Menu
Busca quarta, 19 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Chuva para colheita de soja e atrasa plantio da safrinha de milho em MS

04 março 2011 - 17h20
A mesma chuva que no início do plantio da safra de Verão em Mato Grosso do Sul caiu na época e na quantidade certa e ajudou a aumentar a expectativa de uma colheita recorde, agora está impedido que os agricultores tirem a produção do campo. A colheita está parada desde o fim de semana passada em todo o Estado, segundo a Famasul (Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul), que já teme perdas tanto na safra de Verão quanto na safrinha. A estimativa da Famasul é que a colheita da safra de Verão, que já deveria ter atingido pelo menos um terço, ainda está em 20% da área plantada. Como reflexo, o plantio da chamada safrinha de milho, também está atrasado, o que fez o Ministério da Agricultura e Pecuária adiar o prazo do zoneamento agrícola, que regula a época para o início do cultivo do grão. Se não seguir esse prazo, o agricultor não consegue crédito nos bancos que financiam a safra pelas regras determinas pelo governo. O prazo, que antes vencia até no dia 10 de março, agora vai até 20 de março. Até lá, os agricultores precisaram retirar a soja, principal cultura dessa época, para, na sequência, plantar o milho, que é a lavoura que mais área ocupa a partir de agora. Prejuízo à vista - Para a safra de Verão, já há risco de uma produção menor, segundo o assessor técnico da Famasul, Lucas Galvan. Ele explica que os grãos estão prontos para serem colhidos e, recebendo chuva, podem apodrecer. Na hora da venda, explica, o produtor vai ter prejuízo, com os descontos que podem ser aplicados pelos compradores quando o produto tem menor qualidade. É literalmente um balde de água fria nas expectativas positivas dos agricultores para esta safra, por causa dos bons preços da soja no momento, observa o presidente da Aegran (Associação dos Engenheiros Agrônomos de Dourados), Bruno Tomasini. Ele lembra que, no passado, a saca de soja estava cotada a 27 reais e este ano a cotação está em torno de 40 reais, ou seja, 48% a mais. “Era a oportunidade de uma renda maior na safra, para fazer novos investimentos”. Tomasini afirma que ainda não dá para ser pessimista e prever uma quebra de safra. Mas, assim como o assessor da Famasul alerta, diz que precisa parar de chover logo para que a produção esteja a salvo. Além do risco para as lavouras em si, há também o problema do escoamento. Quando mais chove, piores ficam as estradas e mais difícil fica o transporte da safra. Este ano, Mato Grosso do Sul plantou 1,7 milhão de hectares com soja e a expectativa é colher 5,4 mil toneladas. Espera- Enquanto o tempo não abre, nas fazendas, o cenário é de funcionários contratados especificamente contratados para a safra parados. O produtor rural de Dourados Edson Kazuo Yamamoto é um exemplo. Ele plantou 160 hectares de soja, colheu até agora 20 hectares. “Desde domingo passado não consigo colher nada”. Yamamoto tem um caminhão e uma máquina colheitadeira parados. Além disso, tem 4 funcionários à espera de um período de estiagem para fazer a colheira e, na sequência, o plantio da safrinha de milho. Segundo o assessor técnico da Famasul, a expectativa para a safrinha de milho este ano é que ocupasse 900 mil do 1,7 milhão de hectares plantos com soja. “Mas isso vai depender de como o tempo vai se comportar”, resume. Fonte: CG News
Prefeitura prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Sobe número de setores com trabalho permanente aos domingos e feriados
Economia
Mega-Sena acumulada pode pagar R$ 125 mi nesta quarta-feira
Economia
Com alta de 6% exportações de MS batem arrecadação de 2018
Economia
Desemprego de longo prazo tem alta de 42,4% entre 2015 e 2019
Economia
'Covardia sem precedentes', diz Maia sobre demissão de Joaquim Levy
Economia
Exportações brasileiras cresceram 10% em maio
Economia
Produtividade do trabalho recua 1,1% no primeiro trimestre
Economia
Receita paga nesta segunda as restituições do 1º lote do IR
Economia
Após Bolsonaro falar em demissão do presidente do BNDES, diretor renuncia
Economia
Governo edita nova medida provisória que altera Lei Ambiental

Mais Lidas

Cidade
Campo-grandenses se unem e ajudam família que caiu em golpe da falsa encomenda
Internacional
Vídeo mostra mulher despencando de brinquedo em parque de diversões
Cidade
Sem qualquer indicativo de velocidade, radar funciona desde março
Brasil
Menino é assaltado enquanto vendia doces na rua e internautas se comovem