86%; carne 1,94%; leite 1,91%; macarrão 1,12% e alface 0,55%. Os produtos que acusaram queda de preço foram: laranja 2,62%; sal 2,13%; banana 0,35% e feijão 0,31%. Pão francês, açúcar e margarina mantiveram seus preços inalterados.

Acumulado
Quanto às variações acumuladas, os números revelam que a elevação alcança alta de 11,07% nos últimos 12 meses; de 5,13% no ano; e de 3,66% no acumulado dos últimos seis meses.

Análise
A equipe técnica da área do Planejamento analisa que houve quebra de 20% na produtividade da batata devido às chuvas ocorridas no período de desenvolvimento das lavouras, diminuindo o volume ofertado do tubérculo, por isso o aumento de preço 18,87%. Já o tomate continua em alta (11,57%) pela baixa produtividade nas lavouras, com pouca oferta no mercado interno. O pico de oferta desta temporada ocorrerá em novembro quando os preços poderão apresentar queda.

A laranja teve uma boa safra este ano devido às condições favoráveis do desenvolvimento dos frutos e está com condições em baixa no período, assinalando queda de 2,62%. E com a normalização da produção de sal nas principais regiões produtoras, os estoques foram elevados, causando queda de preço 2,12%.             

Situação dos produtos no acumulado
Nos últimos seis meses, os produtos que assinalaram maiores altas foram o tomate, o arroz, o óleo, a batata e a margarina. No mesmo período acumulam queda a laranja, o açúcar, a alface, a banana e o feijão. 

Quanto à renda mensal, a pesquisa constatou que no mês de setembro o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 622,00 precisou comprometer 42,35% de sua renda para aquisição da Cesta Alimentar.

Cesta Básica Familiar
A Semac também pesquisa mensalmente o custo da Cesta Básica Familiar,  recomendada para uma família com cinco indivíduos. Ela é composta por um painel fixo de 32 produtos de alimentação, cinco de higiene pessoal e sete de limpeza doméstica, em quantidades essenciais à sobrevivência adequada.

O custo em setembro apresentou alta de 1,75% em relação ao mês anterior, registrando a importância de R$ 1.175,79 (no último levantamento havia sido de R$ 1.155,58).

Quanto às variações acumuladas, os índices são positivos, de 8,05% nos últimos 12 meses; de 4,59% no acumulado de 2012; e de 1,47% considerando os últimos seis meses.

Entre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 25 apresentaram alta de preço, 11 apresentaram queda e oito mantiveram seu preço inalterado.

No grupo Alimentação, a pesquisa apresentou variação positiva de 1,84%. Os principais produtos em alta foram: cebola 21,35%; batata 18,96%; tomate 11,57%; arroz 10,96%; mamão 10,89%; fubá 6,67%; cenoura 5,33%; óleo 4,76 %; frango 3,14% e manteiga 2,66%. Os produtos em queda foram: laranja 2,57%; ovos 0,87%; sal 0,86%; couve 0,59%; mandioca 0,54%; banana 0,33%; feijão 0,33% e queijo 0,26%. Mantiveram seus preços inalterados: açúcar cristal, doces, margarina, pão francês, pão doce e peixe.

Análise
Com o fim do pico de oferta do cerrado e a valorização da cotação dos preços recebidos pelos produtores  no período,  a cebola registrou alta 21,35%. A safra do arroz foi inferior até 13% no Rio Grande do Sul, o que causou baixa oferta no mercado nacional. Com a boa procura e a baixa oferta na maioria das beneficiadoras, ocorreu elevação no preço do arroz 10,96%.          

A elevação da produção dos ovos no mercado interno reduziu o preço em 0,87%. O descarte adiantado das poedeiras tem sido comum para normalizar a produção.

No grupo Higiene Pessoal, o registro foi de alta de 1,17%, com elevação nos preços do absorvente 2,19%; dentifrício 1,90%; lâmina de barbear 1,68% e papel higiênico 0,45%. Registro de queda foi apontado para o sabonete 1,30%.

No que se refere ao Grupo Limpeza Doméstica, houve alta de 0,02%, destacando-se os seguintes produtos: sabão (barra)1,28%; cera em pasta 1,06% e sabão em pó 0,79%. O registro de queda ficou para o detergente 4,46% e a esponja de aço 1,47%. Desinfetante e água sanitária mantiveram seu preço inalterado.

Em termos de renda versus salário-mínimo, houve um comprometimento de 37,81% do valor total da renda familiar, considerando cinco salários mínimos, R$ 3.110,00, para atender uma família composta por cinco membros. No mês anterior, esse cálculo apontou 37,16%.

Via Notícias MS

Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Economia
Junho tem o maior volume de vendas do ano, diz Receita Federal
Economia
BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia
Economia
AO VIVO - Entidades orientam empresário a obter empréstimos de emergência
Economia
Crédito emergencial para empresas será anunciado nesta quarta
Economia
Ações de cobrança são prorrogadas até 31 de julho pela Receita
Economia
Hoje tem pagamento do auxílio emergencial; veja se você recebe

Mais Lidas

Geral
Vídeo - Blogueira acusa ex, famoso na capital, de calote e de ter sido abusivo
Justiça
Estácio pagará R$ 194 mil por contratos abusivos e cobranças indevidas
Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Polícia
Homem quebra vidraça de ótica no centro e leva caixa com dinheiro