Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Economia

Custo de desoneração da folha de pagamentos dobra em 2014

20 abril 2014 - 18h26Via Agência Brasil
Responsável por fazer o governo deixar de arrecadar R$ 13,2 bilhões no ano passado, a desoneração da folha de pagamento está trazendo maiores custos para o Tesouro Nacional em 2014. Nos dois primeiros meses do ano, a renúncia fiscal correspondeu a mais que o dobro do registrado no mesmo período de 2013.

Segundo dados mais recentes da Receita Federal, o governo deixou de arrecadar R$ 3,59 bilhões em janeiro e fevereiro por causa da desoneração da folha, contra R$ 1,6 bilhão nos mesmos meses do ano passado. A principal responsável pela diferença foi a inclusão de 16 setores da economia que não contavam com o benefício fiscal no início de 2013.

Em julho do ano passado, dez setores da indústria, do comércio e de serviços, além da construção civil, entraram na desoneração. Em janeiro deste ano, cinco segmentos ligados ao transporte e as empresas jornalísticas também passaram a fazer parte do novo sistema de contribuição para a Previdência Social.

O novo regime começou a ser adotado em 2011 para estimular o emprego e evitar demissões nas indústrias de couro e calçados, nas confecções e nas empresas de call center e de tecnologia da informação. Atualmente, 56 segmentos da indústria, do comércio, dos serviços e dos transportes são beneficiados pela desoneração da folha.

Em vez de pagarem 20% da folha de pagamento como contribuição patronal à Previdência Social, os setores beneficiados pela desoneração passaram a pagar 1% ou 2% do faturamento, dependendo da atividade. A mudança beneficia principalmente as empresas intensivas em mão de obra (que dão mais emprego). Como as alíquotas são mais baixas do que os níveis que manteriam a arrecadação da Previdência, a desoneração implica custos para o governo.

De acordo com cálculos do Ministério da Fazenda, a alíquota neutra – que não traria impacto na arrecadação federal – seria 2,2% em média. Para algumas atividades, no entanto, a alíquota neutra chegaria a 4,6% do faturamento. A desoneração da folha não aumenta o déficit da Previdência porque o Tesouro Nacional compensa o INSS com a diferença de arrecadação e assume as despesas do novo regime. Além disso, no caso da indústria, os produtos importados dos segmentos beneficiados tiveram PIS/Cofins reajustado em um ponto percentual.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro
Economia
Economista aponta três fatores para aumento no preço dos alimentos
Economia
Veja quem recebe o auxílio emergencial nesta sexta

Mais Lidas

Geral
Confira a agenda de lives para esta sexta-feira
Geral
CRMV-MS traz veterinários que atuaram em Brumadinho para ajudar no combate ao incêndio do pantanal
Cidade
Após 20 anos vivendo na irregularidade, 215 famílias de Bodoquena receberão título de propriedade
Justiça
Espaço de eventos indenizará em R$ 20 mil casal por falta de água durante casamento